Fórmula 1
29 ago
-
01 set
Evento encerrado
05 set
-
08 set
Evento encerrado
19 set
-
22 set
Evento encerrado
26 set
-
29 set
Evento encerrado
10 out
-
13 out
Evento encerrado
24 out
-
27 out
Próximo evento em
10 dias
31 out
-
03 nov
Próximo evento em
17 dias
14 nov
-
17 nov
R
GP de Abu Dhabi
28 nov
-
01 dez
Próximo evento em
45 dias

Niki Lauda, 1949-2019: Relembre a carreira da lenda da Fórmula 1

compartilhar
comentários
Niki Lauda, 1949-2019: Relembre a carreira da lenda da Fórmula 1
Por:
21 de mai de 2019 12:42

Tricampeão mundial da categoria máxima do automobilismo, austríaco também se destacou no ramo aéreo e como diretor da Mercedes

A palavra “lenda” é usada com frequência exagerada, mas não há dúvida de que deve ser aplicada a Niki Lauda (veja imagens em galeria exclusiva no final desta matéria). Tricampeão mundial, o austríaco levou uma vida de realizações notáveis, dentro e fora da pista, tanto em corridas como no ramo de companhias aéreas.

Ele será sempre lembrado pelo acidente no GP da Alemanha de 1976, em Nurburgring, que quase custou sua vida. Seu retorno subseqüente, superando desafios físicos e mentais para voltar ao topo de seu jogo, é certamente uma das histórias mais extraordinárias do esporte mundial.

Leia também:


Lauda também era uma personalidade absolutamente única, sem nenhum medo de dizer exatamente o que pensava e sempre pronto para oferecer uma percepção sincera em qualquer situação.

O austríaco combinou isso com um senso de diversão perverso que desmentia a imagem aparentemente séria e soturna que ele havia inadvertidamente promovido em seus anos na Ferrari, quando conquistou vitórias com precisão metronômica.

Nascido Andreas Nikolaus Lauda em Viena, em 22 de fevereiro de 1949, ele cresceu em circunstâncias privilegiadas, com um rico avô paterno. O futuro piloto demonstrou pouco interesse pela educação formal e, em vez disso, tomou o rumo dos carros. Em 1968, adquiriu um Mini Cooper, e sem o conhecimento de seus pais, fez sua estreia em uma corrida em abril daquele ano, terminando em segundo lugar.

Niki Lauda, March 712M - Cosworth with Dieter Quester, March 712M - BMW

Niki Lauda, March 712M - Cosworth with Dieter Quester, March 712M - BMW

Photo by: LAT Images

Lauda acabaria se afastando do pai por causa do automobilismo e foi obrigado a seguir por conta própria. Ele rapidamente comprou um Porsche 911, e depois mudou-se para a Fórmula Vee em 1969. No ano seguinte, ganhou mais experiência numa era selvagem da F3, tendo sua temporada pontuada por acidentes.

Em 1971, Lauda comprou uma vaga na F2 com a March, garantindo como melhor resultado um quarto lugar em Rouen, numa época em que o grid costumava estar cheio de grandes pilotos já estabelecidos. Ainda em 1971, Lauda fez sua estreia na F1 em casa, no Osterreichring, também com uma March. Ele acabou abandonando depois de se qualificar no 21º posto.

Em 1972, o austríaco financiou sua temporada na F1 como companheiro de equipe de Ronnie Peterson na March com um empréstimo bancário, confiante de que teria sucesso e seria capaz de pagá-lo. Foi um ano infrutífero com carros difíceis e pouco competitivos, mas ele mostrou sinais de progresso na F2, conquistando três pódios e o quinto lugar no campeonato europeu. No entanto, até o final do ano, ele ainda estava em dívida e sem lugar no grid da categoria máxima.

Landa então conseguiu um acordo com Louis Stanley para correr pela BRM em 1973. Foi um movimento ousado típico de Lauda - ele aceitou outro empréstimo bancário e prometeu a Stanley que traria algum apoio. O austríaco sabia que o patrocínio não seria promissor, mas estava convencido de que iria tão bem que acabaria sendo pago, o que realmente aconteceu.

Os resultados foram poucos, mas Lauda mostrou faíscas de uma promessa genuína. Foi o suficiente para impressionar Enzo Ferrari, que o contratou em 1974. Seria o começo de uma parceria notável. A equipe havia atingido uma baixa em 1973, mas Lauda energizou Maranello, trazendo um novo foco técnico e formando um vínculo estreito com o engenheiro Mauro Forghieri.

Niki Lauda, BRM

Niki Lauda, BRM

Photo by: LAT Images

Lauda era bem versado tecnicamente e adepto de afinar o carro. Ele também se preparou fisicamente para extremos inéditos, iniciando a era moderna de academias e fisioterapeutas. O austríaco era o pacote completo.

Ele também mostrou uma velocidade incrível em 1974, conquistando nove pole positions e marcando suas primeiras vitórias na Espanha e na Holanda. No entanto, uma série de abandonos na última parte da temporada o levou a sair da disputa pelo título.

Mas Lauda retomou a grande forma em 1975. Armado com o icônico 312T, ele novamente levou nove poles, mas desta vez cinco vitórias e pontuações consistentes o levaram ao primeiro campeonato mundial da Ferrari desde 1964. Ele superou Emerson Fittipaldi.

O austríaco manteve a consistência em 1976, registrando quatro vitórias e dois segundos lugares nas seis primeiras corridas. No entanto, à medida que a temporada foi passando, seu grande rival James Hunt e a McLaren começaram a ganhar força, e a batalha entre suas equipes se tornou controversa. Apesar de uma crescente rivalidade na pista, os dois homens continuaram bons amigos.

Tudo mudou no acidente em Nürburgring no dia 1º de agosto. Lauda foi puxado de seu carro em chamas por seus colegas e correu para o hospital de Mannheim com queimaduras e lesões no pulmão. Ele ficou a um passo da morte, mas através de pura determinação e vontade de ferro, ele conseguiu sobreviver - e desde o início seu foco estava em voltar ao cockpit.

Desafiando as probabilidades, Lauda estava de volta ao seu 312T2 em Monza apenas seis semanas depois, superando não apenas os desafios físicos, mas também o lado mental. Ele não ocultaria os demônios que teve de superar.

Niki Lauda, Ferrari 312T2, crash

Niki Lauda, Ferrari 312T2, crash

Photo by: LAT Images

Ele lutou bravamente para defender seu título durante as corridas restantes da temporada, tendo um quarto lugar surpreendente na Itália e um terceiro lugar nos EUA. No GP final molhado e encharcado em Fuji, no Japão, Lauda parou nos boxes - e não fez nenhuma tentativa de disfarçar o fato de que ele simplesmente não queria continuar nas condições adversas. Hunt garantiu o terceiro lugar que precisava para levar o título por apenas um ponto.

Na África do Sul, no início de 1977, Lauda conquistou sua primeira vitória desde o acidente, acrescentando mais dois sucessos e sete outros pódios no seu caminho para garantir seu segundo título por uma margem confortável.

No entanto, houve uma considerável tensão nos bastidores pelo fato de a Ferrari ter buscado Carlos Reutemann como seu substituto, enquanto Lauda ainda estava no hospital. Muito antes do final do ano, ele havia acordado com Bernie Ecclestone para guiar uma Brabham-Alfa em 1978.

Lauda começou feliz na equipe britânica, aproveitando a atmosfera promovida por Ecclestone, o designer Gordon Murray e o gerente de equipe Herbie Blash. A primeira temporada trouxe vitórias na Suécia e em Monza, mas a equipe perdeu o rumo em 1979 quando a tecnologia do efeito solo avançou rapidamente.

No final daquele ano, Lauda, ​​já ocupado com a criação de uma empresa aérea, começou a questionar seu compromisso com a Brabham e com a F1. Depois de correr algumas voltas no GP do Canadá com o novo BT49 da Cosworth, ele decidiu que era suficiente e se afastou do esporte.

Lauda ficou afastado até 1980, mas em 1981 começou a cogitar o retorno. Ron Dennis, que assumira a McLaren, continuou insistindo com o então bicampeão sobre um possível retorno ao grid.

Niki Lauda, McLaren MP4B Ford

Niki Lauda, McLaren MP4B Ford

Photo by: LAT Images

Uma visita ao GP da Itália levou a um teste no revolucionário MP4 de carbono de John Barnard em Donington. Tendo demonstrado tanto para a equipe quanto para Lauda que ele ainda era rápido e motivado, o austríaco se inscreveu para 1982. No entanto, Dennis jogou duro com o dinheiro e o contrato inicial deu à McLaren a opção de dispensá-lo se não desse certo.

Lauda logo silenciou os que duvidavam, conquistando um sólido quarto lugar em sua corrida de retorno na África do Sul e vencendo pela terceira vez nas ruas de Long Beach. Ele registraria outra vitória em Brands Hatch e ficaria em quinto lugar no campeonato mundial.

A temporada de 1983 mostrou-se mais difícil para a McLaren, equipada com o motor Cosworth, à medida que os carros turbo começaram a dominar e finalmente encontrar confiabilidade. Lauda havia pressionado Dennis para encontrar um motor turbo e ajudou a negociar um contrato para a Porsche projetar e fabricar um V6, de acordo com as especificações da Barnard, e com financiamento da TAG.

Por insistência de Lauda, ​​o motor foi preparado para uma estreia inicial no GP da Holanda daquele ano, e dados úteis foram coletados pela equipe nas quatro corridas disputadas. Enquanto isso, Dennis teve uma chance inesperada de fortalecer ainda mais o pacote da McLaren quando Alain Prost chegou ao mercado depois de perder o título com a Renault. Ele foi rapidamente contratado como companheiro de Lauda.

A McLaren desfrutaria de uma temporada sublime em 1984, quando o motor TAG se mostrava muito competitivo, especialmente em corridas, auxiliado por um sistema eletrônico eficaz. O campeonato se transformou em uma batalha entre o veterano Lauda - com 35 anos na época - e o jovem e implacavelmente ambicioso Prost.

Ambos eram conhecidos por uma abordagem metódica e técnica para suas corridas. Chegando à conclusão de que não poderia bater o seu companheiro de equipe na qualificação, Lauda se concentrou em preparar seu carro para os domingos. Valeu a pena, pois marcou cinco vitórias e levou o título apenas por meio ponto no GP final de Estoril.

Niki Lauda, McLaren MP4/2 TAG Porsche

Niki Lauda, McLaren MP4/2 TAG Porsche

Photo by: LAT Images

Em 1985, Lauda sofreu uma série de abandonos, com Prost construindo a força que faria o francês garantir seu primeiro título. Lauda, ​​por sua vez, sentiu-se cada vez mais frustrado, e seu relacionamento com Dennis começou a desmoronar.

Em sua corrida em casa, em agosto, ele anunciou que estava se aposentando no final da temporada - sua única vitória de 1985, na etapa seguinte em Zandvoort, deu-lhe enorme satisfação. Ele conduziu brevemente em sua última corrida de F1 nas ruas de Adelaide, quando uma falha no freio o jogou contra a parede. Dessa vez ele se afastou do cockpit para sempre.

Posteriormente, foi capaz de dedicar suas energias à construção da Lauda Air. O acidente de um dos seus 767 na Tailândia, em maio de 1991, causado por uma falha técnica da Boeing que tirou a vida de 223 passageiros e tripulantes, atingiu-o com força.

Em 2000, a Lauda Air tornou-se uma subsidiária da Austrian Airlines e foi posteriormente absorvida. Lauda, ​​por sua vez, iniciou uma segunda companhia aérea sob o nome Niki. Mais recentemente ele administraria uma terceira companhia aérea, a Laudamotion.

