Márquez não se preocupa com falta de mais vitórias em 2017

Marc Márquez, com apenas uma vitória na temporada 2017 da MotoGP, insiste que estar sem vencer há cinco etapas não é motivo para preocupação, tendo em vista a distância pequena para o líder do campeonato

Márquez não se preocupa com falta de mais vitórias em 2017
Marc Marquez, Repsol Honda Team
Marc Marquez, Repsol Honda Team
Danilo Petrucci, Pramac Racing, Marc Marquez, Repsol Honda Team
Marc Marquez, Repsol Honda Team
Podium: third place Marc Marquez, Repsol Honda Team
Marc Marquez, Repsol Honda Team
Marc Marquez, Repsol Honda Team
Marc Marquez, Repsol Honda Team
Carregar reprodutor de áudio

Marc Márquez ocupa o quarto lugar na classificação da temporada 2017 da MotoGP, a 11 pontos de Andrea Dovizioso, o líder. O piloto da Honda, que defende o título conquistado em 2016, venceu apenas o GP das Américas neste ano, abandonou os GPs da Argentina e da França, mas figurou no pódio em três das demais cinco etapas.

Falando à imprensa em Sachsenring, onde a MotoGP realiza o GP da Alemanha neste final de semana, Márquez não se mostrou preocupado com a sequência de cinco corridas sem vitórias e destacou a importância de seguir consistente no topo.

"Gosto de vencer e quero vencer, adoraria ter três, quatro ou cinco vitórias neste ano", disse Márquez. "Neste ano, tenho apenas uma até o momento, mas veja que estamos apenas a 11 pontos do líder."

"O bom é que praticamente em todas as situações estamos na briga, nunca estivemos tão distantes das primeiras posições", afirmou.

Incerteza sobre manutenção de invencibilidade

Márquez está invicto em Sachsenring desde que chegou ao Mundial de Motovelocidade - foram duas vitórias, uma nas 125cc e outra na Moto2, antes de subir para a MotoGP e vencer nos últimos quatro anos.

Dominante na pista até agora, o espanhol não está certo de que conseguirá manter o retrospecto neste ano - o circuito alemão foi reasfaltado, o que leva Márquez a ter mais dúvidas sobre a manutenção da invencibilidade.

"Quando fiquei sabendo que eles recapeariam a pista, eu não quis, pois quando você vence não quer que mexam em nada!", brincou o piloto da Honda.

"Mas cada corrida é uma nova história a ser escrita - especialmente neste ano, com o asfalto novo. Uma das minhas qualidades é minha adaptação rápida a um asfalto com menos aderência. Se há mais aderência, todos se igualam."

"A verdade é que não sei porque sou tão forte em Sachsenring, imagino que seja por se tratar de um circuito com muitas curvas para a esquerda, que é quando me sinto melhor", completou.

Reportagem adicional por Oriol Puigdemont

compartilhar
comentários
Crutchlow critica curva 11: "totalmente fora de controle"
Artigo anterior

Crutchlow critica curva 11: "totalmente fora de controle"

Próximo artigo

Lorenzo: “Tenho que me desdobrar para tirar tudo da moto"

Lorenzo: “Tenho que me desdobrar para tirar tudo da moto"