Indy adia lançamento oficial do motor híbrido para depois da Indy 500

Nova data será anunciada posteriormente

Will Power participando dos testes híbridos das 500 milhas de Indianápolis

Will Power participando dos testes híbridos das 500 milhas de Indianápolis

IndyCar Series

A Indy anunciou nesta quinta-feira que a estreia do motor híbrido foi oficialmente adiada para depois das 500 Milhas de Indianápolis, que chega à 108ª edição e será realizada no dia 26 de maio do ano que vem.

Leia também:

O motor V-6 de 2,2 litros com turbocompressor duplo e equipado com tecnologia híbrida foi originalmente planejado para estar pronto no GP de São Petersburgo, que abre a temporada, em 10 de março. Os rigorosos testes na pista dos componentes híbridos datam de mais de um ano atrás e "muitos marcos significativos" foram ultrapassados.

Nos últimos três meses, foram registradas 15.256 milhas de testes com a nova unidade de potência entre 13 pilotos da IndyCar, representando a Andretti Global, Arrow McLaren, Chip Ganassi Racing e Team Penske. Apesar do progresso, a categoria optou por adiar para a segunda metade da temporada.

"A parceria entre a Chevrolet e a Honda tem sido fenomenal", disse o presidente da IndyCar, Jay Frye. "A unidade de potência híbrida específica da IndyCar é dinâmica e uma maravilha da engenharia e estamos totalmente comprometidos com o sucesso de sua introdução na próxima temporada."

A combinação Chevrolet e Honda está trabalhando em colaboração para a primeira unidade híbrida do gênero. Os testes estão sendo realizados no Indianapolis Motor Speedway em pista oval e de estrada: Milwaukee Mile, St. Louis, Barber Motorsports Park, Road America e Sebring International Raceway.

De acordo com o comunicado, a unidade de potência híbrida "irá melhorar a ação das corridas com potência adicional e promover os esforços da série para oferecer o automobilismo mais competitivo do planeta." A nova unidade de potência contará com opções adicionais de ultrapassagem (push-to-pass), dando aos pilotos da IndyCar Series mais opções e controle, aumentando a competição e a emoção na pista".

O sistema híbrido é composto pela Unidade Geradora de Motor (MGU) e pelo Sistema de Armazenamento de Energia (ESS), ambos instalados dentro do alojamento do sino, localizado entre o motor e a caixa de câmbio.

Além disso, "várias estratégias de regeneração e implantação foram testadas à medida que a unidade de potência constrói e transmite energia por meio do MGU antes de ser salva no ESS do ultracapacitor".

A potência adicional é implementada por meio do mesmo motor gerador, o que é diferente do sistema tradicional push-to-pass. A unidade de potência híbrida não terá restrições quanto ao tempo total de uso no decorrer de uma corrida.

Testes adicionais e o desenvolvimento contínuo do pacote híbrido continuarão durante os meses de inverno e primavera, antes da primeira corrida em 2024. A data oficial de lançamento será anunciada posteriormente.

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior Indy: Palou responde McLaren em processo sobre quebra de contrato
Próximo artigo Honda cobra redução de custos e não descarta saída da Indy, podendo aumentar presença na F1

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil