Fórmula 1 GP de Miami

ANÁLISE F1: Qual era o problema com o asfalto do GP de Miami?

Situação poderia ter sido melhorada se houvesse mais eventos de apoio, avalia Mario Isola, chefe da Pirelli na F1

Sir Lewis Hamilton, Mercedes F1 W14, locks up

O primeiro GP de Miami da Fórmula 1 em 2022 foi ofuscado por reclamações sobre o asfalto da pista de baixa aderência.

Tamanha foi a determinação de resolver as coisas para este ano que os chefes da F1 de Miami contrataram a famosa empresa de design de pistas Tilke para reformar o local do Hard Rock Stadium.

No entanto, quando a F1 voltou à pista norte-americana, as mesmas reclamações retornaram.

Leia também:

Sergio Pérez relatou que a aderência estava muito baixa na sexta-feira, enquanto vários pilotos tiveram dificuldades com a sujeira quando se afastavam apenas alguns centímetros da linha.

O piloto da Mercedes, George Russell, disse após a classificação que sentiu que não houve nenhum avanço na situação da pista.

"Para mim, não houve melhora em relação ao ano passado", disse ele. "Portanto, ultrapassar será realmente desafiador."

A Pirelli, fornecedora de pneus da F1, talvez esteja em melhor posição para julgar a interação entre o asfalto da pista e as borrachas, com seu chefe na categoria, Mario Isola, explicando o que encontrou neste fim de semana.

A Pirelli realiza uma análise detalhada de todos os circuitos na quarta-feira antes de cada fim de semana e sua conclusão inicial foi que os níveis de aderência na linha de corrida não eram tão ruins.

“Se falarmos sobre a rugosidade que medimos, descobrimos que a microrrugosidade é muito menor”, disse ele.

“No ano passado foi completamente diferente de qualquer outro circuito, muito, muito mais alto, e a rugosidade macro aumentou um pouco."

“Então, esperávamos um nível de aderência semelhante ao do ano passado. A aderência estava baixa, mas mais ou menos de acordo com a expectativa.”

George Russell, Mercedes F1 W14

George Russell, Mercedes F1 W14

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

No entanto, a realidade da aderência dos pneus é que além das estimativas de aderência mecânica que vêm da natureza das pedras utilizadas, existe também uma aderência adesiva que precisa ser levada em consideração.

Isso está relacionado com a forma como os produtos químicos dos pneus reagem à superfície – o que em novos circuitos pode ser ruim porque o betume usado para assentar o asfalto geralmente resulta em óleo chegando ao topo.

Esses óleos não oferecem nem de longe a mesma quantidade de aderência que as pedras brutas.

No entanto, essa falta de aderência pode melhorar rapidamente à medida que os carros que circulam pela pista se livram dessa camada superficial - o que aconteceu em Miami de sexta a sábado.

“A aderência aumentou cerca de 10% e isso era esperado”, disse Isola.

No entanto, o aumento da aderência trouxe seu próprio problema porque a melhora foi apenas na linha de corrida – e isso fez com que o contraste fosse maior.

“O ponto é que eles limparam a linha de corrida, a aderência aumentou na linha de corrida, mas não fora da linha”, acrescentou Isola.

“Assim que você está um pouco fora da linha de corrida, ela se torna rápida e difícil de controlar. Está empoeirado e o nível de aderência não é tão bom."

“Acredito que essa seja provavelmente a razão pela qual vimos alguns erros e vimos alguns pilotos tendo dificuldades  para controlar o carro.”

Incidentes como Charles Leclerc sofreu, onde pequenos erros que forçam os pilotos a sair da linha de corrida, foram consequência disso.

Problema de jateamento de água

As coisas poderiam ter sido melhoradas, avalia Isola, se houvesse mais eventos de apoio e se a pista tivesse sido melhor limpa antes do fim de semana.

Charles Leclerc, Ferrari SF-23

Charles Leclerc, Ferrari SF-23

Photo by: Alexander Trienitz / Motorsport Images

Isso foi algo com que Russell concordou.

“De um modo geral, os projetistas de pistas ou quem faz os circuitos fazem um trabalho realmente excepcional quando revezam o asfalto. Quando vamos para Melbourne, Jeddah, até Baku, aderência muito alta, muita aderência fora da linha também. Cria boas corridas e boa confiança do piloto."

“Acho que tivemos uma experiência ruim aqui no ano passado por sermos muito agressivos com o jateamento. Mas agora acho que foi para o outro lado e o resultado é o mesmo.”

Isola explicou que os circuitos de jateamento de água trazem benefícios em termos de aderência porque remove a camada superior de betume.

“Nos últimos dois anos, quando eles decidiram repavimentar os circuitos, eles estavam usando esse tratamento de jateamento com água de alta pressão”, disse ele.

“O principal mecanismo é que essa água em alta pressão está removendo a camada superior do betume. Então, é como um envelhecimento artificial acelerado. Isso expõe a pedra para ter uma aderência mecânica adequada, mas não aconteceu aqui. Eles estavam lavando a pista... e estava muito ameno.”

Falando ao Motorsport.com na manhã de domingo, o chefe do GP de Miami, Tom Garfinkel, explicou que o circuito evitou o jateamento de água por causa dos problemas que ocorreram no ano passado - quando retirou muito do betume.

“Acho que o ano passado pode ter removido muito do topo e acho que isso foi parte do nosso problema”, disse ele. “Então, temos feito uma limpeza profunda com escovas. Não estamos apenas estragando a pista."

“Talvez parte do desafio seja que só tivemos uma série de suporte, então não há borracha suficiente para descer. Digo, brincando, que adoraria ver os pilotos fora de linha durante os treinos, colocar um pouco de borracha na linha secundária."

Esteban Ocon, Alpine A523

Esteban Ocon, Alpine A523

Photo by: Alexander Trienitz

“Você viu desde os treinos até a classificação como a pista mudou e ficou substancialmente mais rápida, e acho que isso vai acontecer hoje durante a corrida. A pista vai mudar muito desde o início da corrida até o final da corrida, mas será limpa. Só acho que está muito mais limpo do que no ano passado."

Como outros locais que foram recentemente ressurgidos, ele evoluirá com o tempo – o que deve significar que, no GP de Miami de 2024, ele estará muito mais integrado.

Isola acrescentou: “Vai envelhecer devido às condições meteorológicas, com chuva e sol. Se você tivesse um circuito adequado onde eles correm todos os domingos, haveria um envelhecimento muito maior do asfalto, mas ainda vai melhorar.”

Embora as coisas possam não parecer muito melhores desta vez, o próximo ano pode ser uma história totalmente diferente.

Podcast #228 - Reclamações de Verstappen em Baku mostram que bicampeão 'sentiu o golpe'?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Conheça "The Formula", canção de will.i.am e Lil Wayne feita para o GP de Miami
Próximo artigo F1 - Verstappen não liga para vaias em Miami: "É normal, as pessoas não gostam de quem está vencendo"

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil