Obituário

Lenda do automobilismo americano, Parnelli Jones morre aos 90 anos

Como piloto, Jones obteve sucesso nas 500 Milhas de Indianápolis, além de se aventurar no off-road

Parnelli Jones

Parnelli Jones, amplamente considerado um dos ícones da história do automobilismo americano morreu nesta terça-feira aos 90 anos.

De acordo com um representante da Borg-Warner que esteve próximo da situação, Jones faleceu pacificamente de causas naturais na presença de familiares no Torrance Memorial Medical Center, em Torrence, na Califórnia.

Leia também:

Ele era o vencedor vivo mais velho das 500 milhas de Indianápolis, tendo alcançado o sucesso na edição de 1963 da famosa corrida.

Jones nasceu em 12 de agosto de 1933, em Texarkana, Arkansas, e sua mãe o nomeou em homenagem a um juiz local – Rufus Parnell – a quem ela respeitava muito.

Aos 17 anos, ele estava competindo em calhambeques em Gardena, Califórnia, a cidade próxima a Torrence para onde Jones se mudou 10 anos antes, e precisava de um pseudônimo para evitar que os comissários descobrissem que ele não tinha 18 anos, que era a idade legal para competir. Embora ele tenha conseguido mentir sobre sua idade, foi o amigo Billy Calder quem deu o apelido de “Parnellie” e pintou a porta de seu carro antigo.

Houve várias classes de corrida diferentes nas quais Jones competiu para aprimorar suas habilidades durante a década de 1950, incluindo a categoria da NASCAR da Costa Oeste, que resultou em 15 vitórias.

Parnelli Jones

Parnelli Jones

Photo by: Parnelli Jones

Em 1960, ele conquistou o título de Sprint Car na região Centro-Oeste, que foi seu primeiro campeonato importante. E isso chamou a atenção de J.C. Agajanian.

Tudo levou a uma viagem ao Indianapolis Motor Speedway em 1961, onde Jones se tornou o Rookie of the Year da Indy 500 de 1961, uma honra compartilhada com Bobby Marshman. Ele liderou 27 voltas e terminou em 12º após se classificar em quinto.

Jones voltou no ano seguinte e conquistou a pole da Indy 500 com uma velocidade de 150,370 mph, tornando-se o primeiro piloto a se qualificar acima da marca de 150 mph. Apesar de liderar 120 voltas, um problema nos freios atrapalhou as esperanças de vitória e o relegou ao sétimo lugar.

O avanço no “Maior Espetáculo das Corridas” finalmente aconteceu para Jones em 1963, quando ele mais uma vez foi o pole e apresentou outro desempenho contundente, não deixando dúvidas de seu domínio ao liderar 167 voltas rumo à vitória. Mais tarde, ele também venceu o Pikes Peak International Hill Climb guiando um Mercury Marauder construído pelo lendário fabricante Bill Stroppe, quebrando o recorde de velocidade de um stock car no processo.

De forma notável, Jones se classificou nas duas primeiras filas em cada uma das quatro Indy 500 seguintes. Seu esforço mais próximo para vencer o famoso evento ocorreu em sua última largada na Indy 500 em 1967, enquanto guiava o famoso STP-Paxton Turbo para Andy Granatelli. Ele acabou liderando 171 voltas, mas abandonou da corrida a apenas três voltas do final, depois que um rolamento na transmissão quebrou, deixando-o com o sexto lugar.

Parnelli Jones in Watson Offy

Parnelli Jones in Watson Offy

Photo by: IMS Photos

Jones também começou a competir em corridas off-road em 1967 e conquistou vitórias consecutivas no Baha 1000 em 1971 e 1972. Sua carreira também contou com 34 largadas na NASCAR Cup Series, conquistando quatro vitórias, a última veio em Riverside em 1967.

Em 1969, ele se juntou a Velko “Vel” Miletich para formar a Vel’s Parnelli Jones Racing.

A equipe venceu a Indy 500 em 1970 com o piloto Al Unser Sr. liderando 190 das 200 voltas. Unser também conquistou o título da USAC naquele ano, com impressionantes 10 vitórias. A Indy 500 de 1971 viu Unser e VPJ repetirem o sucesso na Indy 500. Joe Leonard, que também pilotou pela equipe, ganhou títulos consecutivos da USAC em 1971 e 1972.

Um grande acidente no Baha 1000 de 1974 fez com que Jones se afastasse das corridas em tempo integral. No entanto, ele ainda estava prosperando como dono de equipe e garantiu os serviços de Mario Andretti e testou na Fórmula 1 no final do ano.

Em 1975, a equipe disputou 12 das 16 corridas enquanto Andretti alcançava o quarto lugar no GP da Suécia. A equipe disputou apenas duas corridas no ano seguinte, com Andretti ingressando na Lotus pelo restante da campanha.

Jones também era dono de uma equipe de corridas off-road, com o piloto Walker Evans vencendo o campeonato de 1976.

Jones conseguiu uma infinidade de reconhecimentos em todo o automobilismo, sendo incluído em vários Halls da Fama, incluindo o International Motorsports Hall of Fame (1990), o National Sprint Car Hall of Fame (1991) e o Indianapolis Motor Speedway Hall of Fame (1985), entre outros.

Ele deixa sua esposa Judy, os filhos PJ e Page e os netos Jagger, Jace, Jimmy, Joie, Jet e Moxie.

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Podcast Motorsport.com debate: Como demissão de Ocon impacta no mercado da F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior Indy: Dixon vence etapa caótica em Detroit marcada por oito amarelas; Fittipaldi é 13º
Próximo artigo Indy: McLaren encerra parceria com JHR após ameaças de morte a Pourchaire

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil