Tradição no rali, tentativa frustrada na F1 e volta em 2021: a história da Alpine no esporte a motor

Após 45 anos da sua última tentativa, equipe francesa fará finalmente a sua estreia na F1 em 2021

Tradição no rali, tentativa frustrada na F1 e volta em 2021: a história da Alpine no esporte a motor

A Alpine, que fez o lançamento na terça-feira (2) do seu novo carro para 2021, faz sua estreia na Fórmula 1 nesta temporada, substituindo a equipe Renault.

A escuderia francesa completará um de seus grandes marcos... 66 anos após seu início. A marca estreia na categoria máxima do automobilismo com Fernando Alonso e Esteban Ocon como pilotos, após substituir a Renault na sede de Enstone, a mesma com que o espanhol conquistou os seus dois títulos mundiais. 

Leia também:

Mas qual é a história da Alpine e por que ela está fazendo sua estreia na F1 agora? 

Jean Rédélé (Dieppe, 1922-Paris, 2007) teve a difícil tarefa de administrar o negócio de venda de carros de seu pai, Emile - que havia trabalhado como mecânico para o piloto da Renault Ferenc Szisz (vencedor do GP La Sarthe em 1906) -, após a Segunda Guerra Mundial. 

Seus primeiros passos no mundo das vendas de automóveis foram converter o GMC e outros Dodge que os americanos deixaram na França após intervir no conflito europeu. Mas o carro que marcou destino foi o Renault 4CV.

Aos 24 anos, ele se tornou o mais jovem vendedor de carros na França e deixou claro seus princípios: "A competição é a melhor maneira de testar carros de produção. A vitória é a melhor ferramenta de vendas." 

Assim, quatro anos depois, começou a conciliar com a concorrência a sua atividade profissional de vendedor Renault na Normandia. Em 1950, ele venceu o Dieppe Rally aos comandos de um Renault 4CV. A empresa francesa lhe deu o carro após a vitória e o jovem francês decidiu fazer algumas melhorias no modelo. Para isso contou com a ajuda do designer italiano Giovanni Michelotti, que desenhou uma carroceria de alumínio mais leve e aerodinâmica que a original. 

Jean Redele, Guy Lapchin, Renault, Renault 4 CV 1063

Jean Redele, Guy Lapchin, Renault, Renault 4 CV 1063

Por que é chamado de Alpine?

Em 1953, Rédélé finalmente estreou seu Renault 4CV Speciale Sport e em sua primeira participação conseguiu vencer o Dieppe Rally novamente. Além disso, ele conquistou sua terceira vitória na categoria com Louis Pons na lendária Mille Miglia e triunfou no Critérium des Alpes. 

“Gostei muito de cruzar os Alpes com meu Renault 4CV e isso me deu a ideia de chamar meus futuros carros de 'Alpines'. Era importante para mim que meus clientes experimentassem o mesmo prazer ao volante do carro que eu queria construir", explicou Rédélé sobre sua decisão de criar em junho de 1955 a Societe des Automobiles Alpine.

Um mês depois, o francês apresentou três A106 com base em 4CV na sede da Renault com as cores da bandeira francesa (um azul, um branco e o terceiro vermelho).

Alpine A106

Alpine A106

Como bom empresário, Rédélé sabia que para vender o seu produto teria que divulgá-lo. Não valia a pena mostrar seus modelos mais leves e potentes no Salão do Automóvel de Paris, mas sim com a plataforma e peças de um grande fabricante como a Renault. 

O francês voltou a ganhar a Mille Miglia e o Critérium des Alpes, desta vez a bordo de do carro próprio. Em 1960, a Alpine apresentou a versão sedã A108, um estilo que marcará a marca para sempre, depois que seu lendário A110, baseado no Renault 8, chegou ao mercado dois anos depois e entrou no imaginário coletivo dos fãs de automóveis.

A equipe conquistou o título do Rali de Monte Carlo, a vitória do então Campeonato Internacional de Marcas em 1971 e levou o primeiro campeonato mundial de construtores de rali em 1973. 

Bernard Darniche, Alpine-Renault A110

Bernard Darniche, Alpine-Renault A110

A tentativa fracassada da Alpine de estrear na F1 na década de 1960

O primeiro flerte da Alpine com a F1 veio em 1968. Com o apoio da Elf e do governo francês, a empresa de Dieppe começou a construir o chamado A350 com os engenheiros Richard Bouleau e André Cortanze. 

Apesar de criar um conceito revolucionário de suspensão plana para a época e das boas impressões de Mauro Bianchi, piloto de testes (e avô de Jules), a Renault acreditava que o motor Gordini V8 seria incapaz de bater o dominante Cosworth. O projeto foi abandonado e o protótipo foi destruído. 

Alpine A500, a base para a estreia da Renault na F1

Os sucessos esportivos continuaram a caracterizar a Alpine (principalmente no rali e endurance). Mas a crise do petróleo de 1973 foi um forte golpe para a empresa, que a Renault teve de salvar comprando 70% das ações.

Isso também significava que a empresa francesa assumia o departamento de corridas da Alpine sob o nome de Renault Sport, liderado por Gérard Larrousse. 

Em 1972, sob a direção de François Guiter (Elf Racing Manager), a Renault projetou um motor V6 turbo de dois litros para o Alpine A440 que competiria em Le Mans. Três anos depois, Guiter encomendou uma versão de 1,5 litro.

A ideia de dar o salto para a F1 começou a tomar forma. Tanto que Jean- Pierre Jabouille (piloto de enduro e F2 da marca) fez um teste secreto em Paul Ricard em março de 1976 com o referido motor instalado em um protótipo chamado Alpine A500 (na época, a Renault só pensava em Le Mans).

Alpine Renault A500

Alpine Renault A500

Este protótipo de F1, inicialmente na cor preta, desenhado por André Cortanze, não era muito elegante, mas cumpriu sua missão e foi pra pista novamente no circuito de Jarama em Madrid na segunda-feira após o GP da Espanha de 1976. O tempo de resposta do turbo ainda era muito longo: podia demorar até quatro segundos para receber potência e chegou à primeira parada da pista espanhola com muita força. 

Jabouille sugeriu colocar o motor usado na resistência no protótipo. Uma solução correta. 

A Renault começou a saudar a ideia e, após um intenso programa de testes, estreou o protótipo, já nas cores amarelas, o losango e o nome RS01, no GP da França de 1977.

Alpine Renault A500

Alpine Renault A500

 O que aconteceu com a Alpine depois do A500?

A década de 1980 começou a anunciar o início do fim da Alpine, pois a Renault a retirou de quase todas as competições e só em 1985 lançou um novo modelo, o GTA, que também não teve grande aceitação. Em 1990, a Renault apagou seu nome na carroceria Alpine tentando reforçar a identidade própria da marca, mas sem sucesso.

Logo, eles apresentaram o A610 no Salão Automóvel de Genebra de 1991, mas depois de produzir 762 unidades, o adeus era definitivo.

Até 2012, quando no 50º aniversário do Alpine A110, a Renault apresentou o conceito A110-50, construído com base no Troféu Megane. E a marca apresentou antes do Salão do Automóvel de Genebra 2017 o renovado A110, com motor 1.8 de quatro cilindros e 252 cv.

Agora, depois de o anunciar em 2020, a Alpine fará finalmente a sua estreia na F1... 45 anos após a sua última tentativa e com um carro que homenageia o seu antecessor com o nome A521. 

