"Trocar Masi não resolverá problemas da F1", diz ex-piloto e comentarista da categoria

Martin Brundle, que correu na divisão e é atual analista da Sky, acredita que diretor de provas precisa de apoio e que não há ninguém para substitui-lo

A remoção do pressionado diretor de provas de Fórmula 1, Michael Masi, de seu posto não resolverá as preocupações mais amplas sobre a integridade do campeonato mundial, de acordo com o ex-piloto e atual repórter da Sky SportsMartin Brundle.

O australiano foi criticado pela forma como guiou o reinício após safety car no GP de Abu Dhabi de 2021, que resultou na perda da liderança de Lewis Hamilton para o rival da Red Bull, Max Verstappen, na última volta.

Leia também:

Masi permitiu que os retardatários entre os dois passassem pelo safety car, mas manteve os que estavam atrás do holandês no mesmo lugar.

A Mercedes anunciou sua intenção de apelar do resultado da corrida de Abu Dhabi depois que seu protesto pós-corrida contra os procedimentos foi rejeitado, mas posteriormente decidiu retirá-lo depois que a FIA iniciou uma revisão interna.

Hamilton não fala sobre seu futuro desde uma breve entrevista logo após a corrida, com o chefe de sua equipe, Toto Wolff, declarando no mês passado que ele e Lewis estavam "desiludidos" com a F1.

A FIA divulgou sua primeira declaração sobre o assunto desde a nomeação de Mohammed Ben Sulayem como presidente na quinta-feira, afirmando que sua análise do que aconteceu em Abu Dhabi incluirá um foco no uso do safety car. Em meio a especulações sobre o futuro de Masi, Brundle disse que removê-lo não resolveria os problemas que a F1 enfrenta.

"O que eu sei com certeza é que trocá-lo não resolverá o problema", disse o britânico, que correu na categoria em 158 GPs entre 1984 e 1996. "Este é um trabalho muito grande para uma pessoa lidar com isso em uma temporada de 23 corridas."

"Na época, com 16-18 corridas para Charlie [Whiting, antecessor de Masi] e Herbie [Blash, assistente de Whiting], ele costumava começar a prova e Herbie era efetivamente o diretor até Charlie voltar da tribuna de partida perto do grid."

"Eles tinham tudo sob controle, mas está crescendo exponencialmente, então se Masi ficar, precisa de muito apoio ao seu redor e suspeito que é isso que eles estão olhando no momento. E quem realmente gostaria de entrar no lugar dele agora?"

Max Verstappen, Red Bull Racing RB16B, Lewis Hamilton, Mercedes W12, on the final lap

Max Verstappen, Red Bull Racing RB16B, Lewis Hamilton, Mercedes W12, on the final lap

Photo by: Zak Mauger / Motorsport Images

Brundle acrescentou que Masi "só tem uma vida restante [em referência aos games]" se ele e a FIA desejarem que ele permaneça. Johnny Herbert, colega do britânico na Sky e três vezes vencedor de GPs, sugeriu que a posição do australiano agora era insustentável."

"Acho que ele causou muitos danos à Fórmula 1", comentou. "A posição em que ele está precisa de confiança, e acho que essa evaporou completamente. O problema é: com quem você o substitui? Porque obviamente a experiência será muito importante para quem se encaixar nesse cargo."

"Michael teve muita sorte, ele estava abaixo de Charlie Whiting quando este era o chefe e aprendeu muitas coisas boas desse ponto de vista. Existe alguém que se destaque no momento para entrar em seu lugar? Não, e esse é o enigma."

TELEMETRIA DE FÉRIAS: RICO PENTEADO fala tudo sobre NOVO CARRO DA F1 que estreia em 2022

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #157 - Sucesso da F1 na Band e destaques de 2021: entrevista com editor Fred Sabino

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Aston Martin nomeia Mike Krack como novo chefe de equipe
Artigo anterior

F1: Aston Martin nomeia Mike Krack como novo chefe de equipe

Próximo artigo

ANÁLISE: Futuro de Masi na F1 é a próxima grande decisão da FIA

ANÁLISE: Futuro de Masi na F1 é a próxima grande decisão da FIA
Carregar comentários