Modernidade gráfica das transmissões gera debate entre fãs e equipes na F1; entenda

Rob Smedley, engenheiro e diretor do sistema de dados da categoria explica benefícios e questionamentos das informações visuais

Modernidade gráfica das transmissões gera debate entre fãs e equipes na F1; entenda

Os fãs da Fórmula 1 nunca tiveram tantas informações à sua disposição quando se trata de acompanhar a ação ao vivo nos finais de semana de GP. Anos atrás, no máximo eram oferecidos alguns gráficos detalhando as posições da corrida, a diferença entre os líderes e uma estimativa aproximada de quanto tempo os pitstops demoravam.

Hoje em dia, o avanço desenfreado da tecnologia significa que não há limite para novas estatísticas e dados lançados regularmente. Graças ao vínculo da F1 com o Amazon Web Services, os telespectadores obtêm previsões de batalha na pista, estratégia, pontuação de desempenho do carro, análise de curvas e números dos pneus.

Leia também:

No entanto, todas essas informações extras não surgiram sem seus críticos. Alguns questionaram a robustez dos dados, como os gráficos de desempenho dos pneus que levantaram discussões há alguns anos.

Além disso, há o debate sobre se o entretenimento de acompanhar as corridas de F1 é ou não arruinado por gráficos que preveem quando as ultrapassagens acontecerão (e sua chance de sucesso) ou uma ordem provável para o grid sendo lançado antes da sessão.

Quanto mais precisos os gráficos são para prever o que acontece, mais isso tira o espetáculo. E se não forem eficazes, que valor eles agregam? A F1 está bem ciente de tais conflitos e que nunca agradará a todas as pessoas o tempo inteiro.

No entanto, Rob Smedley, engenheiro respeitado e diretor de sistemas de dados da F1, fundamental para guiar os gráficos, é inflexível sobre o quão forte é o modelo de dados e que suas ofertas são realmente mais precisas do que muitos supõem.

Rob Smedley

Rob Smedley

Photo by: Jean Petin / Motorsport Images

No início, muitos fãs rejeitaram algumas das informações fornecidas, mas os engenheiros da F1 ficaram impressionados com o quão próximos estavam da realidade.

"Foi muito interessante, na verdade, porque quando começamos isso, havia muitos comentários de: como eles podem fazer isso?" disse Smedley ao Motorsport.com.

"O que começou a acontecer é que eu recebi algumas mensagens dizendo 'Como você conseguiu? Porque, quando olhamos bem, isso é bastante preciso!' Agora, não está certo o tempo todo, já que nenhum modelo faz isso. Caso contrário, a Fórmula 1 seria um esporte muito chato."

"Eu achei muito divertido. E não era apenas de uma equipe também, e sim de outras que estávamos mostrando onde imaginávamos a situação de seus pneus. E quando eles tiraram os dados, voltaram, olharam para os gráficos e disseram: 'oh sim, não é tão ruim assim'."

Embora seja fácil ignorar os dados dos gráficos da AWS, Smedley diz que os processos usados ​​e a qualidade das informações são muito fortes.

Existem 300 sensores em cada carro de F1, gerando mais de 1,1 milhão de pontos de dados por segundo, além disso, a categoria tem acesso aos loops de cronometragem individuais em cada pista - não apenas aos três setores que são amplamente usados ​​por equipes e fãs em casa.

"O conjunto de informações que temos aqui em certo sentido é realmente rico", disse Rob. "Temos de 25 a 35 loops, dependendo do comprimento do traçado. E você pode obter muitos dados sobre isso."

"Como todos os dados, uma vez que você vai além disso no big data, tem que saber como usá-los. Não é o caso de 'eu tenho mais, portanto, estou melhor'. Em vez disso, é aí que entra a parceria com a AWS, porque eles são eficientes em análise e têm feito isso há muitas décadas."

"Quando você une as duas empresas, onde conhecemos os dados, sabemos o destino e como utilizá-los, mas você precisa desse elemento de aprendizado de máquina, é onde eu acho que funciona."

TV graphics, Braking performance

TV graphics, Braking performance

Photo by: Formula 1

Para Smedley, está claro que a busca da F1 por gráficos é como o desenvolvimento de carros, onde uma melhoria abre a porta para outra: "Acho que se levanta mais e mais perguntas. É como se você voltasse 25 anos, quando comecei. Você acha que se eu conseguir esses dados, irei saber de tudo. Na verdade, tudo o que se faz é apenas levá-los para o próximo bit, e o próximo bit, e o próximo bit... e você nunca, nunca para."

"É uma mineração constante de conhecimento que você nunca pode parar, porque se eu pudesse chegar ao Santo Graal e construir algo que me contasse tudo, realmente resolveria todos os meus problemas. A parte emocionante é perceber que há mais coisas para descobrir."

Apesar dos avanços, há uma série de fatores externos que precisam ser equilibrados pela F1 na seleção de informações importantes, mas não de uma forma que seja abertamente complexa a ponto de alienar aqueles que estão assistindo em casa.

"Temos que manter isso em um nível onde não haja sobrecarga de informações", reiterou. "Onde não sejamos um bando de engenheiros conversando entre si ou com um bando de cientistas de dados."

"No caso, haveria apenas um pequeno grupo demográfico de pessoas que estariam desfrutando da F1 e se beneficiariam com as evoluções gráficas."

Talvez, o maior ato na corda bamba seja garantir que a informação não estrague a diversão de quem está assistindo à corrida. Se a categoria produzisse previsões 100% corretas em uma tarde de sexta-feira e, em seguida, apresentasse as respostas certas para os pitstops, ultrapassagens e o resultado final ainda no início, significaria que haveria pouco sentido em assistir o evento.

Smedley deixa claro que os gráficos precisam melhorar a experiência dos fãs que assistem em casa; não torná-la redundante: "Não devemos estragar a imprevisibilidade do esporte, porque é por isso que as pessoas acompanham."

"Se todos nós sentássemos em um domingo de manhã e disséssemos, 'certo, nós temos esses modelos brilhantes, aqui está a ordem de chegada', você tirou toda a emoção, contou a história antes que ela fosse acontecer, seria muito tedioso", acrescentou.

Sergio Perez, Red Bull Racing RB16B, Lewis Hamilton, Mercedes W12

Sergio Perez, Red Bull Racing RB16B, Lewis Hamilton, Mercedes W12

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

"O que esses gráficos devem fazer é dizer: 'há algo acontecendo na sua frente agora, mas espere um minuto, porque vai ocorrer alguma coisa dentro de 20 voltas também'."

A mensagem é clara que, em vez da AWS lançar um prognóstico de quando um movimento de ultrapassagem acontecerá como um spoiler, é na verdade um convite para motivar as pessoas a ficarem atentas.

“F1 é tão complexo quando você assiste”, disse Smedley. “Há paradas nos boxes e estratégias de pneus em curso, é quase impossível saber de tudo. Não é como o futebol, onde você acompanha tudo o que está na sua frente. [Na F1] Às vezes você tem que esperar até o fim para tudo se desdobrar."

"Então, estamos tentando usar esses gráficos para transmitir muitas coisas imprevisíveis que estão por vir. É muito, muito difícil dizer isso sem as ferramentas necessárias. É o mesmo com os pneus: não podemos dizer qual será o resultado, porque simplesmente não temos esse conhecimento."

"O que podemos mostrar é: 'Aqui está o status da vida útil desses pneus, então é mais do que provável que haverá um pitstop que vai causar alguma ação, o que consequentemente trará algo adicional. Devemos ser responsáveis ​​e usá-los para esse propósito. Se você for tão longe, explicar tudo o que vai acontecer e sempre se tornar realidade, estará estragando um pouco o show."

F1 AO VIVO: 'FOGO CRUZADO' de RBR e MERCEDES e a situação de HAMILTON e BOTTAS | DIRETO DO PADDOCK

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Sequência de corridas até férias da F1 será chave para campeonato?

 

compartilhar
comentários
F1: Trocas de pneus ficarão mais lentas a partir do GP da Hungria

Artigo anterior

F1: Trocas de pneus ficarão mais lentas a partir do GP da Hungria

Próximo artigo

Podcast #114 - TELEMETRIA: Rico Penteado é enfático sobre favorito na Áustria

Podcast #114 - TELEMETRIA: Rico Penteado é enfático sobre favorito na Áustria
Carregar comentários