“Brasil pode virar Argentina no automobilismo”, alerta chefe de Piquet

Dono da equipe de Pedro Piquet na Formula 3 Brasil e revelador de talentos, Augusto Cesário elogia categoria e não liga para grid pequeno

“Brasil pode virar Argentina no automobilismo”, alerta chefe de Piquet
Largada corrida 1
Pedro Piquet
Pedro Piquet
Pedro Piquet no pódio
Nelson e Pedro Piquet
Pedro Piquet em Santa Cruz do Sul
Pedro Piquet comemora a vitória
Piquet lidera o pelotão
Carregar reprodutor de áudio

A história de Augusto Cesário no automobilismo nacional é bastante rica. Passaram pela sua equipe desde 1991 pilotos de renome que chegaram a categorias mundiais. Entre eles estão Hélio Castroneves, Cristiano da Matta, Ricardo Zonta e agora Pedro Piquet.

Com vasta experiência, ele cravou ao Motorsport.com que o momento atravessado pela Fórmula 3 Brasil é bom, apesar de o grid para esta etapa de Campo Grande contar apenas com 12 carros.

“Está sendo ótimo”, disse.

“A categoria está voltando a crescer, está tendo uma visibilidade muito boa e isso faz com que a gente cada vez mais entenda a importância de os pilotos aprenderem a correr de fórmula já aqui no Brasil."

“Na verdade, o número de carros é legal. É óbvio que é importante ter um grid grande e bacana. Mas tivemos anos com menos, e saiam pilotos da minha equipe do calibre de Cristiano da Matta e Hélio Castroneves.”

Para Cesário, o realmente importante é ter um grid de alto nível, coisa que para ele a F3 já tem. “Nesta época do Hélio e do Cristiano nós tínhamos menos carros até. Chegamos a ter seis ou oito carros.”

“Mas todos eram muito rápidos e super competitivos. Não vejo no número de carros um problema. O importante é ter gente competitiva que possa elevar o nível para os meninos aprenderem direitinho.”

Brasil pode virar uma Argentina

Augusto alertou para o excesso de jovens pilotos correndo no turismo e a proliferação de categorias deste tipo. Cesário se preocupa com o futuro do Brasil na F1.

“Houve essa invasão do turismo, o que tirou um pouco a força dos fórmulas”, falou.

“Isso é uma ilusão e uma coisa muito ruim para o automobilismo. Para fazer carreira, jamais um piloto vai sair do turismo. Ele precisa sair do fórmula. A Argentina fez isso e há décadas não tem piloto na Fórmula 1. Estamos indo pelo mesmo caminho.”

“Isso nós não podemos deixar acontecer. A F1 para nós é um grande esporte, movimenta o país inteiro.”

“Há a ilusão de que um piloto que anda bem no kart aqui tem nível para ir para a Europa. Esse pessoal acaba caindo na real de que o importante é aprender aqui para chegar lá em condições de ganhar corrida.”

compartilhar
comentários
Piquet vence sétima seguida após corrida cheia de acidentes
Artigo anterior

Piquet vence sétima seguida após corrida cheia de acidentes

Próximo artigo

Pedro Piquet destrói concorrência e é pole em Campo Grande

Pedro Piquet destrói concorrência e é pole em Campo Grande