Stock Car: Toyota explica opções por Fittipaldi e Dudu Barrichello e fala de 2021

Em entrevista exclusiva, o gerente de Motorsport da marca, Henry Soares, falou sobre a atual fase dos carros na temporada e os obstáculos ainda impostos pela pandemia

Stock Car: Toyota explica opções por Fittipaldi e Dudu Barrichello e fala de 2021

A Stock Car Pro Series está na metade da temporada de 2021 e volta a Curitiba neste fim de semana. Na tabela de classificação, o fã mais atento percebe que os carros das equipes da Toyota Gazoo Racing não estão tão presentes no topo como estavam no ano passado. Daniel Serra é o líder, com 197 pontos, seguido de Gabriel Casagrande, com 188. Cesar Ramos, da Ipiranga Racing, é o primeiro representante da marca japonesa, em terceiro, com 162.

Leia também:

Além disso, os Corollas já dispararam os três “packs” a que têm direito. São atualizações aerodinâmicas previstas em regulamento, caso uma montadora se distancie de outra na pontuação. Os Chevrolets não utilizaram nenhum pacote em 2021, numa situação totalmente oposta à temporada passada.

O Motorsport.com conversou com o gerente de Motorsport da Toyota, Henry Soares, para que ele explicasse esse cenário, mais difícil do que o visto na temporada passada, e se isso preocupa para o restante do ano. O representante da marca comparou as situações, mas viu a segunda metade da temporada com mais otimismo.

“O fato de hoje, um terço do grid ser Toyota e dois terços Chevrolet, a tendência é você ter mais Chevrolets no top-10. Em comparação ao ano passado, até a etapa de Cascavel, nós tínhamos 60% dos 10 primeiros colocados”, disse Henry.

“Como o carro era novo, havia uma questão com superaquecimento, e chegaram à conclusão de que tinham que reduzir a potência deles. Isso resolveu todos os problemas de superaquecimento e gerou uma melhora no desempenho do motor do Chevrolet. Isso, aliado ao segundo pack da Chevrolet, melhorou a performance deles.”

“No começo do ano, tudo foi zerado e, no papel, poderia ser um início mais favorável para a Toyota novamente, porém a categoria fez alguns ajustes aerodinâmicos com os Chevrolets e isso trouxe mais benefícios. Nesse momento, já foram disparados os três packs para a Toyota, vimos um desempenho muito positivo no Velocitta, em Cascavel a Ipiranga acabou acertando, e nas duas de Curitiba entendemos que serão mais favoráveis para nós.”

Henry também explicou que uma pequena mudança, pensada no modelo de rua e aprovada pela categoria, acabou ajudando também no desempenho de pista: “Desde a mudança que fizemos no para-choque, nós tivemos um ganho, não muito representativo, mas muito positivo para a marca, porque isso alinhou com o design do veículo que vendemos.”

“Nós sempre conversamos com a categoria, eles têm todo um relatório de desempenho e que comprova que há uma igualdade entre as duas montadoras. Vamos ver os resultados de Curitiba e quem sabe, podemos pedir para voltar à potência inicial do ano passado. Essa seria a única solução para deixar o campeonato ainda mais equilibrado, uma vez que ainda não foi disparado nenhum pack para a Chevrolet.”

A pandemia ainda não ajuda, mas gera novidades

O lançamento do programa Toyota Gazoo Racing no Brasil visa emular o que já ocorre na Argentina há alguns anos, com um planejamento forte para o automobilismo e, que no final, resulte na melhoria das vendas de veículos de rua. No início do projeto, ainda sem a pandemia, pensava-se em uma integração constante entre os dois países, bem como entre os brasileiros, com o público se aproximando dos pilotos e, consequentemente, da marca. Sobre isso, Henry explicou como a Covid ainda dificulta as ações e que soluções puderam ser encontradas

“Temos o projeto de nos aproximarmos do fã apaixonado pelo motorsport e isso, infelizmente, não estamos conseguindo desenvolver. Não conseguimos convidar as pessoas a participarem das corridas, a realizarmos os eventos, mas, ao mesmo tempo, estamos fortalecendo as nossas redes sociais, junto com nossos pilotos.”

“Estamos planejando realizar o nosso evento, tomando todos os cuidados em relação ao protocolo de segurança, para a realização do Gazoo Racing Day no Brasil em outubro, praticamente junto com a etapa do Velocitta. Estamos tentando tirar esse projeto do papel há um ano, para criar uma experiência ao nosso consumidor, jornalistas, tanto do setor automotivo quanto do motorsport, para criar a experiência de poder dirigir um Corolla ou algum outro carro importado, andar com algum piloto, como o Nelsinho Piquet, o Rubinho.”

A importância de ‘Barrichellos’ e Fittipaldi

Pietro Fittipaldi, Haas F1

Pietro Fittipaldi, Haas F1

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

Com as restrições de viagens entre Brasil e Argentina, Matías Rossi deve perder três etapas do campeonato, a última delas na segunda etapa de Curitiba, que deve ter a volta de Dudu Barrichello ao lado do pai, Rubens, no Dia dos Pais. Além disso, com a estreia de Pietro Fittipaldi no lugar de Tony Kanaan, que estará nos Estados Unidos no mesmo fim de semana por ter compromissos com a Indy.

“Não podemos parar e ficar se lamentando. Com base nessas adversidades, o que vamos buscar? O reconhecimento maior ainda de um projeto novo. Estamos aí com um ano e meio desse pilar no Brasil. Se você parar para pensar, o Pietro é o representante do Brasil mais perto da F1 e ele está empolgado com a novidade, vamos gerar conteúdo com ele, para ter uma exposição ainda maior da nossa marca. Além dele, não há apelo mais legal que, no Dia dos Pais com Rubinho e o Dudu como companheiros de equipe.”

Rubens Barrichello e Dudu Barrichello

Rubens Barrichello e Dudu Barrichello

Photo by: Duda Bairros

Você pode acompanhar a Stock Car Pro Series ao vivo no Motorsport.com e na Motorsport.tv, com transmissões em português, inglês e russo. Confira como foi a etapa de Cascavel.

PODCAST: Como Verstappen se encaixa entre rivais históricos de Hamilton?

 

 

.

 

 

 

 

compartilhar
comentários
Pietro Fittipaldi destaca rápido entrosamento com time no primeiro teste com Stock Car em Curitiba
Artigo anterior

Pietro Fittipaldi destaca rápido entrosamento com time no primeiro teste com Stock Car em Curitiba

Próximo artigo

Estreando na Stock Car, Pietro Fittipaldi lidera TL1 no anel externo de Curitiba

Estreando na Stock Car, Pietro Fittipaldi lidera TL1 no anel externo de Curitiba
Carregar comentários