MotoGP
25 mar
Próximo evento em
62 dias
R
GP da Argentina
08 abr
Próximo evento em
76 dias
R
GP das Américas
15 abr
Próximo evento em
83 dias
R
GP da Espanha
29 abr
Próximo evento em
97 dias
R
GP da França
13 mai
Próximo evento em
111 dias
R
GP da Itália
27 mai
Próximo evento em
125 dias
R
GP da Catalunha
03 jun
Próximo evento em
132 dias
R
GP da Alemanha
17 jun
Próximo evento em
146 dias
R
GP da Holanda
24 jun
Próximo evento em
153 dias
R
GP da Finlândia
08 jul
Próximo evento em
167 dias
R
GP da Áustria
12 ago
Próximo evento em
202 dias
R
GP da Grã-Bretanha
26 ago
Próximo evento em
216 dias
R
GP de Aragón
09 set
Próximo evento em
230 dias
R
GP de San Marino
16 set
Próximo evento em
237 dias
R
GP do Japão
30 set
Próximo evento em
251 dias
R
GP da Tailândia
07 out
Próximo evento em
258 dias
R
GP da Austrália
21 out
Próximo evento em
272 dias
R
GP da Malásia
28 out
Próximo evento em
279 dias
R
GP de Valência
11 nov
Próximo evento em
293 dias

Iannone: Nunca vou entender por que a Suzuki me demitiu

compartilhar
comentários
Iannone: Nunca vou entender por que a Suzuki me demitiu
Por:

Italiano lamenta saída de time japonês, mas ressalta grandes momentos da temporada de 2018 em parceria

Andrea Iannone diz que "nunca entenderá" porque a Suzuki decidiu demiti-lo, pois considera que seu trabalho de desenvolvimento ao longo do ano foi crucial para a melhoria da equipe.

Iannone sofreu um primeiro ano difícil com a Suzuki no ano passado, principalmente devido a uma especificação errada de motor ter sido escolhida antes da temporada. No entanto, ele teve um segundo ano muito mais bem sucedido com a marca de Hamamatsu.

Depois de passar por um 2017 sem pódios, a Suzuki conquistou sete top-3 até agora em 2018 – quatro de Iannone. Porém, o italiano vai se juntar à Aprilia em 2019, depois de a Suzuki ter optado por assinar com Joan Mir, da Moto2, ao lado de Alex Rins.

"Eu não sei e nunca vou entender, é difícil dizer", disse Iannone sobre sua situação depois de terminar em segundo lugar em Phillip Island no último final de semana. "2017 foi um ano complicado para nós dois e eles tomaram essa decisão”.

"O ano de 2018 foi diferente, acho que mostrei muito, especialmente quando o material relacionado aos meus pedidos chegou. Os resultados começaram a vir comigo e Rins. Sinto muito porque acho que depois de um ano difícil como 2017 eu dei algumas indicações importantes e fiz a moto crescer.”

"Ainda há muitas coisas para melhorar, mas não cabe a mim dizer em que direção devemos ir. Acabei de trabalhar no meu final de semana. Mas acho que, se tivéssemos continuado juntos, poderíamos fazer mais."

Mesmo sendo fortemente criticado durante toda sua estadia na Suzuki pelo embaixador da marca, Kevin Schwantz, ele insiste que seu relacionamento com a equipe nunca foi amargo.

"Acho que crescemos bem este ano", acrescentou. "Nosso relacionamento continuou”.

"Agora estou fora dessa equipe, então os resultados que posso fazer valem o dobro. Ter Andrea Iannone em um time como este muitas vezes é confortável, mas também pode ser desconfortável, porque Iannone é um piloto que quer vencer e exige certas coisas.”

"A Suzuki tem um piloto de testes (Sylvain Guintoli) e montou uma equipe de testes na Europa para permitir tudo. No final, estou feliz com isso, por ter contribuído para o crescimento da Suzuki."

Reportagem adicional por Oriol Puigdemont

Rossi: Vitória de Viñales não muda panorama para Yamaha

Artigo anterior

Rossi: Vitória de Viñales não muda panorama para Yamaha

Próximo artigo

Bautista: apresentação forte foi graças à moto superior

Bautista: apresentação forte foi graças à moto superior
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria MotoGP
Pilotos Andrea Iannone
Equipes Team Suzuki Ecstar MotoGP , Aprilia Racing Team Gresini
Autor David Gruz