Análise: Companheiros de equipe na F1 realmente precisam ser melhores amigos?

Após uma das 'silly seasons' mais agitadas dos últimos tempos, o grid da principal categoria do automobilismo em 2023 será bem diferente daquele que terminou 2022 em Abu Dhabi

Fernando Alonso, Alpine F1 Team, Mick Schumacher, Haas F1 Team, Kevin Magnussen, Haas F1 Team, Nico Hulkenberg, Aston Martin

Apenas quatro das dez equipes que compõe o atual grid da Fórmula 1 têm uma formação de pilotos inalterada para 2023 - Red Bull, Ferrari, Mercedes e Alfa Romeo - o que significa que as seis restantes passaram grande parte deste inverno atualizando sua nova contratação e os incorporando no novo esquadrão.

Leia também:

Mas também deixará os pilotos enfrentando novas dinâmicas para trabalhar. As relações entre companheiros de equipe costumam estar no centro das atenções na F1, especialmente quando as coisas dão errado. O desentendimento de Max Verstappen e Sergio Pérez em Interlagos sobre as ordens da equipe foi um dos exemplos mais explosivos do ano passado, embora a Red Bull tenha enfatizado desde então que tudo foi consertado, a dupla deve continuar por mais duas temporadas.

Algumas das novas formações para 2023 serão de particular interesse para os fãs este ano, dada a história entre os pilotos envolvidos: Pierre Gasly e Esteban Ocon na Alpine e Nico Hulkenberg e Kevin Magnussen na Haas.

Por mais que o desejo de drama da F1 moderna possa alimentar esse tipo de dinâmica com uma história obscura - muito dela alimentada por Drive to Survive - é irreal esperar que todos os companheiros de equipe sejam bons amigos?

Não quer dizer que tal coisa não seja possível. Houve muitas parcerias próximas com companheiros de equipe no passado, o exemplo mais forte nos últimos anos vem da McLaren com Lando Norris e Carlos Sainz. A dupla trouxe frescor e senso de diversão ao time papaia enquanto a equipe desfrutava de uma reviravolta na sorte na pista, estabelecendo uma verdadeira amizade. 'Carlando' se tornou seu próprio fenômeno de mídia social.

Isso significava que, quando Daniel Ricciardo chegou à equipe de Woking como substituto de Sainz, as expectativas eram altas para que o mesmo tipo de mágica fosse reacendido. Mas não foi. Não quer dizer que houve atrito entre Norris e Ricciardo; simplesmente não era o mesmo.

Lando Norris, McLaren, Daniel Ricciardo, McLaren

Lando Norris, McLaren, Daniel Ricciardo, McLaren

Photo by: Simon Galloway / Motorsport Images

Norris tocou no assunto em uma entrevista recente para a GQ: “Carlos e eu nos damos muito bem. Eu meio que cresci com ele. Daniel e eu nos dávamos muito bem. Ele e eu éramos os competidores perfeitos: odiávamos bater um no outro como odiávamos ser derrotados um pelo outro. Fora da pista, nós nos respeitávamos enormemente.

“Eu mantenho separado; Posso ser o maior competidor de que preciso para estar na pista de corrida, mas também posso respeitar e ser um bom amigo de outras pessoas”.

Essa dualidade é algo que pode ser difícil de entender, mas é uma visão das mentes competitivas que esses pilotos de F1 possuem. É possível para eles ligá-lo e desligá-lo para afastar sua mentalidade no calor da competição das amizades fora da pista que eles têm com as pessoas.

Ocon e Gasly certamente receberão o tratamento Drive to Survive dadas as tensões anteriores. Mas ambos foram inflexíveis de que já passaram disso há muito tempo, a fonte do atrito vindo de muitas luas atrás. Não foi algo que preocupou a Alpine quando escolheram Gasly como substituto de Fernando Alonso - tudo o que queriam era a melhor escalação possível. Gasly e Ocon também reconheceram como tem sido frustrante continuar voltando ao antigo terreno.

“Não somos melhores amigos, mas nos damos bem”, disse Gasly ao Motorsport.com em uma entrevista no final da temporada passada. “Fizemos alguns eventos, falamos um com o outro e, quando olho para o paddock, o relacionamento entre outros companheiros de equipe, acho que definitivamente há [alguns] piores do que nós.

“Se você quiser discutir sobre mim e Esteban, provavelmente pode falar sobre o relacionamento entre 60% dos caras no paddock.”

Gasly e Ocon também passaram algum tempo juntos no período de férias. No início desta semana, eles se juntaram a Charles Leclerc - o trio esteve próximo em seus dias de kart - para assistir ao evento da NBA em Paris. Sair mesmo em seu tempo livre é um sinal encorajador e talvez desaponte alguns dos mercadores do Juízo Final que procuram provocar o drama.

Mas você ainda pode ter certeza de que quando os primeiros momentos na pista chegarem - e eles virão, como acontece com todos os companheiros de equipe - a história será desenterrada e apontada como um sinal da verdadeira natureza do relacionamento.

 

O mesmo acontecerá com Magnussen e Hulkenberg na Haas, a origem de sua 'rivalidade' veio de uma briga na mídia no GP da Hungria de 2017, com a resposta de quatro palavras de Magnussen que se tornou um dos bordões mais renomados nos círculos da F1. 

A dupla não se falou por alguns anos - lembre-se de que eles nem correram juntos em 2020 ou 2021 - mas o gelo foi quebrado no Bahrein no ano passado, quando ambos estavam fazendo retornos surpresa: Magnussen após o contrato de Nikita Mazepin ter sido encerrado e Hulkenberg como substituto Sebastian Vettel.

“Acho que vocês não precisam ser melhores amigos”, disse Magnussen. “Quero dizer, talvez nos tornemos melhores amigos, quem sabe! Mas não há pressão para construir algo fora da pista. Eu o respeito como piloto e acho que é a única coisa que importa.

“Vou conhecê-lo agora como pessoa. Eu nunca estive realmente perto dele, mas essa parte realmente não importa. Tenho certeza de que vamos trabalhar bem juntos como companheiros de equipe na pista e fora dela”.

Muita coisa mudou para Magnussen e Hulkenberg desde a última vez que competiram na pista em 2019. Ambos se tornaram pais - eles fizeram a mesma piada sobre discutir as melhores marcas de fraldas - e também pensaram que correram na F1 pela última vez. Isso gerou maturidade em Magnussen, que o chefe da Haas, Gunther Steiner, sentiu que agora estava em um lugar melhor mentalmente. O mesmo pode ser verdade para Hulkenberg.

Esses relacionamentos de companheiros de equipe, sem dúvida, estarão no centro das atenções este ano, especialmente na era da Netflix e do 'F1 Twitter', procurando por qualquer fragmento de drama para se aprofundar. Mas só porque um par de companheiros de equipe não tem a química de Norris e Sainz não significa que seja ruim. Todas as equipes se preocuparão em fazer o trabalho e seguir em frente.

Porque, no final das contas, essa é a única coisa que importa. Se os pilotos estiverem próximos, isso é um bônus feliz para uma equipe. Mas eles não vão procurar forjar amizades que simplesmente não existem, sabendo que colocar algo inautêntico só pioraria as coisas caso surgissem tensões.

George Russell, Mercedes AMG, 1st position, with Lewis Hamilton, Mercedes AMG, 3rd position, after the sprint race

George Russell, Mercedes AMG, 1st position, with Lewis Hamilton, Mercedes AMG, 3rd position, after the sprint race

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #213 – Briga por 11ª equipe escancara crise entre FIA e F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1 - Hamilton contesta 'tabu' das 300 corridas: "Nunca houve um piloto como eu"
Próximo artigo F1: Norris acredita que McLaren dará "salto" de desempenho semelhante ao da Ferrari em 2023

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil