Wolff: rodadas triplas em 2021 sobrecarregarão membros das equipes

compartilhar
comentários
Wolff: rodadas triplas em 2021 sobrecarregarão membros das equipes
Por:

Chefe da Mercedes afirmou que a equipe já analisa a possibilidade de revezar pessoas ao longo do ano

As rodadas triplas surgiram em 2018, mas a recepção ruim das equipes fez com que a Fórmula 1 prometesse não usar mais o formato, que voltou em 2020 de forma excepcional devido ao calendário afetado pela pandemia. Mas o cronograma de 2021 contará com duas rodadas triplas e isso levou a Toto Wolff alertar que o custo humano pode ser alto no futuro.

Em 2018, ele foi testado com uma sequência entre os GPs da França, Áustria e Grã-Bretanha, mas a exaustão causada em cima dos membros da equipe foi o principal motivos para críticas. Em 2020, com o impacto da Covid-19 no esporte, 12 das 17 etapas da temporada são disputadas em rodadas triplas, incluindo as nove primeiras provas em 11 semanas.

Leia também:

Para este ano, foi aceito pelas equipes porque o esporte precisava realizar o maior número de provas possível em um pequeno espaço de tempo para cumprir os contratos de transmissão e patrocínio. Apesar desse "mal necessário", chefes e pilotos vinham pedindo para que isso não virasse a nova forma da F1.

Mesmo assim, quando a F1 divulgou o calendário provisório de 2021 com 23 etapas, foi revelado duas rodadas triplas em sequência. Primeiro, com Spa, Zandvoort e Monza e, na sequência, uma ainda mais complicada, com Sochi, Singapura e Suzuka.

O calendário teve uma recepção mista no paddock, com as equipes compreendendo a necessidade de recuperação após um 2020 difícil em termos financeiros, mas pediram cautela com relação aos membros dos times.

"Acho que as equipes se beneficiam com o crescimento de renda", disse Toto Wolff. "Nesse respeito, temos que apoiar o negócio a crescer. Por outro lado, duas rodadas triplas criará uma sobrecarga nas pessoas. Haverá uma na Ásia, com os membros ficando mais de três semanas fora de casa, e isso não é bom".

Wolff explicou que a Mercedes já considera fazer uma rotação entre os membros para tentar gerenciar o fardo.

"Não podemos esquecer que os que trabalham mais são os que montam e desmontam as garagens e os mecânicos, que trabalham a noite toda se algo sair errado".

"É preciso questionar se isso é sustentável ou se teremos que implementar um sistema com duas equipes de pessoas para revezar, e é isso que estamos vendo no momento".

O CEO da F1 Chase Carey disse recentemente a investidores que espera no futuro um calendário de 24 provas, o que tornaria as rodadas triplas um cenário provável.

O chefe da Haas, Gunther Steiner ecoou as preocupações de Wolff e pediu que a Liberty Media analise se é sustentável esse plano de expansão do calendário.

"Vai ser um fardo para as pessoas, especialmente nesse momento que vivemos. A FOM precisa analisar isso, se é algo que teremos que fazer a longo prazo, se isso é sustentável e se não cria uma saturação entre os espectadores".

Steiner disse que as equipes também precisarão encontrar uma solução caso o calendário siga crescendo.

"No lado humano, precisamos encontrar planos para não sobrecarregar ninguém. Eles já estão sobrecarregados normalmente, mas precisamos deixar claro que isso não pode acontecer o tempo todo".

"Se nos render mais verba, precisamos pensar em modelos para tornar isso algo sustentável para nós. É parte do caminho que a Fórmula 1 quer para o futuro. Mas vamos ter que esperar mais alguns anos para ver se mais corridas é o caminho certo. Precisamos de uma solução para não sobrecarregar ninguém".

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1, MotoGP e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Rubinho relata emoção com filhos nas 500 Milhas de Kart e Motorsport.com estreia bem com o 11° lugar

Podcast #076 – Hamilton x Schumacher: a comparação entre os campeões da F1

 

.

ANÁLISE: Como funcionará o teto salarial da F1 a partir de 2023?

Artigo anterior

ANÁLISE: Como funcionará o teto salarial da F1 a partir de 2023?

Próximo artigo

Hamilton lamenta morte de João Alberto nas redes sociais: "Temos que lutar para impedir que isso continue"

Hamilton lamenta morte de João Alberto nas redes sociais: "Temos que lutar para impedir que isso continue"
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Filip Cleeren