Veja todos os Renault que competiram na F1

1977: Renault RS01

1977: Renault RS01
1/27

Foto de: Renault

Piloto: Jean-Pierre Jabouille

1978: Renault RS01

1978: Renault RS01
2/27

Foto de: LAT Images

Piloto: Jean-Pierre Jaboullie

1979: Renault RS10

1979: Renault RS10
3/27

Foto de: Renault

Pilotos: Rene Arnoux, Jean-Pierre Jabouille

1980: Renault RE20

1980: Renault RE20
4/27

Foto de: LAT Images

Pilotos: Rene Arnoux, Jean-Pierre Jaboullie

1981: Renault RE20B

1981: Renault RE20B
5/27

Foto de: Sutton Motorsport Images

Pilotos: Rene Arnoux, Alain Prost

1981: Renault RE30

1981: Renault RE30
6/27

Foto de: LAT Images

Pilotos: Rene Arnoux, Alain Prost

1982: Renault RE30B

1982: Renault RE30B
7/27

Foto de: LAT Images

Pilotos: Rene Arnoux, Alain Prost

1983: Renault RE30C

1983: Renault RE30C
8/27

Foto de: LAT Images

Pilotos: Eddie Cheever, Alain Prost

1983: Renault RE40

1983: Renault RE40
9/27

Foto de: LAT Images

Pilotos: Eddie Cheever, Alain Prost

1984: Renault RE50

1984: Renault RE50
10/27

Foto de: Jean-Philippe Legrand

Pilotos: Philippe Streiff, Patrick Tambay, Derek Warwick

Patrick Tambay, Renault RE60

Patrick Tambay, Renault RE60
11/27

Foto de: Sutton Motorsport Images

Pilotos: Francois Hesnault, Patrick Tambay, Derek Warwick

1985: Renault RE60B

1985: Renault RE60B
12/27

Foto de: LAT Images

Pilotos: Patrick Tambay, Derek Warwick

2002: Renault R202

2002: Renault R202
13/27

Foto de: Renault F1

Pilotos: Jenson Button, Jarno Trulli

2003: Renault R23

2003: Renault R23
14/27

Foto de: LAT Images

Pilotos: Jenson Button, Jarno Trulli

2003: Renault R23B

2003: Renault R23B
15/27

Foto de: Brousseau Photo

Pilotos: Jarno Trulli, Fernando Alonso

2004: Renault R24

2004: Renault R24
16/27

Foto de: LAT Images

Pilotos: Fernando Alonso, Jarno Trulli, Jacques Villeneuve

2005: Renault R25

2005: Renault R25
17/27

Foto de: LAT Images

Pilotos: Fernando Alonso, Giancarlo Fisichella

2006: Renault R26

2006: Renault R26
18/27

Foto de: Charles Coates / Motorsport Images

Pilotos: Fernando Alonso, Giancarlo Fisichella

2007: Renault R27

2007: Renault R27
19/27

Foto de: Sutton Motorsport Images

Pilotos: Giancarlo Fisichella, Heikki Kovalainen

2008: Renault R28

2008: Renault R28
20/27

Foto de: Sutton Motorsport Images

Pilotos: Fernando Alonso, Nelson Piquet Jr.

2009: Renault R29

2009: Renault R29
21/27

Foto de: Sutton Motorsport Images

Pilotos: Fernando Alonso, Nelson Piquet Jr.

2010: Renault R30

2010: Renault R30
22/27

Foto de: Steven Tee / Motorsport Images

Pilotos: Vitaly Petrov, Robert Kubica

2016: Renault RS16

2016: Renault RS16
23/27

Foto de: Sutton Motorsport Images

Pilotos: Kevin Magnussen, Jolyon Palmer

2017: Renault RS17

2017: Renault RS17
24/27

Foto de: Sutton Motorsport Images

Pilotos: Nico Hülkenberg, Jolyon Palmer, Carlos Sainz Jr.

2018: Renault RS18

2018: Renault RS18
25/27

Foto de: Jean Petin / Motorsport Images

Pilotos: Carlos Sainz, Nico Hulkenberg

2019: Renault RS19

2019: Renault RS19
26/27

Foto de: Joe Portlock / Motorsport Images

Pilotos: Nico Hulkenberg, Daniel Ricciardo

2020: Renault R.S.20

2020: Renault R.S.20
27/27

Foto de: Renault

Pilotos: Daniel Ricciardo y Esteban Ocon

ALPINE 2021: Conheça o carro AZUL que marca a volta de ALONSO à F1 e as novidades da antiga RENAULT

Podcast #090 – Corridas aos sábados e tetos: revolução imposta pela Liberty pode tirar DNA da F1?

 

 

compartilhar
comentários
Hamilton diz que oitavo título não será decisivo para permanecer na F1

Artigo anterior

Hamilton diz que oitavo título não será decisivo para permanecer na F1

Próximo artigo

Alonso está "totalmente apto" para os testes da F1, diz CEO da Alpine

Alonso está "totalmente apto" para os testes da F1, diz CEO da Alpine
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Alpine
Autor Sergio Lillo