Fórmula 1
R
GP de 70º aniversário
07 ago
Próximo evento em
1 dia
04 set
Próximo evento em
29 dias
R
GP da Toscana
11 set
Próximo evento em
36 dias
R
GP de Singapura
17 set
Canceled
R
GP da Rússia
25 set
Próximo evento em
50 dias
R
GP do Japão
08 out
Canceled
R
GP dos Estados Unidos
23 out
Canceled
R
GP do México
30 out
Canceled
R
GP do Brasil
13 nov
Canceled
R
GP de Abu Dhabi
27 nov
Próximo evento em
113 dias
Série Pensamento dos líderes
Assunto

Série Pensamento dos líderes

Abiteboul: Renault planeja ficar "muito tempo" na F1

compartilhar
comentários
Abiteboul: Renault planeja ficar "muito tempo" na F1
Por:
Co-autor: Jonathan Noble
26 de mai de 2020 15:29

Chefe da Renault considera que o 'novo acordo' para F1 envolvendo um amplo pacote de medidas destinadas a controlar custos e nivelar o grid é uma vitória para o senso comum

O chefe da Renault, Cyril Abiteboul, acredita que as mudanças que acontecerão em breve na F1, fará com que a categoria seja um esporte de apenas duas forças.

Falando pela série #thinkingforward, analisando como o esporte emerge da atual crise da pandemia, Abiteboul, que representa um dos três principais fabricantes, acrescentou que o automobilismo está no DNA da Renault, com mais de 120 anos de história no esporte e que estaria comprometido em competir por muito tempo no futuro.

Leia também:

A Renault abriu sua base de motores Viry na segunda-feira passada e hoje a fábrica chassis em Enstone, na preparação para o reinício das corridas, embora os efeitos da decisão do governo do Reino Unido na quarentena para quem entra no país ainda precise ser trabalhado.

Abiteboul acredita que o esporte agiu decisivamente diante da crise para redefinir o modelo de negócios e preservar as equipes participantes,

"É uma grande crise, por isso é difícil assumir agora qual será realmente o efeito (econômico global), mas tudo o que está acontecendo: melhor distribuição monetária do fundo de premiação, menor limite de orçamento. Muito menor do que era e nós há anos pressionávamos por esse tipo de cifra, então, francamente, provavelmente será muito bom para nós, muito próximo do nível em que estamos operando.”

"Na minha opinião, é um modelo de negócios muito melhor. Se a condição fosse boa o suficiente para vários fabricantes ingressarem no esporte no passado, eles serão ainda melhores amanhã."

"Nossa voz foi finalmente ouvida, como talvez uma voz que representa o senso comum.”

"Tudo isso está apontando na direção certa para quem já está no esporte, acredito firmemente nisso".

Existem dúvidas sobre o apetite dos fabricantes de continuar investindo no automobilismo, pois as vendas de veículos caíram durante a quarentena.

Antes da crise, havia pontos de interrogação sobre a participação contínua da Renault na Fórmula 1 e, embora a Abiteboul ainda não tenha uma garantia, ele diz: "Estamos na Fórmula 1 desde os anos 1970. Somos leais à Fórmula 1 e, claramente, à medida que esperamos, acho importante se manter fiel às suas raízes, de onde você vem, não apenas por lealdade, mas também porque significa algo na narrativa que você pode atrair para os clientes de hoje e de amanhã.”

"O automobilismo tem um valor e uma contribuição únicos. É por isso que acreditamos nele, assim como acreditamos em várias atividades de marketing. Isso é corrida, é emoção também, e Renault significa emoção. Então tudo isso significa muito, e é por isso que estamos nisso há décadas e pretendemos continuar por muito tempo.”

A aliança Renault-Nissan está comprometida com a Fórmula E e Abiteboul observou que estar na Fórmula 1 e na F-E permitiu fazer a Fórmula E com um custo acessível, porque eles desenvolvem "várias tecnologias para a Fórmula 1 que podem ser transferidas para a F-E, por que acho que a Fórmula 1 continuará impulsionando a inovação.”

"Francamente, a tendência para a eletrificação não vai desaparecer, ela vai acelerar em particular com um compromisso assumido no setor automotivo em direção a mais sustentabilidade.”

“Então, sim, claramente a Fórmula 1 precisa continuar apontando nessa direção, mas é o caso desde 2009, com a primeira introdução do KERS e, depois, em 2014, com esta unidade [turbo híbrida]. Acho que ainda precisamos fazer um trabalho melhor no marketing da F1 em relação a isso."

No entanto, o francês acredita que o esporte ainda deve ir além, com o teto salarial dos pilotos, algo que ele acha que há uma obrigação moral de se introduzir. Com o limite de orçamento mais baixo chegando, muitas equipes de F1 terão que demitir centenas de funcionários, com todas as consequências sociais que isso acarretará.

Portanto, seria moralmente errado que o nivelamento do grid levasse à inflação dos salários dos pilotos, "espero que sejamos ouvidos, como fomos ouvidos no resto", disse ele.

Nelsinho Piquet revela que pai dorme na garagem junto aos carros: "Ele é muito simples"

PODCAST: Emerson Fittipaldi abre o jogo 

 

Nelsinho Piquet revela simplicidade do pai e diz que Nelson dorme junto aos carros: "Mora na garagem"

Artigo anterior

Nelsinho Piquet revela simplicidade do pai e diz que Nelson dorme junto aos carros: "Mora na garagem"

Próximo artigo

Podcast #045 - Alain Prost: ‘apenas’ o vilão dos brasileiros ou gênio incompreendido?

Podcast #045 - Alain Prost: ‘apenas’ o vilão dos brasileiros ou gênio incompreendido?
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Renault F1 Team
Autor James Allen