Indy terá combustível brasileiro renovável com base em cana-de-açúcar

Shell fornecerá etanol de segunda geração que será proveniente da Raízen, joint-venture brasileira criada em 2011 pela Shell e Cosan

Indy terá combustível brasileiro renovável com base em cana-de-açúcar
Carregar reprodutor de áudio

Como parte do novo acordo da Shell como fornecedora oficial de combustível da IndyCar, ela produzirá um combustível de corrida 100% renovável – o primeiro para qualquer categoria do automobilismo dos EUA.

A partir da próxima temporada, o novo combustível da Shell para a IndyCar Series será uma mistura de etanol de segunda geração derivado de resíduos de cana-de-açúcar e outros biocombustíveis.

Leia também:

O resultado é um combustível 100% composto por matérias-primas categorizadas como “renováveis” de acordo com as estruturas regulatórias aplicáveis.

Atualmente, o combustível usado é uma variação do E85, que contém 85% de etanol e 15% de combustível de corrida de alta octanagem. A nova versão permite uma redução de pelo menos 60% nas emissões de gases de efeito estufa em comparação com a gasolina de origem fóssil.

“Em discussões com a Shell, analisamos o que podemos fazer além de um patrocínio, de como podemos fazer algo pelo meio ambiente” disse Roger Penske, proprietário da equipe Penske, da IndyCar e do Indianapolis Motor Speedway. “Então, fomos trabalhar.

“Obviamente, com nossos dois fabricantes de motores (Chevrolet e Honda), basicamente tivemos que deixá-los confortáveis ​​do ponto de vista de durabilidade e confiabilidade e também da perspectiva de potência. Eu diria que esta é realmente uma decisão dos fabricantes.

“É a primeira categoria real a ter esse tipo de compromisso. Acredite, todo mundo queria ter certeza de que foi feito corretamente e conseguimos o que queríamos tecnicamente.”

O etanol de segunda geração utilizado no combustível será proveniente da Raízen, joint-venture brasileira criada em 2011 pela Shell e Cosan. A Raízen é uma das maiores produtoras de etanol de cana-de-açúcar do mundo e proprietária da primeira usina comercial de etanol de segunda geração.

“Este é um momento decisivo quando você pensa sobre o meio ambiente, a sustentabilidade – a coisa em que todos estamos focados hoje”, disse Penske. “São oportunidades de primeira linha.”

Dani Silva, vice-presidente de contas corporativas da Shell, disse que muitos elementos foram necessários para selecionar o tipo de combustível que a IndyCar utilizará.

“O etanol de segunda geração é algo em que a Shell investe em uma joint venture desde 2011, por isso é fundamental que entendamos como pode ser um combustível sustentável”, disse. “Há muitas opções hoje em matéria-prima que o torna renovável.

“Trabalhamos pela sustentabilidade e não à custa do desempenho.”

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST #179: O que Hamilton e Russell podem conseguir com melhora da Mercedes?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
VÍDEO: Herta capota durante último treino para Indy 500
Artigo anterior

VÍDEO: Herta capota durante último treino para Indy 500

Próximo artigo

Indy: ex-F1, Marcus Ericcson vence as 500 Milhas de Indianápolis

Indy: ex-F1, Marcus Ericcson vence as 500 Milhas de Indianápolis