ANÁLISE: Dados mostram Ferrari equilibrada e Red Bull lenta no GP da Austrália de F1

A Ferrari mostrou um desempenho equilibrado durante toda a volta em Melbourne, enquanto a Red Bull terminou a sexta-feira procurando o acerto ideal para o resto do fim de semana no GP da Austrália

Charles Leclerc, Ferrari SF-24, George Russell, Mercedes F1 W15, Esteban Ocon, Alpine A524

Simon Galloway / Motorsport Images

Charles Leclerc terminou na liderança do segundo treino livre do GP da Austrália de Fórmula 1 com uma vantagem de quase quatro décimos sobre o outro grande favorito do fim de semana, Max Verstappen, que pareceu ter mais dificuldade em encontrar a configuração no final de uma sexta-feira que não foi tranquila.

O SF-24 pareceu competitivo e equilibrado desde o início do dia, o que levou Leclerc a observar que a Ferrari está em uma posição melhor do que nas duas primeiras corridas.

Leia também:

A pista australiana é uma pista que foi transformada ao longo dos anos com a adição de elementos que a tornaram um circuito bastante complexo, com uma mistura de curvas lentas, rápidas e de ritmo médio.

Além disso, há dois outros elementos peculiares: os meios-fios bastante altos, que devem ser explorados na luta contra o cronômetro, e um vento forte que pode comprometer o equilíbrio em alguns pontos críticos, dependendo da direção.

Charles Leclerc, Ferrari SF-24

Charles Leclerc, Ferrari SF-24

Foto de: Simon Galloway / Motorsport Images

No entanto, como nas duas primeiras etapas do campeonato, uma certa tendência continua a ser observada em Melbourne em termos dos pontos fortes e fracos de cada carro. Por exemplo, o SF-24 continua a ser um monoposto consistente, especialmente nas curvas de média velocidade, que não faltam em uma pista como a australiana.

Mesmo nos trechos mais rápidos, o carro não decepciona em termos absolutos, como já foi observado em Jeddah, mas uma das principais diferenças é que aqui, pelo menos na sexta-feira, a desvantagem nas retas parece muito pequena, mesmo com o DRS aberto.

De fato, tanto na reta principal quanto na reta entre o segundo e o terceiro setores, o RB20 e o SF-24 apresentaram velocidades máximas muito semelhantes.

Em contraste com o que foi apresentado nos dois primeiros GPs, as equipes equipadas com os motores da Mercedes não exploraram mapeamentos mais agressivos, tanto que apresentaram velocidades máximas mais baixas nos trechos do que as duas equipes de referência.

Nesse ponto, é justo perguntar, já que não há grandes diferenças nas retas, de onde vêm os quase 4 décimos infligidos por Leclerc a Verstappen.

O primeiro aspecto de comparação pode ser notado na curva 1, onde muitas vezes houve vento durante o dia, o que claramente tira a estabilidade dos pilotos tanto na frenagem quanto na entrada da pista, dando uma sensação de menos confiança ao volante.

Além disso, esse é um dos pontos em que é mais perceptível a tendência de sofrer com a subviragem [understeer], especialmente no meio das curvas, onde, de fato, tanto o holandês quanto Sergio Pérez mostraram alguns sinais de dificuldade, sacrificando a fase de entrada em favor de uma saída melhor.

Pelo contrário, a Ferrari conseguiu trazer mais velocidade para o centro das curvas, mesmo que isso penalizasse um pouco a fase de tração, onde a Red Bull conseguiu ser um pouco mais eficaz. Durante a sessão, os engenheiros da Ferrari deram muita atenção a esse último aspecto e, especialmente com Leclerc, tentaram otimizar o ponto de frenagem para encontrar um bom equilíbrio entre a entrada e a saída.

Confronto telemetrico tra Leclerc e Verstappen - FP2 Australia

Comparação de telemetria entre Leclerc e Verstappen - FP2 Austrália

Foto de: Gianluca D'Alessandro

No entanto, um dos trechos mais interessantes é o que encerra o TL1, porque dá a oportunidade de expandir o raciocínio por trás dos experimentos da Red Bull, especialmente com Pérez, já que o dia de Verstappen foi um pouco afetado pelos danos na parte inferior que ele sofreu no TL1.

Inicialmente, ambos os pilotos reclamaram de dificuldade em curvas de alta velocidade, então os engenheiros intervieram tentando fazer algumas mudanças significativas em termos de configuração. Isso, no entanto, mudou as características do carro, que passou a ter um bom desempenho nas seções mais rápidas em detrimento das áreas mais lentas.

