Sainz teme que Toro Rosso tenha ficado para trás

Fato de ter que correr com unidade de potência da Ferrari de 2015 faz com que time sofra com falta de potência

Sainz teme que Toro Rosso tenha ficado para trás
Carlos Sainz Jr, Scuderia Toro Rosso STR11
Carlos Sainz Jr, Scuderia Toro Rosso STR11
Carlos Sainz Jr., Scuderia Toro Rosso STR11
Carlos Sainz Jr., Scuderia Toro Rosso STR11
Carlos Sainz Jr., Scuderia Toro Rosso STR11
Carlos Sainz Jr., Scuderia Toro Rosso
Carlos Sainz Jr, Scuderia Toro Rosso STR11
Carlos Sainz Jr, Scuderia Toro Rosso STR11
Carregar reprodutor de áudio

A equipe baseada em Faenza garantiu um acordo de última hora para mudar da Renault para Ferrari em 2016, mas isso significou que a escuderia teria que utilizar a unidade de potência do ano passado.

Carlos Sainz, que previu que sua equipe sofreria, avaliou o atual momento.

"Sabíamos que isso iria acontecer e veio há algumas corridas, mas acho que nosso desempenho foi muito bom em Silverstone e também na Áustria", disse Sainz.

"Em Budapeste nós conseguimos 'escondê-lo'. Nas últimas três corridas nos esforçamos um pouco mais, tentando variar os setups para compensar."

A Toro Rosso apresentou uma grande atualização no GP da Alemanha, mas acabou sem o ritmo ideal e não conseguiu marcar pontos.

Para Sainz, com a falta de potência do motor, significou que o carro foi forçado a correr sem o downforce que as atualizações gerariam.

"Foi uma atualização para produzir downforce, mas não pudemos tê-lo, porque somos claramente o carro mais lento nas retas, de longe", o espanhol acrescentou.

"Calculamos que estamos perdendo mais de um segundo no total nas retas."

"Estamos tendo que correr downforce muito, muito baixo. Por isso, não importa se você trazer atualizações em seu carro se você não pode colocá-los em prática na pista por causa da falta de potência."

O piloto espanhol teme que em alguns dos circuitos mais rápidos que virão depois do verão se revele um desafio cada vez maior para a Toro Rosso, mas espera que a equipe seja competitiva mesmo assim.

"Talvez tenhamos uma surpresa porque quando fomos para o Canadá e Baku, já que todo mundo precisa diminuir o downforce do carro, nós ainda éramos competitivos nas curvas."

"Talvez quando irmos para Spa ou Monza todo mundo terá que tirar o downforce, talvez perderemos na reta, mas ganharemos nas curvas."

compartilhar
comentários
Pilotos da Mercedes se complicam com caminhão
Artigo anterior

Pilotos da Mercedes se complicam com caminhão

Próximo artigo

Mercedes é time mais conservador em escolha de pneus em Spa

Mercedes é time mais conservador em escolha de pneus em Spa