Entenda dilema da MotoGP após tragédia de Dupasquier

Piloto suíço estava em sua segunda temporada na Moto3

Entenda dilema da MotoGP após tragédia de Dupasquier

Depois que o piloto da Moto3 Jason Dupasquier morreu devido às lesões durante a classificação em Mugello, muitos dos pilotos da MotoGP ficaram apreensivos no GP da Itália.

“Esta não é a primeira vez que isso acontece e não vai ser a última.” Franco Morbidelli resumiu perfeitamente a realidade angustiante no domingo após a corrida, um dia marcado pela morte trágica do piloto de 19 anos Dupasquier.

Leia também:

O jovem suíço estava em sua segunda temporada no campeonato mundial e somou pontos em todas as cinco corridas disputadas em 2021 antes de Mugello, ocupando o 10º lugar na classificação com 27 pontos.

Dupasquier se envolveu em um grave acidente nos minutos finais da classificação da Moto3 em Mugello envolvendo também Ayumu Sasaki e Jeremy Alcoba. Os dois pilotos relataram que atingiram o piloto, mas saíram sem maiores problemas.

O suíço foi imediatamente atendido no local do acidente pelos médicos. Depois de uma avaliação inicial, os médicos solicitaram rapidamente o helicóptero, para transportar o piloto ao hospital Careggi de Florença para exames e tratamento adicional.

Os boletins médicos iniciais apontavam que Dupasquier havia sofrido um politrauma e estava com quadro clínico crítico, com traumatismo cranioencefálico, além de traumas torácicos e abdominais. A gravidade de sua situação fez com que a equipe médica aguardasse uma evolução de seu quadro antes de operá-lo.

O automobilismo deu grandes passos para melhorar a segurança, mas o motociclismo - apesar de todos os avanços feitos - permanece inerentemente mais perigoso pelo simples fato de um piloto ser exposto. 

Jason Dupasquier, Carxpert PruestelGP

Jason Dupasquier, Carxpert PruestelGP

Photo by: Gold and Goose / Motorsport Images

Felizmente, o paddock não sofreu tamanha tragédia desde 2016, quando Luis Salom, da Moto2, perdeu a vida em uma queda durante os treinos de sexta-feira para o GP da Catalunha. Na categoria rainha, nenhum piloto morreu em um final de semana de corrida desde quando Marco Simoncelli faleceu depois de cair na segunda volta no GP da Malásia em 2011.

Nos 72 anos de história da motovelocidade, 104 pilotos morreram durante eventos de corrida do campeonato mundial. O avanço na segurança tem sido tamanha que, entre 1989 e 2021, houve apenas oito fatalidades em todas as classes.

O momento do anúncio oficial da FIM sobre o falecimento de Dupasquier foi chocante. Surgiu quando o pelotão da Moto2 se preparava no grid de Mugello para a corrida, enquanto 15 minutos antes da prova da MotoGP foi feito um minuto de silêncio em respeito ao suíço. Como resultado, vários pilotos - que já estavam incomodados por terem que ir direto para TL4 no sábado, minutos depois de Dupasquier ter sido levado no helicóptero médico - ficaram ainda menos felizes com a decisão da corrida seguir em frente.

“É talvez um dos piores dias da minha vida, não gostei de nada hoje,” disse Francesco Bagnaia da Ducati depois de cair na corrida de domingo. “Então, para mim, pedi para não correr hoje porque não era correto. Além disso, acho que se [um acidente fatal] acontecesse com um piloto da MotoGP, não correríamos."

“Portanto, não estou feliz com o dia de hoje, não estou feliz com a decisão de alguém de nos deixar correr atrás de uma notícia como esta. Não importa se eu caí, estou apenas pensando nele [Dupasquier] e em sua família. Perdemos um piloto de 19 anos, por isso é muito difícil aceitar e muito difícil aceitar a decisão de alguém que nos deixou correr.”

Danilo Petrucci, da Tech3, disse que se sentiu “sujo” por ter corrido na mesma pista que outro piloto tinha sofrido um acidente fatal no dia anterior. Mas o que realmente perturbou o italiano foi o fato de que não houve discussão entre os pilotos e os organizadores sobre se o GP deveria acontecer.

“Ninguém pediu ou teve uma reunião para dizer que 'um de nós não está mais conosco, podemos conversar um pouco se é correto fazer o minuto [de silêncio] e depois continuar fazendo isso'?” Disse Petrucci. “Ninguém nos perguntou."

Danilo Petrucci, KTM Tech3

Danilo Petrucci, KTM Tech3

Photo by: Gold and Goose / Motorsport Images

“Falamos muito sobre segurança e sobre tudo, mas passamos [a cena do acidente no TL4] depois de três minutos [de Dupasquier seer levado], havia até a bandeira com listras vermelhas e amarelas porque talvez - eu não sei - havia coisas que eles precisavam usar para recuperar o corpo. Passamos por eles como sempre.”

O que não está claro nesta fase é se os organizadores da MotoGP falaram com a família de Dupasquier e pediram a sua 'bênção' para continuar com o final de semana. Este foi certamente o caso em Barcelona em 2016, quando a família de Salom pediu que o cronograma continuasse.

Nesse caso, a MotoGP fez alterações instantâneas no layout de Barcelona, ​​mudando para a versão do circuito de Fórmula 1 em resposta às preocupações com a antiga curva 10 e penúltima curva. O cancelamento da corrida também tem precedentes. O GP da Malásia de 2011 não foi reiniciado após a queda de Simoncelli.

Esse exemplo é provavelmente de onde vêm as frustrações de Petrucci e Bagnaia - em relação à corrida não ter sido cancelada porque a morte do piloto não veio da MotoGP. Mas o fato da Dorna Sports ter falado com a família Salom em Barcelona em 2016 também torna a avaliação um tanto injusta neste momento. 

Cancelar uma corrida também não é uma decisão simples para os organizadores, com complicados acordos de televisão e contratos do evento - algo que a pandemia da Covid-19 sem dúvida tornou ainda mais complicado - precisando ser levado em consideração.

“Mas você tem que entender também isso ... é difícil falar, mas tem muita gente trabalhando aqui, tem muito dinheiro, tem muita coisa. Portanto, não é tão fácil cancelar uma corrida. Eu posso entender os dois lados", disse Aleix Espargaró, da Aprilia.

E o outro lado do argumento é que, no final das contas, Dupasquier morreu fazendo o que amava e, portanto, continuar correndo em sua memória é uma homenagem. Esta é uma visão que muitos pilotos têm.

Valentino Rossi - que se envolveu no acidente que matou Simoncelli - admitiu que sempre se questiona porque corre quando outro piloto morre, mas notou que não fazia sentido uma vez que não correr não mudaria as coisas. E como disse Jack Miller, da Ducati: “Senti vontade de correr e penso que Jason era um piloto de coração e tenho certeza que gostaria que a corrida continuasse. É a única coisa que amamos fazer e em que somos bons. Temos tragédias, todos sabemos que a motovelocidade é perigosa ... Acho que não tem ninguém com uma arma apontada para a sua cabeça. No final do dia, se você quiser correr, você corre.”

Valentino Rossi, Petronas Yamaha SRT

Valentino Rossi, Petronas Yamaha SRT

Photo by: Gold and Goose / Motorsport Images

Em última análise, esta é a situação complicada que a MotoGP enfrenta sempre que uma tragédia como a de Dupasquier acontece. 

"Às vezes a vida é uma desgraça, às vezes a vida é uma merda. Mas você precisa ir em frente porque é a vida ”, disse Morbidelli, que perdeu o pai por suicídio em 2013.

Adicione uma divergência constante de opiniões dos pilotos sobre a logística envolvida na realização de uma corrida e as complicações no cancelamento, nenhuma decisão será adequada para todos. Portanto, se a categoria rainha estava certa ou errada em seguir em frente com o GP da Itália após a morte de Dupasquier é uma questão sem resposta correta.

Tudo o que a MotoGP pode fazer agora é aprender todas as lições que puder. Do ponto de vista da segurança, não há muito o que fazer para evitar uma repetição. Os novos painéis de controle de LED garantiram que as bandeiras vermelhas fossem visíveis para todos e a rápida resposta da equipe médica não pode ser questionada.

Mas onde a MotoGP pode definitivamente melhorar no futuro é no que tange à transmissão daquelas cenas horríveis na tarde de sábado.

Uma repetição de imagens do acidente foi mostrada antes que a condição de Dupasquier fosse conhecida. E durante o atraso de mais de meia hora para os procedimentos, imagens constantes do acidente do piloto, bem como sua transferência para o helicóptero médico, eram continuamente transmitidas. Isto aborreceu vários pilotos da categoria rainha, que consideraram que era desnecessário.

Mas o que irritou Miller foi o quão prontamente as replays do acidente estavam disponíveis para as emissoras.

“Na noite passada [sábado] eu jantei, tínhamos a Sky TV ligada e fiz todo mundo desligar todas as TVs porque no final eu acho que vi 10 malditos replays do acidente e acho que isso é mais inaceitável do que qualquer coisa", disse.

“Você não conhece a situação, não sabe o que está acontecendo. Estávamos todos esperando e rezando e eles continuavam transmitindo, isso não deveria acontecer. Sobre eles terem acesso a esta filmagem, não deveria estar lá.”

Jack Miller, Ducati Team

Jack Miller, Ducati Team

Photo by: Gold and Goose / Motorsport Images

Esta não é uma reclamação nova dos pilotos. Cal Crutchlow sentiu que as constantes repetições da queda de horror de Morbidelli e Johann Zarco no GP da Áustria de 2020 durante o período de bandeira vermelha eram "ridículas", pois os pilotos não deveriam ser submetidos a isso quando se espera que voltem ao mesmo circuito para terminar uma corrida. No ano passado, na F1, Daniel Ricciardo também criticou os replays da transmissão do violento acidente de Romain Grosjean no Bahrain.

As redes sociais apenas aumentaram o problema, com imagens de batidas acessíveis a milhões de pessoas apenas segundos depois de terem acontecido. Não é apenas desrespeitoso com os competidores, mas também mostra pouco respeito pelas famílias dos pilotos.

Se há alguma lição a ser aprendida com a tragédia de Dupasquier, é que as imagens ao vivo em vários ângulos de pilotos gravemente feridos recebendo tratamento médico são desnecessárias e irresponsáveis.

A minutes silence to remember Jason Dupasquier

A minutes silence to remember Jason Dupasquier

Photo by: Gold and Goose / Motorsport Images

Helio Castroneves: LENDA em INDIANÁPOLIS 'dá carona' em pista MÍTICA e ENSINA os seus SEGREDOS

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: O que a liderança inédita de Verstappen representa na F1?

 

compartilhar
comentários
MotoGP 2021: Confira horários e como assistir ao GP da Catalunha em Barcelona

Artigo anterior

MotoGP 2021: Confira horários e como assistir ao GP da Catalunha em Barcelona

Próximo artigo

MotoGP: Rins fratura o braço e desfalca Suzuki no GP da Catalunha

MotoGP: Rins fratura o braço e desfalca Suzuki no GP da Catalunha
Carregar comentários