Fórmula 1
24 out
-
27 out
Evento encerrado
01 nov
-
03 nov
Evento encerrado
14 nov
-
17 nov
Evento encerrado
28 nov
-
01 dez
Evento encerrado

Renault: Parceria entre equipes grandes e pequenas é perigosa para F1

compartilhar
comentários
Renault: Parceria entre equipes grandes e pequenas é perigosa para F1
Por:
15 de mar de 2019 15:17

Chefe do time francês, Cyril Abiteboul diz que Mercedes, Ferrari e Red Bull se beneficiam e que realidade pode afastar novas escuderias

A Renault teme que as parcerias entre grandes e pequenas equipes na Fórmula 1 possam impedir que outros times desafiem Mercedes, Ferrari e Red Bull, além de afastar novas escuderias em potencial.

A Ferrari fornece motor à Haas, além de algumas peças do VF-19. Já a Toro Rosso é a equipe júnior da Red Bull e usará muitos componentes do RB14 do ano passado. São exemplos que trazem preocupações de que os times do top possam ser auxiliados pelas equipes B, que dependem dos recursos financeiros.

A FIA já indicou que está monitorando a situação, já que a F1 se prepara para introduzir um limite de orçamento e outras restrições de recursos no regulamento de 2021.

Leia também:


Perguntado pelo Motorsport.com sobre as afiliações com escuderias menores, o chefe de equipe da Renault Cyril Abiteboul disse: "Já é um desafio para um time como nós, que está competindo contra o top-3, que tem algo como 30% a mais de dinheiro do que nós. Se eles são capazes de combinar seus recursos com outras equipes, é um problema para nós e para outros dois grupos”.

Abiteboul se refere a McLaren e Williams, que se juntaram à Renault no ano passado para inicialmente reprovar a manutenção dos direitos comerciais da Force India por parte da Racing Point. O receio era que a nova equipe ficasse ainda mais próximo da Mercedes.

Abiteboul disse que a Renault está insatisfeita com a resposta que recebeu dos organizadores sobre como lidar com a situação em 2021 e alertou que "também poderia ser um problema para um novo participante disposto a entrar na F1 e ser competitivo".

"Talvez alguém que entre na F1 tenha que aceitar que não estará em posição de ser competitivo. Somos extremamente cuidadosos com o que estamos dispostos a fazer em 2021. Ainda não estamos convencidos das medidas que foram apresentadas. Continuaremos a trabalhar com os a organização para ter algo mais satisfatório."

Por outro lado, os chefes da Red Bull e da Ferrari, Christian Horner e Mattia Binotto, disseram que apoiaram o atual modelo da F1. Segundo eles, as pequenas equipes é que se beneficiam de tais acordos, sendo a Haas o principal exemplo.

"A acessibilidade da Fórmula 1 é extremamente cara", disse Horner. "Há uma distância entre ser uma equipe de construtores completa e a capacidade de adquirir peças”. Binotto disse que "o modelo em si é o certo" e bom para a F1. Ele acrescentou: "Se houver alguma preocupação, cabe a nós entender e ver se estamos mitigando ou evitando-os."

Próximo artigo
Ricciardo diz que teve problemas com cinto de segurança nos treinos

Artigo anterior

Ricciardo diz que teve problemas com cinto de segurança nos treinos

Próximo artigo

FIA discutirá substituição de Charlie Whiting com equipes da F1

FIA discutirá substituição de Charlie Whiting com equipes da F1
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Renault F1 Team
Autor Scott Mitchell