Fórmula 1
20 jun
-
23 jun
Evento encerrado
27 jun
-
30 jun
Evento encerrado
11 jul
-
14 jul
Evento encerrado
25 jul
-
28 jul
Evento encerrado
01 ago
-
04 ago
Evento encerrado
05 set
-
08 set
Próximo evento em
16 dias
R
GP de Singapura
19 set
-
22 set
26 set
-
29 set
Próximo evento em
37 dias
10 out
-
13 out
Próximo evento em
51 dias
24 out
-
27 out
Próximo evento em
65 dias
31 out
-
03 nov
Próximo evento em
72 dias
14 nov
-
17 nov
R
GP de Abu Dhabi
28 nov
-
01 dez
Próximo evento em
100 dias
Análise técnica de Giorgio Piola
Assunto

Análise técnica de Giorgio Piola

Veja 12 pontos chave para entender as mudanças da F1 para 2021

compartilhar
comentários
Veja 12 pontos chave para entender as mudanças da F1 para 2021
Por:
, Featured writer
Co-autor: Jonathan Noble
18 de jul de 2019 17:36

Mago do design, Giorgio Piola resumiu as modificações dos carros, explicando como elas afetam as ultrapassagens

Embora as regras de 2021 da Fórmula 1 ainda não tenham sido finalizadas, as ideias avançaram o suficiente para o editor técnico do Motorsport.com, o mago do design Giorgio Piola, esboçar como a nova geração de carros vai se parecer.

Leia também:

Aqui, Piola oferece mais detalhes a respeito das mudanças que aparecerão daqui a dois anos em uma aposta da F1 para fazer carros que possam seguir uns aos outros mais de perto, suscitando mais emoção. Veja abaixo:

1) A ideia é ter um bico bem baixo. A versão é presa ao corpo principal, como era nos anos 90.

2) O corpo principal é levemente inclinado para melhorar o fluxo de ar ao longo do carro e ajudar a alimentar os túneis do efeito solo (veja abaixo uma galeria que conta a história do efeito solo).

3) As extremidades são arredondadas para ajudar a minimizar o risco de furos em caso de contato entre dois carros, o que poderá ser mais frequente por conta da largura da nova asa.

4) O nariz baixo sem aletas mostra a simplificação aerodinâmica

5) As rodas poderão ter capas para ajudar a direcionar melhor o fluxo de ar e torná-lo mais homogêneo, evitando que se espalhe em várias direções.

6) Os dutos de resfriamento dos freios serão mais simples e terão menos influência na aerodinâmica.

2021 F1 concept, captioned

2021 F1 concept, captioned

Photo by: Giorgio Piola

7) As rodas dianteiras serão cobertas com dois defletores, que vão ajudar a limpar o ar e direcioná-lo para o chão, ao invés de jogá-lo para os lados e para trás, o que hoje causa turbulência para os carros de trás.

8) Este será o ponto de início do canal que criará o efeito de Venturi, responsável por reduzir a pressão na parte de baixo do carro e que junto com a passagem do fluxo de ar e a pressão criada pelas asas formam o efeito solo.

9) O halo terá uma integração melhor com o restante do carro.

10) A área superior do assoalho não será totalmente plana porque existe a possibilidade de ser usada para criar mais canais de Venturi nesta área.

11) O difusor mais alto será muito mais poderoso do que o usado atualmente, o que significa que mais força aerodinâmica será criada.

12) A asa traseira possuirá um acabamento que reduzirá a turbulência e desviará o fluxo de ar para cima, criando um espiral duplo.

A VOLTA DO EFEITO SOLO

A F1 terá em 2021 o retorno do efeito solo, que marcou época na categoria no fim dos anos 70 e começo dos 80. O período foi marcado pelo aumento da velocidade dos carros, maior número de ultrapassagens e muitos acidentes, motivo pelo qual foi banido da categoria a partir de 1983. 

Confira as curiosidades sobre o efeito solo:

Galeria
Lista

1970 - Chaparral 2J-Chevrolet

1970 - Chaparral 2J-Chevrolet
1/18

Foto de: LAT Images

A tecnologia foi primordialmente explorada pela equipe Chaparral, que utilizou o modelo 2J no campeonato norte americano de protótipos, o Can-Am. No entanto, mesmo sem ter conquistado nenhuma vitória, a novidade foi banida da categoria.

1978 - Lotus

1978 - Lotus
2/18

Foto de: Rainer W. Schlegelmilch

A equipe chegou a experimentar o efeito solo em 1977, mas foi no ano seguinte que implementou a tecnologia em definitivo. O time venceu oito corridas naquele ano e conquistou o mundial de construtores e o mundial de pilotos com Mario Andretti.

1978 - Lotus

1978 - Lotus
3/18

Foto de: LAT Images

Andretti venceu seis provas e somou 64 pontos, 13 a mais que seu companheiro de equipe, Ronnie Peterson. A Lotus só não venceu todas as etapas do mundial porque seu carro tinha problema de confiabilidade, algo comum na antiga F1.

Colin Chapman: o criador, mas nem tanto

Colin Chapman: o criador, mas nem tanto
4/18

Foto de: Sutton Motorsport Images

Colin Chapman, o projetista chefe e proprietário da Lotus, colhe até hoje os louros pelo sucesso do efeito solo na F1. No entanto, apesar de ser o idealizador do carro vencedor, os responsáveis por trazer o efeito solo para a equipe foram Tony Rudd e Peter Wright, que já tinham tentado algo similar na BRM no final dos anos 60.

1978 - Brabham BT46B Alfa Romeo

1978 - Brabham BT46B Alfa Romeo
5/18

Foto de: LAT Images

Além da Lotus, outras equipes de várias categorias já estavam perseguindo ideias semelhantes desde o começo da década de 70. A Brabham foi quem mais se aproximou de bater a Lotus em 1978.

1978 - Brabham BT46B

1978 - Brabham BT46B
6/18

Foto de: Sutton Motorsport Images

Niki Lauda venceu a etapa da Suécia da F1 com um carro que usava um ventilador para "chupar" o ar debaixo do carro e forçar o efeito solo. No entanto, a tecnologia do time foi banida antes do fim da temporada.

1978 - Jody Scheckter, Ferrari 312T4

1978 - Jody Scheckter, Ferrari 312T4
7/18

Foto de: LAT Images

Apesar de não usar o efeito solo em 1978, a equipe italiana foi vice-campeã em 1978, graças à confiabilidade do carro que venceu todas as vezes que a Lotus teve problemas. Em 1979, a Ferrari reuniu o que tinha de melhor do carro do ano anterior com uma versão própria do efeito solo, e com isso dominou o campeonato. Jody Scheckter venceu e Gilles Villeneuve foi vice.

1980 - Williams FW07B Ford Cosworth

1980 - Williams FW07B Ford Cosworth
8/18

Foto de: LAT Images

A Williams resolveu dois problemas do efeito solo e faturou a temporada de 1980 com Alan Jones. A equipe conseguiu reduzir os custos da solução e fazer com que as peças se ajustassem às curvas, evitando a perda do efeito fora das retas.

1980 - Nelson Piquet, Brabham BT49-Ford Cosworth

1980 - Nelson Piquet, Brabham BT49-Ford Cosworth
9/18

Foto de: LAT Images

Nelson Piquet venceu suas primeiras corridas a bordo de uma Brabham naquele mesmo ano e fez frente à Alan Jones no campeonato mundial.

1980 - Brabham BT49

1980 - Brabham BT49
10/18

Foto de: Sutton Motorsport Images

O brasileiro triunfou três vezes na temporada e chegou a liderar o campeonato.

1980 - Nelson Piquet (Brabham) e Alan Jones (Williams)

1980 - Nelson Piquet (Brabham) e Alan Jones (Williams)
11/18

Foto de: Jean-Philippe Legrand

No entanto, a falta de confiabilidade do carro acabou impedindo Piquet de pontuar nas duas últimas etapas, enquanto Jones vencia as provas e superava o brasileiro, sagrando-se campeão mundial.

1981 - Nelson Piquet, Brabham BT49C

1981 - Nelson Piquet, Brabham BT49C
12/18

Foto de: LAT Images

O ano foi um dos mais disputados da história da categoria, com sete pilotos de seis equipes diferentes vencendo corridas.

1981 - Nelson Piquet, Brabham

1981 - Nelson Piquet, Brabham
13/18

Foto de: Sutton Motorsport Images

Nelson Piquet brilhou no carro da Brabham, que era capaz de se ajustar às curvas para manter o efeito solo e vencer a concorrência. O brasileiro conquistava ali o primeiro título mundial de sua galeria.

1982 - Keke Rosberg, Williams FW08

1982 - Keke Rosberg, Williams FW08
14/18

Foto de: Sutton Motorsport Images

No último ano do efeito solo na categoria, Rosberg se valeu da regularidade para ser campeão mundial.

1982 - Keke Rosberg, Williams

1982 - Keke Rosberg, Williams
15/18

Foto de: Williams F1

Naquele ano, 11 pilotos diferentes venceram corridas, mas o finlandês, que venceu apenas uma, chegou mais vezes nos pontos do que todos os rivais e levou o caneco.

1982 - Excesso de acidentes pôs fim ao efeito solo

1982 - Excesso de acidentes pôs fim ao efeito solo
16/18

Foto de: LAT Images

Os acidentes se tornaram frequentes com o avanço do efeito solo, pois bastava o carro tocar no chão para o efeito ser totalmente cancelado, fazendo com que os pilotos perdessem o controle do carro. Dois dos acidentes foram fatais. Na imagem acima, o acidente que tirou a vida de Gilles Villeneuve.

1982 - Excesso de acidentes pôs fim ao efeito solo

1982 - Excesso de acidentes pôs fim ao efeito solo
17/18

Foto de: LAT Images

O último acidente fatal daquele ano foi o de Riccardo Paletti, no Canadá. Logo em seguida, a FIA decidiu eliminar totalmente o efeito solo. Depois do acidente de Paletti, as próximas mortes durante em um fim de semana de GP foram as de Ratzenberger e Senna em Imola, 12 anos depois.

2021 - O retorno do efeito solo

2021 - O retorno do efeito solo
18/18

Foto de: Giorgio Piola

Em 2019, a F1 está decidindo os rumos que tomará no futuro. Buscando aumentar as ultrapassagens e o espetáculo, a categoria decidiu reintroduzir a tecnologia a partir de 2021.

Próximo artigo
Ferrari admite que precisa reagir para conter ameaça da Red Bull

Artigo anterior

Ferrari admite que precisa reagir para conter ameaça da Red Bull

Próximo artigo

Fórmula 1 anuncia renovação do GP da Austrália até 2025

Fórmula 1 anuncia renovação do GP da Austrália até 2025
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Giorgio Piola
Seja o primeiro a receber as últimas notícias