Análise

F1: Por que Vasseur é o homem certo para liderar renascimento da Ferrari?

Estilo diferente de antecessores pode fazer com que equipe italiana encare seus problemas de frente e cresça

Frédéric Vasseur, Ferrari

A confirmação da Ferrari de que Frederic Vasseur se tornará seu novo chefe da Fórmula 1 marca uma grande mudança no topo da Scuderia, encerrando semanas de especulação.

Desde que surgiram relatos nos dias que antecederam o final da temporada de Abu Dhabi de que Mattia Binotto estava de saída em Maranello, Vasseur havia sido identificado como o homem para substituí-lo.

Leia também:

Isso marca o maior desafio da longa e bem-sucedida carreira de Vasseur no automobilismo. Ele agora enfrentará as pressões não apenas de um time, mas de uma nação. Em que Stefano Domenicali, Marco Mattiacci, Maurizio Arrivabene e Binotto falharam, Vasseur agora deve ter sucesso ao encerrar a seca do campeonato da Ferrari.

E ele é exatamente o homem certo para o trabalho.

Vasseur entrará em uma equipe que está lidando com uma grande mistura de emoções na temporada de 2022. Embora tenha sido uma oportunidade perdida de lutar contra a Red Bull pelo campeonato, marcou um verdadeiro retorno à competitividade novamente.

A primeira vitória em dois anos e meio, além de um carro básico sólido, deu um bom otimismo para o futuro.

O comentário do CEO da Ferrari, Benedetto Vigna, em entrevista à CNBC, de que "não estava satisfeito com o segundo lugar, porque o segundo é o primeiro dos perdedores" pareceu subestimar o progresso feito este ano. Claro, o ano não deu à Ferrari o que ela queria, mas ainda assim foi sua melhor campanha desde 2018.

Isso significava que a separação com Binotto não era isenta de grandes riscos. A Ferrari não apenas perdeu seu chefe de equipe, mas também perdeu seu diretor técnico - Binotto nunca foi substituído quando assumiu o cargo de chefe. Ao contrário de suas mudanças anteriores no cargo de chefe da equipe, também não havia um sucessor claro interno, levando a Ferrari a procurar em outro lugar e acabar com Vasseur.

Mattia Binotto, Team Principal, Ferrari

Mattia Binotto, Team Principal, Ferrari

Photo by: Ferrari

O tempo que levará naturalmente para acelerar e entender o funcionamento da máquina da Ferrari, a mais complexa da F1, torna um grande desafio acertar as coisas na primeira vez em 2023.

A mentalidade que a Ferrari precisa

Vasseur é muito realista. Ele não vai entrar na Ferrari esperando estalar os dedos e torná-la um sucesso desde o início, mas haverá uma noção clara de como ele quer e não quer que as coisas funcionem.

Um sinal disso veio quando ele chegou à Sauber como chefe de equipe em 2017. Uma hora depois de começar o trabalho, ele já havia cancelado o contrato de motor planejado com a Honda para 2018, tão confiante que estava na direção errada para seguir.

Ser tão clínico pode ser uma proposta diferente dentro de uma equipe do tamanho e escala da Ferrari em comparação com o que Vasseur dirigiu na Sauber. Ainda assim, ele deu a volta por cima ao time, terminando com seu melhor resultado sob sua liderança do sexto lugar no campeonato deste ano. O momento da equipe tem sido muito positivo, e muito disso se deve à influência de Vasseur.

Ele resumiu muito bem sua abordagem em uma entrevista de final de temporada para o Motorsport.com, realizada antes que surgissem as primeiras sugestões de mudança para a Ferrari.

"Meu trabalho no final não é prestar tanta atenção aos pontos positivos", disse Vasseur. "É para tentar entender onde erramos e tentar melhorar!"

Ele riu de sua própria honestidade - ele trará humor que talvez tenha faltado às vezes com a Ferrari - mas mostra o tipo de pessoa que ele é. Há uma dedicação e desejo de melhorar, não se envolver muito com o sucesso.

Frederic Vasseur, Alfa Romeo

Frederic Vasseur, Alfa Romeo

Photo by: Erik Junius

Essa abordagem direta é algo que deve servir bem à Ferrari no futuro. Em alguns pontos em 2022, quando erros viram vitórias escapar ou causar frustração, muitas vezes parecia que as coisas estavam sendo desviadas; a narrativa foi invertida de que não havia grandes questões a serem resolvidas e que os erros estavam sendo superestimados. A Ferrari pode ser mais visada do que qualquer outra equipe, mas isso não significa que não seja justificado.

Uma abordagem que se encaixa com Leclerc

A história de Vasseur com Charles Leclerc também é algo que não pode ser esquecido. Leclerc correu para a ART Grand Prix, a equipe júnior que Vasseur co-fundou, a caminho dos títulos da GP3 e da Fórmula 2. Ele então se juntou à Sauber para sua temporada de estreia na F1 em 2018, apresentando desempenhos que deram à Ferrari todas as evidências necessárias para lhe dar uma vaga no ano seguinte.

Leclerc rebateu uma pergunta na sexta-feira na coletiva de imprensa da FIA sobre quem seria sua preferência, dizendo: “Não, e não vou comentar sobre isso”. Ele simplesmente disse que a identidade do próximo chefe da equipe era responsabilidade de Vigna e o presidente da Ferrari, John Elkann, mas que ele antecipou uma transição suave de qualquer maneira.

O Motorsport.com colocou o nome de Vasseur para Leclerc, perguntando sobre sua adequação para o trabalho, ao que Leclerc observou que a Ferrari era "uma equipe muito diferente de qualquer outra". Mas ele falou calorosamente sobre o relacionamento deles.

"Trabalho com Fred desde as categorias de base, ele acredita em mim, e sempre tivemos um bom relacionamento", disse Leclerc. "Mas fora isso, obviamente, isso não deve influenciar nenhuma das decisões. Ele sempre foi muito direto, muito honesto. E isso é algo que eu gostei de Fred."

Como disse Leclerc, fazer as coisas funcionarem com a Ferrari é um desafio muito diferente de qualquer outra equipe na F1, o que significa que não há garantia de que as coisas funcionem bem novamente com Vasseur, como fizeram na ART ou na Sauber. Mas ainda é encorajador para a Ferrari que sua jovem estrela, a grande esperança de seu futuro na F1, se encaixe bem com o novo homem que está chegando.

Charles Leclerc, Ferrari, and Frederic Vasseur, Team Principal, Alfa Romeo Racing

Charles Leclerc, Ferrari, and Frederic Vasseur, Team Principal, Alfa Romeo Racing

Photo by: Jerry Andre / Motorsport Images

Abraçando o desafio

A Ferrari será a terceira equipe que Vasseur lidera na F1. Ele teve uma breve passagem pela Renault em 2016 antes de se afastar, sentindo que sua visão para a equipe não se encaixava na do diretor administrativo Cyril Abiteboul. “Tive alguns problemas para me encaixar no sistema”, disse Vasseur em 2018, insistindo que não havia arrependimentos ou ressentimentos.

"É muito melhor para mim sair e parar porque tenho outros projetos na minha vida. E parei."

Vasseur estava feliz com a pausa - até que ele sentiu coceira nos pés depois de alguns meses, e surgiu a chance de se juntar à Sauber. Ele ficou impressionado com os planos para o futuro e como se encaixaria neles, dizendo que era "muito mais adequado às minhas expectativas e aos projetos que tinha no início da carreira".

Estar no comando da equipe de F1 da Ferrari não é algo que você possa moldar ou ajustar para se adequar ao que deseja. No entanto, para Vasseur deixar a Sauber, uma equipe que ele mudou a ponto de a Audi chegar em 2026, aponta para a confiança que ele deve ter para fazê-la funcionar.

É um desafio que Vasseur irá abraçar. Mas a realidade só está definida para entrar em ação quando as coisas ficarem difíceis. Como Toto Wolff - que sempre teve um relacionamento muito bom com Vasseur, apresentando uma dinâmica política fascinante - disse recentemente no podcast Beyond the Grid da F1: “Representando a Ferrari, você está representando o país inteiro, te colocam para cima ou para baixo, mas com brutalidade."

A brutalidade será algo que Vasseur nunca enfrentou. Mas se alguém pode lidar com isso, lidando com as pressões de uma nação ansiosa, uma base de fãs feroz, é ele.

VÍDEO: Ricciardo será sombra para Pérez na Red Bull?

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast: 'era Verstappen' tem prazo de validade na F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior ANÁLISE F1: O que desencadeou a 'dança das cadeiras' dos chefes de equipe?
Próximo artigo Com Williams e Alfa Romeo na 'caça', veja mercado de chefes de equipe da F1

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil