Fórmula 1
R
GP de Eifel
09 out
Próximo evento em
17 dias
R
GP de Portugal
23 out
Próximo evento em
31 dias
04 dez
Próximo evento em
73 dias
R
GP de Abu Dhabi
11 dez
Próximo evento em
80 dias

Análise: Conheça a história do motor mais bem-sucedido da F1

compartilhar
comentários
Análise: Conheça a história do motor mais bem-sucedido da F1
Por:
Co-autor: Giorgio Piola, Especialista

Em 1983, uma era vencedora para o motor de maior sucesso da Fórmula 1 chegou ao fim, quando Michele Alboreto venceu com a Tyrrell pelas ruas de Detroit

O Cosworth DFV é o motor que resistiu ao tempo na F1, pois ao longo de seus 17 anos, alimentou 12 pilotos e 10 construtores para ganhar campeonatos.

Ele abandonou o esporte em 1985, quando a F1 mudou para a era turbo, mas havia algo bastante curioso, que a última de suas 155 vitórias fosse na cidade de Detroit, que foi tão importante para o seu nascimento.

Leia também:

O Cosworth DFV chegou pela primeira vez como parte de um acordo "oficial" que Colin Chapman havia firmado da Lotus com a Ford, pois ambos procuravam maximizar as mudanças nos regulamentos que permitiria um motor de maior capacidade a partir de 1966.

O motor seria construído pela Cosworth, uma empresa à qual Mike Costin e Keith Duckworth haviam emprestado seus nomes e para os quais já haviam tido sucesso no desenvolvimento de motores Ford para categorias de acesso.

Após dois anos de desenvolvimento por Cosworth, o DFV, que foi projetado ao lado do Lotus 49, faria sua estreia sem alarde na terceira etapa do campeonato de 1967 em Zandvoort.

Lotus e Ford tiveram um sucesso incrível e imediato. Graham Hill conseguiu o recorde da pista para conquistar a pole position, com um tempo de volta mais de seis segundos mais rápido do que qualquer marca anterior.

O GP da Holanda foi a primeira vez que seu companheiro de equipe, Jim Clark, sentou-se ao volante do novo Lotus-Cosworth, e Hill tinha feito todos os testes.

No entanto, Hill abandonou quando estava na liderança da corrida com uma falha no motor. Enquanto isso, Clark, que começou a corrida no 8º lugar, passou pelo pelotão e conquistou a vitória por 27 segundos.

Denny Hulme e Brabham venceriam o campeonato de 1967 com o Repco V8, mas o DFV já havia provado seu valor.

A Ford decidiu, portanto, que seria melhor servir também outras equipes, em vez de apenas dar exclusividade à Lotus.

O Cosworth DFV não era apenas robusto, confiável e leve, mas também acessível, tornando a F1 acessível àqueles que, de outra forma, poderiam ter achado uma barreira cara para saltar.

Isso se tornou uma marca registrada do sucesso do motor, pois permitiu que as equipes menos financiadas lutassem contra o establishment.

O efeito de solo foi cortado sem cerimônia do esporte no momento em que o turbocompressor começava a ganhar mais atenção. Isso eliminaria efetivamente o poder de ponderar a vantagem que ele havia oferecido em relação aos motores no passado.

Algumas das equipes menos financiadas permaneceram conectadas com o DFV por vários anos, incapazes de se dar ao luxo de pular na onda turbinada.

A Tyrrell era uma dessas equipes, o último bastião para o DFV, pois a equipe permaneceu firme, apesar de ficar claro que o motor turbo era o caminho a seguir.

A equipe não apenas registrou a última vitória com Michele Alboreto em Detroit, 1983, mas foi o último time a usar uma variante do motor, já que Martin Brundle foi alimentado por um DFY em seu 012 no GP da Áustria em 1985, antes da equipe finalmente mudar para um motor Renault turbo.

Galeria
Lista

Graham Hill, Lotus 49 Ford

Graham Hill, Lotus 49 Ford
1/17

Foto de: LAT Images

Graham Hill, Lotus 49B-Ford, leads Chris Amon, Ferrari 312

Graham Hill, Lotus 49B-Ford, leads Chris Amon, Ferrari 312
2/17

Foto de: LAT Images

John Miles, Lotus 63-Ford

John Miles, Lotus 63-Ford
3/17

Foto de: LAT Images

Lotus 72C 1970 detailed overview

Lotus 72C 1970 detailed overview
4/17

Foto de: Giorgio Piola

Jackie Stewart, Tyrrell 001-Ford, in the pits

Jackie Stewart, Tyrrell 001-Ford, in the pits
5/17

Foto de: LAT Images

Carlos Pace, Frank Williams March 711, gives a lift to Ronnie Peterson, March Ford

Carlos Pace, Frank Williams March 711, gives a lift to Ronnie Peterson, March Ford
6/17

Foto de: David Phipps

Andrea de Adamich and John Surtees, Surtees TS9B and Rob Walker

Andrea de Adamich and John Surtees, Surtees TS9B and Rob Walker
7/17

Foto de: Sutton Motorsport Images

Chris Amon, Tyrrell 005 Ford

Chris Amon, Tyrrell 005 Ford
8/17

Foto de: Sutton Motorsport Images

Vittorio Brambilla, March 741 Ford, in the pits

Vittorio Brambilla, March 741 Ford, in the pits
9/17

Foto de: David Phipps

Ronnie Peterson, Lotus 72E

Ronnie Peterson, Lotus 72E
10/17

Foto de: LAT Images

Henri Pescarolo, Surtees TS19 Ford

Henri Pescarolo, Surtees TS19 Ford
11/17

Foto de: Rainer W. Schlegelmilch

Clay Regazzoni, Ensign N177 Ford

Clay Regazzoni, Ensign N177 Ford
12/17

Foto de: LAT Images

Vittorio Brambilla, Surtees TS20 Ford

Vittorio Brambilla, Surtees TS20 Ford
13/17

Foto de: Ercole Colombo

Patrick Tambay, McLaren M29 Ford

Patrick Tambay, McLaren M29 Ford
14/17

Foto de: LAT Images

Jean-Pierre Jarier, Tyrrell 010 Ford

Jean-Pierre Jarier, Tyrrell 010 Ford
15/17

Foto de: Rainer W. Schlegelmilch

Niki Lauda, McLaren MP4-1B Ford

Niki Lauda, McLaren MP4-1B Ford
16/17

Foto de: LAT Images

Nigel Mansell, Lotus 92

Nigel Mansell, Lotus 92
17/17

Foto de: Sutton Motorsport Images

Engenheiro brasileiro de Raikkonen afirma: "Teria 8 títulos se corresse 20 anos antes"

PODCAST: A Williams tem salvação?

 

VÍDEO: Lucas di Grassi revela detalhes dos bastidores de F1, rivalidade com Nelsinho, F-E e Le Mans

Artigo anterior

VÍDEO: Lucas di Grassi revela detalhes dos bastidores de F1, rivalidade com Nelsinho, F-E e Le Mans

Próximo artigo

Ex-companheiro de Hamilton revela aposta que mostrou alto nível de inglês

Ex-companheiro de Hamilton revela aposta que mostrou alto nível de inglês
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Matt Somerfield