No entanto, a lenda da F1 nunca se afastou das corridas automobilísticas, desfrutando de uma longa segunda carreira como um popular comentarista de TV que nunca teve medo de falar o que pensava. Ele conseguiu conciliar isso com os períodos de gerenciamento em três equipes diferentes. Passagens por Ferrari e Jaguar deram poucos frutos, e suas avaliações brutalmente honestas de qualquer situação nem sempre foram bem recebidas.

Niki Lauda, Mercedes AMG F1 Non-Executive Chairman

Niki Lauda, Mercedes AMG F1 Non-Executive Chairman

Photo by: Sutton Images

Então, em setembro de 2012, ele foi anunciado como diretor não executivo da Mercedes. Já no início daquele ano, Nico Rosberg venceu o GP da China. Na época, porém, a equipe era, na melhor das hipóteses, a quarta na hierarquia, e o retorno de Michael Schumacher não fora tão bem-sucedido como todos esperavam.

No entanto, Lauda sabia que a Mercedes estava bem avançada com seu programa híbrido para 2014, e ele desempenhou um papel fundamental em convencer Lewis Hamilton a deixar a McLaren.

Em 2013, último ano com as regras do V8, Hamilton conseguiu sua primeira vitória na Mercedes na Hungria, e Rosberg acrescentou mais dois sucessos. A escuderia estava crescendo e, quando os híbridos chegaram em 2014, a Mercedes estava à frente do jogo, e por alguma margem.

Lauda, ​​em seguida, desempenhou um papel enorme na direção da equipe - trabalhando em conjunto com o compatriota Toto Wolff - para cinco campeonatos mundiais consecutivos, servindo como um elo crucial para a alta direção da empresa.

Ao longo dos anos, ele fez dois transplantes de rim e, em agosto passado, fez um transplante de pulmão. Ele tinha lutado com problemas de saúde desde então e, embora incapaz de cumprir seu habitual papel na pista, permaneceu em contato com o que estava acontecendo.

Ainda há um longo caminho a percorrer nesta temporada 2019. Mas se a Mercedes conseguir conquistar o sexto campeonato mundial consecutivo, o título recorde será o tributo perfeito ao homem que tanto fez pela categoria, pela equipe e para o esporte como um todo.

Niki Lauda, Ferrari and James Hunt, McLaren

Niki Lauda, Ferrari and James Hunt, McLaren

Photo by: Sutton Images

CONFIRA IMAGENS DA CARREIRA VITORIOSA DE NIKI LAUDA

Galeria
Lista

Niki Lauda, Ferrari

Niki Lauda, Ferrari
1/29

Foto de: Ercole Colombo

Niki Lauda, Ferrari

Niki Lauda, Ferrari
2/29

Foto de: Ercole Colombo

Niki Lauda, McLaren MP4/2 TAG Porsche

Niki Lauda, McLaren MP4/2 TAG Porsche
3/29

Foto de: LAT Images

Da esquerda para direita: Niki Lauda, James Hunt e Clay Regazzoni, o pódio do GP da Holanda de 1975

Da esquerda para direita: Niki Lauda, James Hunt e Clay Regazzoni, o pódio do GP da Holanda de 1975
4/29

Foto de: LAT Images

Niki Lauda, Ferrari

Niki Lauda, Ferrari
5/29

Niki Lauda

Niki Lauda
6/29

Foto de: Jean-Philippe Legrand

Niki Lauda

Niki Lauda
7/29

Foto de: Jean-Philippe Legrand

Niki Lauda, Brabham BT46B Alfa Romeo

Niki Lauda, Brabham BT46B Alfa Romeo
8/29

Foto de: LAT Images

Niki Lauda no GP da Bélgica de 1976

Niki Lauda no GP da Bélgica de 1976
9/29

Foto de: LAT Images

Niki Lauda, McLaren MP4/2B TAG Porsche

Niki Lauda, McLaren MP4/2B TAG Porsche
10/29

Foto de: LAT Images

Mario Andretti lidera com Niki Lauda, quase ao seu lado durante GP da Suécia de 1978

Mario Andretti lidera com Niki Lauda, quase ao seu lado durante GP da Suécia de 1978
11/29

Foto de: LAT Images

Carlos Reutemann comemora vitória do GP do Brasil de 1977, com James Hunt, em segundo e Niki Lauda em terceiro

Carlos Reutemann comemora vitória do GP do Brasil de 1977, com James Hunt, em segundo e Niki Lauda em terceiro
12/29

Foto de: LAT Images

Niki Lauda, Ferrari 312T

Niki Lauda, Ferrari 312T
13/29

Foto de: Sutton Motorsport Images

Niki Lauda, Ferrari 312T

Niki Lauda, Ferrari 312T
14/29

Foto de: LAT Images

Pódio do GP de Portugal de 1984: Alain Prost, vencedor, Niki Lauda, segundo colocado, Ayrton Senna em terceiro

Pódio do GP de Portugal de 1984: Alain Prost, vencedor, Niki Lauda, segundo colocado, Ayrton Senna em terceiro
15/29

Foto de: Sutton Motorsport Images

Niki Lauda conversa com Mauro Forghieri e Luca di Montezemolo durante fim de semana do GP da Alemanha de 1974

Niki Lauda conversa com Mauro Forghieri e Luca di Montezemolo durante fim de semana do GP da Alemanha de 1974
16/29

Foto de: Sutton Motorsport Images

Niki Lauda, Brabham BT45C

Niki Lauda, Brabham BT45C
17/29

Foto de: Sutton Motorsport Images

Niki Lauda, Brabham BT46B

Niki Lauda, Brabham BT46B
18/29

Foto de: Sutton Motorsport Images

Niki Lauda, Ferrari 312T2

Niki Lauda, Ferrari 312T2
19/29

Foto de: LAT Images

Niki Lauda, Ferrari 312B3

Niki Lauda, Ferrari 312B3
20/29

Foto de: Sutton Motorsport Images

Niki Lauda, Ferrari 312T

Niki Lauda, Ferrari 312T
21/29

Foto de: LAT Images

Niki Lauda, McLaren MP4/1B

Niki Lauda, McLaren MP4/1B
22/29

Foto de: LAT Images

Pódio do GP do Brasil de 1976: Niki Lauda, vencedor, Patrick Depailler, terceiro e Tom Pryce em segundo

Pódio do GP do Brasil de 1976: Niki Lauda, vencedor, Patrick Depailler, terceiro e Tom Pryce em segundo
23/29

Foto de: LAT Images

Niki Lauda, Ferrari

Niki Lauda, Ferrari
24/29

Foto de: LAT Images

Niki Lauda e Luca Di Montezemolo

Niki Lauda e Luca Di Montezemolo
25/29

Foto de: Sutton Motorsport Images

Niki Lauda, Ferrari 312T2

Niki Lauda, Ferrari 312T2
26/29

Foto de: LAT Images

Niki Lauda, Ferrari 312T

Niki Lauda, Ferrari 312T
27/29

Foto de: LAT Images

Niki Lauda, March 721X Ford

Niki Lauda, March 721X Ford
28/29

Foto de: LAT Images

Niki Lauda lidera GP da Áustria de 1975

Niki Lauda lidera GP da Áustria de 1975
29/29

Foto de: Sutton Motorsport Images

Próximo artigo
Ator que viveu Lauda nos cinemas faz sua homenagem ao ídolo

Artigo anterior

Ator que viveu Lauda nos cinemas faz sua homenagem ao ídolo

Próximo artigo

Fittipaldi homenageia "gladiador" Lauda: "Inspirou minha família"

Fittipaldi homenageia "gladiador" Lauda: "Inspirou minha família"
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Niki Lauda
Autor Adam Cooper