Renault: decisão de motor só sai após anúncio sobre F1

Renault diz que ideia de fornecer motores sem marca para Red Bull só será definida após decisão de fabricante francesa sobre permanecer ou não na F1

Renault: decisão de motor só sai após anúncio sobre F1
Cyril Abiteboul, Renault Sport F1
Dr Helmut Marko, Red Bull Motorsport com Cyril Abiteboul, Renault Sport F1
Cyril Abiteboul, Renault Sport F1 Managing Director
Daniil Kvyat, Red Bull Racing RB11
Daniil Kvyat, Red Bull Racing RB11
Daniil Kvyat, Red Bull Racing RB11
Daniil Kvyat, Red Bull Racing RB11 locks up under braking

Após o GP do México, o CEO da Renault, Carlos Ghosn, levantou a hipótese de continuar fornecendo unidades de potência para a Red Bull mesmo que a marca francesa não apareça e os motores ganhem outro nome.

Apesar de o tempo estar cada vez mais curto para a equipe austríaca, os franceses dizem que a situação não será resolvida antes da Renault decidir seu futuro na categoria. Ghosn deve anunciar a decisão em breve, o que deve incluir a compra da Lotus e o ressurgimento da equipe gaulesa na F1.

Primeiro, a Renault

O diretor da Renault na F1, Cyril Abiteboul explicou em detalhes a situação que envolve a decisão da Renault e da Red Bull, e deu indícios de que uma solução foi encontrada pelo time de Milton Keynes.

"O que posso dizer é que a Red Bull encontrou uma solução. Confirmaremos o quanto a Renault estará envolvida nisso, mas a primeira coisa que precisamos decidir é sobre nosso envolvimento na F1. O anúncio de nossa decisão quanto a isso não começa na Red Bull, pois deixamos claro que não temos interesse em permanecer como fornecedora de motores", disse.

"Em primeiro lugar, vem o que queremos fazer na F1. Quais os elementos associados a isso? O que faremos em relação a Lotus, Red Bull e Toro Rosso? Além disso, o que farão as marcas afiliadas a nosso programa aqui, como Total e Infiniti? Sei que há muita especulação em cima disso, mas o evento essencial é a decisão de nosso CEO", disse.

Críticas inaceitáveis

Embora tenha sido alvo de duras críticas da Red Bull neste ano, a Renault não quer ser a responsável por impedir a equipe de correr em 2016 e, portanto, estaria disposta a seguir fornecendo unidades de potência para os austríacos no próximo ano. Abiteboul afirmou, no entanto, que o formato atual, com a marca sendo exibida nos carros da Red Bull, seria algo errado.

Quando questionado sobre a possibilidade de fornecer motores sem marca para a equipe austríaca, o dirigente reconheceu que a ideia faz sentido, mas não confirmou nada. "Se fornecermos (motores) para a Red Bull, será porque fará sentido para nós no futuro", disse. 

"Entendo completamente que a Red Bull critique nosso produto. Outros não compreendem, mas eu sim. Eles podem criticar a mim, ao grupo técnico, mas criticar a marca é simplesmente inaceitável. Nesse sentido, o que você acabou de mencionar é possível, pois atende, de certa forma, os requisitos das duas partes", afirmou.

Embora motores Renault sem a exibição da marca sejam o caminho mais provável para a Red Bull, ainda há uma esperança de um acordo com a Honda, apesar das objeções da McLaren neste sentido. 

compartilhar
comentários
Massa cobra motor igual ao da Mercedes, mas vê Williams muito distante

Artigo anterior

Massa cobra motor igual ao da Mercedes, mas vê Williams muito distante

Próximo artigo

Verstappen: duelo Schumacher/Kimi inspirou manobra em Perez

Verstappen: duelo Schumacher/Kimi inspirou manobra em Perez
Carregar comentários