Análise técnica de Giorgio Piola
Assunto

Análise técnica de Giorgio Piola

Saiba os desafios que os novos pneus da F1 trazem às equipes e pilotos

Modelo de 18 polegadas, parte do novo regulamento da categoria, estreia em 2022 e será responsável por muitas mudanças aerodinâmicas

Saiba os desafios que os novos pneus da F1 trazem às equipes e pilotos
Carregar reprodutor de áudio

A Fórmula 1 está adotando um design de carro totalmente novo para a temporada de 2022, com um esforço significativo para torná-los capazes de competir entre si. Como parte dessa revisão, o esporte finalmente adotou um desenho de aro de roda maior, tendo flertado com a ideia em muitas ocasiões no passado.

Essa mudança para 18 polegadas significa que a Pirelli também teve que adaptar sua oferta e produzirá um composto com uma lateral muito mais curta. É aqui que equipes e competidores podem ter que se adaptar mais quando consideramos como os novos componentes se comportarão em comparação a borracha que será substituída.

Leia também:

Em primeiro lugar, a visão do piloto será mais prejudicada do que antes. Não só os aros das rodas foram aumentados em diâmetro, como também todo o conjunto. Com os pneus da Pirelli montados, eles são 60 mm mais altos que a geração anterior, o que obviamente fará com que olhar por cima deles seja um pouco mais desafiador.

Além disso, será ainda mais desafiador quando considerarmos o defletor da roda que será montado acima dela.

Os projetistas também se sentirão desafiados pelas mudanças, pois o pneu de perfil mais baixo se comportará de maneira diferente - criando inconsistências que eles terão que lidar.

Vários truques aerodinâmicos foram usados ​​no passado recente do esporte para tentar mitigar o efeito conhecido como 'esguicho'. No entanto, com muitos desses recursos removidos ou fortemente restritos, as escuderias terão que encontrar novas maneiras de lidar com a mudança resultante na rigidez do pneu e na altura da lateral.

Tyres deformation

Tyres deformation

Photo by: Giorgio Piola

A Pirelli está há muito tempo à mercê do esporte para aumentar o entretenimento, com a degradação térmica identificada como uma forma de criar diferenças estratégicas entre equipes e pilotos.

No entanto, como parte da revisão, os competidores pediram que houvesse menos foco nisso para que pudessem correr mais livremente sem a preocupação de ter que gerenciar os compostos ao longo da corrida.

Pilotar bem abaixo do potencial real do carro tornou-se um tema comum ao longo dos últimos anos, para que o pneu não superaquecesse e resultasse em um pit stop extra do que estava originalmente planejado.

Também leve em consideração qualquer perda de tempo por ter que passar o tráfego ou repassar carros retardatários e, de repente, a estratégia do estilo tartaruga ficou muito mais atraente do que ser a lebre.

A abordagem da Pirelli ao design dos novos pneus e o impacto do redesenho do carro podem alterar essa percepção. Os pneus de lateral mais rígida e mais curtos apresentarão uma nova construção em um esforço para resolver alguns dos problemas de temperatura enfrentados pelas equipes, o que deve resultar em menos desafios com o gerenciamento.

Busca por desempenho

Os times trabalharam duro durante a era anterior para aliviar alguns desses problemas e encontraram desempenho através de várias fontes, seja com os cobertores de aquecimento, o design do aro da roda, dutos de freio ou configuração da suspensão.

Todos eles enfrentam uma redefinição significativa em termos de design para 2022, sem esquecer que o equilíbrio aerodinâmico do carro também varia, dada a mudança para um desenho mais inclinado para o assoalho.

Stacks of tyres in heated blankets

Stacks of tyres in heated blankets

Photo by: Andrew Hone / Motorsport Images

Em primeiro lugar, enquanto os regulamentos atuais sugerem que os cobertores serão finalmente banidos a partir de 2024, a principal mudança em 2022 é que a temperatura máxima deles deve ser reduzida de 100º C para 70º C.

Isso pode ter um impacto na forma como os pilotos se aproximam da saída do pit lane ou no início de uma corrida, pois podem precisar aquecer os pneus, em vez de gerenciar imediatamente sua temperatura.

No entanto, a maneira como os compostos são trabalhados pode diferir em qualquer caso, já que muitas equipes elevaram os elementos da suspensão e usaram soluções mais extremas de pushrod na vertical nos últimos anos para ajudar em vários aspectos aerodinâmicos, estes, juntamente às soluções hidráulicas, foram removidos.

Mercedes AMG F1 W10 front suspension detail

Mercedes AMG F1 W10 front suspension detail

Photo by: Giorgio Piola

Em vez disso, as equipes retornarão aos arranjos de suspensão com mola clássica, que obviamente influenciam o comportamento do carro e fornecem ao piloto um feedback diferente.

Enquanto isso, a mudança para a BBS como o único fornecedor de aros significa que quaisquer vantagens obtidas em termos de controle da transferência de calor entre essa peça e o pneu também serão corroídas.

As grandes aletas de refrigeração vistas na Mercedes nos últimos anos não serão mais possíveis.

Mercedes F1 AMG W09 rim tyre

Mercedes F1 AMG W09 rim tyre

Photo by: Giorgio Piola

Vale lembrar que o tamanho dos discos de freio também será diferente em 2022, com o diâmetro padrão de 278 mm para dianteiros e traseiros usados desde 2017 sendo trocados por novas dimensões.

Na frente, as equipes podem selecionar entre 325 e 330 mm, enquanto atrás o permitido será entre 275 e 280 mm.

Essas mudanças obviamente têm ramificações em relação aos designs do disco e sua proximidade aos aros maiores, com considerações adicionais de design e também retroalimentando o desenho do duto de freio.

Isso pode ser considerado um caminho onde as equipes podem encontrar alguns pequenos ganhos sobre seus rivais.

No entanto, embora a capacidade de criar os desenhos complexos usados no passado tenha sido drasticamente reduzida, a transferência do calor gerado durante a frenagem ainda pode ser fundamental no gerenciamento das temperaturas dos pneus.

2022 brake disc dimension
McLaren MCL35M front brake

Como podemos ver no modelo da McLaren para seu carro 'mula', há espaço para aumentar o tambor de freio para combinar bem com o tamanho da roda, como feito anteriormente, mas as equipes também podem descobrir que há alguns benefícios em diminuí-lo e ter um espaço maior entre ele e o aro da roda.

À medida que a expectativa aumenta para a temporada de 2022 e temos nossa primeira visão dos carros, sem dúvida vamos entender as diferentes abordagens aerodinâmicas que as escuderias adotaram com os novos regulamentos. E tanto elas quanto os pilotos esperam ter acertado em relação aos aspectos que podem afetar o desempenho dos pneus.

Corridas sprint AMEAÇADAS em 2022? Entenda como TRETA por GRANA atrapalha planos da F1

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #158 – TELEMETRIA DE FÉRIAS: Rico Penteado explica novo carro da F1

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST:

compartilhar
comentários
F1: Pirelli não vê problemas com corridas de uma parada se houver ação na pista; entenda
Artigo anterior

F1: Pirelli não vê problemas com corridas de uma parada se houver ação na pista; entenda

Próximo artigo

F1: Disputa financeira pode arruinar planos das sprints em 2022

F1: Disputa financeira pode arruinar planos das sprints em 2022
Carregar comentários