A falta de aderência nas seções mais lentas, bem como os problemas de precisão no eixo dianteiro, pesaram negativamente na sequência: na curva 3, Leclerc mais uma vez conseguiu ser mais incisivo em termos de frenagem e velocidade, enquanto Verstappen foi forçado a uma linha menos agressiva.

Esse é um tema para se ter em mente no restante da volta, porque não ocorre apenas no primeiro setor, mas também na última seção intermediária, mais especificamente na parte final, onde os pilotos começaram a sentir a queda da aderência dianteira esquerda.

Foi justamente no lado esquerdo que os pilotos das várias equipes tiveram mais dificuldade, não apenas em termos de degradação pura, mas também de granulação, porque com pneus tão macios, uma gama mais macia do que no ano passado, a Pirelli esperava que esse fenômeno ocorresse.

Na verdade, não foi por acaso que as equipes optaram por manter conjuntos de pneus duros para a corrida, pois esse é um composto menos propenso à granulação.

Há equipes que apresentaram problemas mais pronunciados na dianteira, enquanto outras sofreram na traseira, especialmente durante corridas longas, portanto, também será interessante ver qual eixo elas tentarão proteger antes da corrida.

No caso da Red Bull, no momento, as maiores dificuldades parecem estar na dianteira, com uma traseira mais firme. Observando as referências de telemetria, há uma tendência por parte da Ferrari de forçar a entrada e a primeira fase da corrida, sacrificando um pouco a saída.

A única seção em que há uma vantagem mais consistente por parte do RB20 é a seção mais rápida da pista, ou seja, a mudança de direção que consiste nas curvas 9 e 10, aliás, aquela em que Verstappen danificou a parte inferior e parte do chassi de seu carro, tanto que foi forçado a ficar de fora dos primeiros vinte minutos do TL2. Essas seções de alta velocidade com rápidas mudanças de direção, onde é necessária grande estabilidade, tendem a ser um dos pontos fortes do RB20, como já foi visto em Sakhir e Jeddah.

Max Verstappen, Red Bull Racing RB20

Max Verstappen, Red Bull Racing RB20

Foto de: Sam Bloxham / Motorsport Images

Será preciso observar quando os pilotos chegarem ao limite, mas na sexta-feira o holandês conseguiu administrar bem com o acelerador reduzido: isso não só lhe deu uma vantagem nas curvas, mas também na primeira fase do trecho subsequente.

O cenário é diferente quando você começa a perder velocidade e é um giro "seco", em que a entrada inicial conta mais: nesse caso, como na curva 12, a Ferrari mostrou algo mais. Há um certo entusiasmo na equipe italiana, dados os sinais não apenas na volta seca, mas também no ritmo de corrida, onde a Red Bull, no entanto, tem menos referências disponíveis.

A Pirelli espera que, com a escolha mais agressiva dos pneus este ano, possa haver alguma diferença na estratégia, talvez com uma corrida mais focada no gerenciamento dos pneus, de uma maneira diferente da dos últimos anos, quando, com compostos mais duros, havia mais liberdade e flexibilidade.

A Ferrari não mostrou nenhum sofrimento especial em termos de granulação no longo prazo (embora não tenha sido particularmente longo) e isso é um sinal positivo para a equipe.

Por outro lado, há uma Red Bull que, neste primeiro dia, pareceu imperfeita, especialmente do ponto de vista da configuração: não é a primeira vez que a equipe de Milton Keynes dá um salto de sexta-feira para sábado, mas, nesta ocasião, precisará do trabalho noturno para colocar em prática uma configuração que não é ideal por enquanto.

Igualmente interessante foi o desafio por trás deles, no qual os padrões vistos anteriormente se repetiram. Quanto mais a velocidade aumenta, mais competitiva a McLaren consegue ser.

É a situação oposta para a Mercedes que está lutando com experimentos, competitiva nas seções lentas, mas com dificuldades onde a carga é mais importante, enquanto a Aston Martin parece mais uma vez estar em algum lugar no meio, pronta mais uma vez para jogar suas chances na volta seca.

ALPINE PODE VENDER EQUIPE E COMPRADOR JÁ É COTADO

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Podcast: Verstappen fora da Red Bull? Drugo tem chances em 2025?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1 - Leclerc: Ferrari tem "a melhor chance" de vencer a Red Bull em 2024
Próximo artigo F1: Horários, previsão do tempo e como assistir ao sábado de quali para o GP da Austrália

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil