F2: FIA explica demora dos fiscais para apagar fogo no carro de Ghiotto após acidente

compartilhar
comentários
F2: FIA explica demora dos fiscais para apagar fogo no carro de Ghiotto após acidente
Por:

Michael Masi falou também que vai sentar com a Pirelli para analisar o motivo por trás das rodas do carro de Aitken terem se soltado após a batida

A corrida de domingo da Fórmula 2 em Sochi acabou tendo um percurso muito diferente do esperado. A batida de Jack Aitken e Luca Ghiotto acabou interrompendo e encerrando a prova mais cedo. E a FIA foi muito criticada pela demora dos fiscais para apagar o fogo no carro do italiano. Após a prova, Michael Masi, diretor de provas da FIA, explicou o motivo para isso.

Aitken e Ghiotto disputavam o quarto lugar na sétima volta da prova quando um toque entre eles na Curva 3 levaram os dois à barreira de proteção em alta velocidade. E a transmissão mostrava a fumaça na Hitech do piloto italiano quando ele saiu do carro com certa pressa, mas os fiscais não estavam próximos para apagar as chamas.

Leia também:

 

O fogo acabou sendo apagado posteriormente, mas o carro já estava muito destruído neste momento. Masi, que visitou o local da batida para avaliar o nível dos danos antes de declarar a prova encerrada, explicou as circunstâncias para a resposta lenta ao acidente.

"Eles chegaram ali rapidamente, o problema era que havia uma distância muito grande entre os dois postos de fiscais mais próximos do incidente. Os bombeiros estavam nos postos. Assim que suspenderam a corrida, e todos os carros passaram, vimos fiscais que estavam do outro lado da pista atravessando".

"Nestas circunstâncias, sim, ver fogo nunca é algo bom. Mas o lado positivo é que ambos os pilotos se livraram sem problemas, o que é o mais importante".

Ambos os pneus direitos do carro de Aitken se soltaram após a colisão com Ghiotto, e ele acertou a barreira na saída da Curva 3 a 195 km/h. Isso levantou suspeitas de que os pneus de 18 polegadas que a Pirelli introduziu na F2 podem ser mais vulneráveis em incidentes em comparação com os de 13 polegadas.

Sobre isso, Masi disse que conversará com a Pirelli antes de chegar a qualquer conclusão sobre o novo pneu.

"Para ser honesto, não olhei em detalhes para o incidente, para ser honesto, porque o foco principal é a segurança dos pilotos, o que foi feito. Subsequentemente, o foco era o reparo da área afetada. Mas, na perspectiva da FIA, sempre olhamos para todas as questões".

"Vamos sentar e conversar com a Pirelli depois deste final de semana, do mesmo jeito que fazemos após qualquer grande incidente".

A direção de prova suspendeu a corrida quase que imediatamente após a batida e, depois de 25 minutos, optou por encerrar a prova, declarando as posições da volta 5 como o resultado final. Masi disse que foi a decisão correta, já que levou cerca de 90 minutos para reparar a barreira.

"É uma pena, mas temos uma tabela a cumprir. E vocês sabem, o nível desse acidente trouxe um grande reparo a ser feito no local. Acho que levou cerca de 90 minutos".

"Então, apesar de ser uma pena o que aconteceu com a F2, é algo que acaba acontecendo ocasionalmente".

PÓDIO: Hamilton é punido e Bottas vence na Rússia, com Verstappen em segundo

PODCAST: Qual é o limite de Max Verstappen na Red Bull?

 

VÍDEO: Acidente encerra prova da F2 em Sochi com apenas sete voltas; Zhou é declarado vencedor e Piquet é 9º

Artigo anterior

VÍDEO: Acidente encerra prova da F2 em Sochi com apenas sete voltas; Zhou é declarado vencedor e Piquet é 9º

Próximo artigo

Chefe da AlphaTauri diz que saída da Honda não afeta futuro de Tsunoda

Chefe da AlphaTauri diz que saída da Honda não afeta futuro de Tsunoda
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria FIA F2
Evento Sochi
Pilotos Luca Ghiotto
Autor Rachit Thukral