MotoGP GP do Japão

MotoGP: Márquez disse que o GP do Japão foi a primeira corrida onde “não senti dor”

Marc Márquez disse que o Grande Prêmio do Japão de MotoGP foi a primeira corrida desde que quebrou gravemente o braço direito em 2020, onde não sentiu dor durante a corrida

Marc Marquez, Repsol Honda Team

O piloto da Honda na MotoGP largou da pole pela primeira vez em três anos em Motegi depois de liderar uma classificação molhada, mas minimizou as suas hipóteses de lutar pelo pódio. Caindo para quinto no início da corrida, Márquez se recuperou para passar Miguel Oliveira, da KTM, a três voltas do final, para terminar em quarto – igualando seu melhor resultado da temporada.

Leia também:

Satisfeito com a forma como sua corrida foi em geral, Márquez observou que foi a primeira vez desde que machucou o braço que ele não sentiu dor no final – embora tenha admitido que se sentiu “preguiçoso”.

“Estou muito feliz, porque foi uma corrida sólida”, disse Márquez.

“Foi uma corrida consistente e o mais importante é que não senti dor durante a corrida.

“Eu senti que o braço estava com preguiça, me sinto cansado no final, mas não sinto dor.

“Para mim, isso é o mais importante e foi por isso que pude atacar Oliveira nas últimas voltas.

“Faz muito tempo que eu não tinha aquela sensação de atacar alguém nas últimas voltas, porque havia dor e depois era difícil manter a concentração na ultrapassagem.

“Mas hoje não senti dor, apenas me senti cansado. Tudo estava sob controle.”

Marc Marquez, Repsol Honda Team

Marc Marquez, Repsol Honda Team

Photo by: Gold and Goose / Motorsport Images

O hexacampeão mundial de MotoGP diz que sua confiança na moto está melhorando, mas exige cautela, pois Motegi mascarou os pontos fracos da Honda de 2022.

“É claro que a confiança aumenta cada vez mais”, acrescentou Márquez.

“Mas precisamos nos acalmar um pouco porque, como disse na sexta-feira, somos menos afetados pelos pontos fracos da nossa moto neste circuito.

“Então, por esse motivo, consegui ser rápido no TL1 porque rodamos exatamente com a mesma moto mais ou menos como em Aragão.

“Mas estávamos mais próximos dos outros, então isso ajudou muito.

“Claro que, para uma única volta, não estou longe de pilotar como quero.

“Não estou longe, mas para manter um ritmo constante e controlar os momentos que você não espera – então alguns tremores nos freios e na mudança de direção – ainda acho que posso trabalhar e melhorar.

“É apenas a segunda corrida, então ainda temos Tailândia, Austrália, Malásia, Valência. É verdade que foi um bom fim de semana.

“É verdade também que o que me ajudou muito foram as condições de chuva no sábado para me manter fresco e me ajudou também a largar na pole.

“Então, sou sempre honesto: um fim de semana normal, acredito, será a sétima, a oitava, a nona posição – não a quarta.”

BEBEDEIRA e ZOEIRA: Rubinho e Massa citam Kimi, Schumi e Alonso como PARÇAS. Mas quem são os CHATOS?

Podcast #196 - Após recorde, qual Alonso ficará para a história da F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior GP da Tailândia de MotoGP: Horários e como assistir à etapa de Chang
Próximo artigo MotoGP: Petrucci vai substituir Mir na Suzuki no GP da Tailândia

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil