Fórmula 1
25 set
Corrida em
17 Horas
:
19 Minutos
:
55 Segundos
R
GP de Portugal
23 out
Próximo evento em
26 dias
04 dez
Próximo evento em
68 dias
R
GP de Abu Dhabi
11 dez
Próximo evento em
75 dias

McLaren: rodadas triplas não podem ser o novo futuro da F1

compartilhar
comentários
McLaren: rodadas triplas não podem ser o novo futuro da F1
Por:
, Editor

O chefe da equipe, Andreas Seidl, falou sobre o impacto dessa maratona aos membros das equipes e como a McLaren está tentando reduzir o impacto

Para poder realizar o maior número de corridas em um espaço de tempo reduzido, a Fórmula 1 instituiu três sequências de rodadas triplas entre julho e setembro, mas o paddock já mostrando sinais de exaustão após a primeira dessas maratonas. E a McLaren alerta: isso precisa ser algo específico de 2020 e não o novo padrão da categoria.

Após duas corridas na Áustria e uma na Hungria ao longo de três semanas, a F1 inicia neste fim de semana mais uma rodada tripla, começando com duas etapas em Silverstone e fechando em Barcelona em 16 de agosto. A última sequência inclui os GPs da Bélgica, da Itália em Monza e da Toscana, em Mugello.

Leia também:

A F1 chegou a introduzir uma rodada tripla em 2018, com os GPs da França, Áustria e Grã-Bretanha, mas as equipes pediram à categoria para que isso não se repetisse no futuro, devido ao tamanho do trabalho que isso representa aos membros.

Andreas Seidl, chefe da McLaren, afirmou que, apesar das rodadas triplas serem necessárias em 2020 para aumentar o número de provas no calendário e aumentar a renda do esporte, a manobra não pode ser vista como o novo padrão pensando em temporadas futuras.

"Vamos agora para a rodada tripla com duas corridas no Reino Unido, que obviamente é bom para as equipes locais, mas nem tanto para as demais", disse. "Pelo menos temos mais tempo de manobra com uma viagem mais curta, além de um intervalo entre as corridas de Silverstone".

"E aí vamos para mais uma rodada tripla e, no momento, acredito que terá mais uma em algum momento, o que é difícil. Dadas as circunstâncias especiais desse ano, é algo que vamos ter que enfrentar".

"Mas, ao mesmo tempo, isso não pode ser o novo padrão pensando nas próximas temporadas".

As equipes estão tentando ao máximo manter seus membros descansados para a maratona de nove corridas em 11 semanas, com algumas optando por trocar pessoas quando possível.

Para Seidl, o maior desafio para as equipes é o tempo que eles passam na estrada para cumprir esse calendário, com menos oportunidades de voltar para casa entre as corridas devido aos rígidos protocolos de biosfera.

"Não acho que o maior desafio seja o trabalho na pista", disse. "É difícil também, mas acho que o problema maior é ficar longe da família, dos filhos".

"Superando essa primeira rodada tripla após essa longa pausa que tivemos, ainda não acho que tenha sido o maior desafio. Precisamos estar cientes que, quanto mais longe entrarmos nessa temporada, especialmente nas próximas rodadas triplas, será um desafio cada vez maior para as equipes".

"O que fazemos como equipe é tentar manter as viagens, acomodações e tudo que podemos fazer para as pessoas o mais confortável possível e o melhor possível, para tentarmos superar isso em boa forma".

"Ao mesmo tempo, acho que todos na equipe entendem que é uma temporada especial, sob circunstâncias especiais após o surgimento do vírus. Todos entendemos também que é absolutamente necessário para a existência das equipes que façamos essas corridas".

Live com Ricardo Zonta: relação com Villeneuve, Ron Dennis e mais histórias

PODCAST: O debate de fãs e 'haters' sobre domínio de Hamilton

 

Ricciardo: Vettel precisa de paciência e mente aberta se quiser tirar o máximo da Aston Martin

Artigo anterior

Ricciardo: Vettel precisa de paciência e mente aberta se quiser tirar o máximo da Aston Martin

Próximo artigo

F1: Silverstone se ofereceu para realizar até 12 etapas em 2020

F1: Silverstone se ofereceu para realizar até 12 etapas em 2020
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes McLaren
Autor Luke Smith