ANÁLISE F1: O que desencadeou a 'dança das cadeiras' dos chefes de equipe?

Categoria acostumada a ver grande movimentação entre pilotos, se depara com extensa mudança no comando das escuderias

Andreas Seidl, Team Principal, McLaren, Frederic Vasseur, Team Principal, Alfa Romeo Racing, Guenther Steiner, Team Principal, Haas F1, in the team principals Press Conference

Basta ver como a decisão de Sebastian Vettel de se aposentar, anunciada antes das férias de verão da Fórmula 1, que desencadeou com Fernando Alonso na Aston Martin, Pierre Gasly na Alpine e Nyck de Vries na AlphaTauri (isso ignorando a 'travessura' de Oscar Piastri na McLaren).

Leia também:

 

O que é muito mais raro, é esse tipo de movimentação maluca envolver os chefes de equipes da categoria como aconteceu nesta semana.

Embora o movimento do alto escalão não seja incomum na F1 - como mostrou a mudança de Otmar Szafnauer da Aston Martin para a Alpine no inverno passado - o fato de quatro equipes terem novos chefes de equipe na próxima temporada é bastante extremo.

Na verdade, é difícil lembrar de um dia tão louco como este, onde a Ferrari confirmando Fred Vasseur como novo chefe de equipe foi ofuscada pelo fato da McLaren perder Andreas Seidl promovendo Andrea Stella como substituto.

Embora as mudanças desta semana na Ferrari, Alfa Romeo, McLaren e Williams sejam consequência de circunstâncias ligeiramente diferentes, há um tema comum que os une: é que na era do limite de custos da F1, a responsabilidade é do chefe da equipe como nunca antes tinha sido.

Houve um tempo, até mesmo alguns anos atrás, em que uma das principais funções dos diretores de equipe era ir ao conselho da empresa ou ao fabricante do 'carro-mãe' e tentar extrair o financiamento necessário para realizar o trabalho adequado. 

E, se o desejo era subir no grid, contornar uma possível queda ou resolver um erro no conceito de um carro, então a melhor maneira de resolver as coisas era pedir outro cheque para que uma equipe pudesse gastar o necessário para conseguir seguir seu caminho para um melhor desempenho.

Press Conference Frederic Vasseur, Team Principal, Alfa Romeo Racing

Press Conference Frederic Vasseur, Team Principal, Alfa Romeo Racing

Photo by: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Esses dias já se foram há muito tempo. Com o limite orçamentário em vigor, a Fórmula 1 não é mais uma competição de gastos, onde os erros podem ser cobertos com dinheiro extra. Em vez disso, o que importa agora é ser eficiente, disciplinado, ter um plano adequado e, acima de tudo, ser inteligente.

Orçamentos finitos, que são iguais para cima e para baixo no grid, significam que também não há mais como se esconder atrás da desculpa de que os rivais só estão se saindo melhor porque têm orçamentos maiores. Todos agora têm o mesmo. Então estrague tudo e séra apenas sua própria culpa.

Na F1 contemporânea, os chefes de equipe têm mais responsabilidade do que nunca em determinar se as ambições na pista foram ou não alcançadas.

No caso de Jost Capito, a Williams não cumpriu o progresso que o proprietário Dorilton Capital havia previsto na era das novas regras da categoria, então foi tomada a decisão de não continuar com ele e seu diretor de tecnologia FX Demaison.

Para Mattia Binotto, sua renúncia ocorreu depois que o presidente da Ferrari, John Elkann, e o CEO Benedetto Vigna perderam a fé nele porque acreditavam que Maranello não havia entregado tudo o que deveria ter sido capaz durante a temporada de 2022.

A tendência da Ferrari em ir para Vasseur, e Sauber em atrair Seidl como seu novo CEO, é ir para figuras de gerenciamento sênior que entendem bem o que é melhor necessário com essa mentalidade de limite de custo.

Hoje em dia, o desempenho não vem de uma atualização da asa dianteira em todas as corridas, porque o dinheiro simplesmente não existe sob o teto orçamentário apertado para permitir que isso aconteça. Em vez disso, o progresso é fazer melhor em áreas onde os ganhos efetivamente devem vir de graça.

Você precisa saber onde os níveis de compromisso e material humano devem ser melhor focados para que haja o máximo de retorno de cada membro da organização.

Andrea Stella, F1 Team Principal McLaren, Zak Brown, CEO, McLaren Racing

Andrea Stella, F1 Team Principal McLaren, Zak Brown, CEO, McLaren Racing

Photo by: McLaren

Você precisa entender completamente a regra e as isenções para garantir que qualquer gasto seja 100% voltado para o desempenho do carro e não seja desperdiçado. Também precisa garantir que tem o melhor de tudo em todos os níveis - desde o designer que apresenta os conceitos do carro na tela do computador até a equipe de box que troca as rodas no GP de domingo.

A cada passo do caminho, cada um precisa puxar seu peso, pois não há mais redundância no sistema para encobrir as fragilidades. É por isso que os chefes de equipe também precisam ser motivadores e ajudar a impulsionar suas tropas. Eles precisam garantir que sua força de trabalho acredite totalmente no que estão fazendo e na jornada em que estão sendo conduzidos.

A chave agora também é o tempo de atualizações para encontrar o 'timing'. Você não quer ficar muito quente com suas atualizações no início da temporada para depois deixá-lo sem nada mais tarde, quando o dinheiro acabar. Da mesma forma, entre começar muito frio e deixar os desenvolvimentos para a última fase da temporada e correr o risco de ficar para trás.

Em vez disso, você precisa acertar as coisas. Todos esses elementos são algo que apenas um chefe de equipe astuto e experiente, que conhece o sistema, o viveu e o respirou, pode esperar obter imediatamente.

Andreas Seidl, Team Principal, McLaren, in the team principals Press Conference

Andreas Seidl, Team Principal, McLaren, in the team principals Press Conference

Photo by: FIA Pool

Provavelmente não é uma coincidência que, no final do ano passado, a McLaren sob Seidl abriu uma campanha de recrutamento porque sabia que havia áreas de gastos que poderiam melhorar agora que sabia como as coisas funcionavam melhor sob o teto de custo.

Como disse Seidl no GP de Abu Dhabi: "É por isso que trabalhamos muito junto com o departamento financeiro, sabendo que também estamos trabalhando em um ambiente de limite de custos, para encontrar sinergias e eficiências dentro da atual maneira de fazer F1.

“Isso nos permitiu começar agora, há cerca de dois meses, uma campanha bastante significativa de contratação de mais engenheiros para simplesmente termos mais pessoas disponíveis, para podermos, no futuro, fazer as coisas mais em paralelo."

É essa mudança de abordagem imposta pelo limite de custos, a necessidade de mãos experientes, firmes e inteligentes que possam entregar resultado que colocou os diretores de equipe sob os holofotes como nunca antes.

Essa influência adicional traz consigo uma responsabilidade extra, o que significa glória extra quando as coisas dão certo, mas significa que agora você está na linha de fogo quando elas não dão.

VÍDEO: Ricciardo será sombra para Pérez na Red Bull?

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast: 'era Verstappen' tem prazo de validade na F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Gasly visita sede da Alpine pela primeira vez
Próximo artigo F1: Por que Vasseur é o homem certo para liderar renascimento da Ferrari?

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil