Análise: filme de Schumacher na Netflix exibe dois lados de astro da F1

Novo documentário sobre heptacampeão mundial oferece retrato íntimo de piloto. Jonathan Noble analisa o filme

Análise: filme de Schumacher na Netflix exibe dois lados de astro da F1

Aviso: esta análise contém spoilers

Quando Sebastian Vettel disse recentemente que estava ansioso para ver o novo documentário do Michael Schumacher na Netflix, contando coisas que ele não sabia, foi fácil pensar que ele poderia ficar desapontado.

Pois, em um mundo em que quase tudo o que o heptacampeão mundial fez estava sob os holofotes das câmeras de TV e da mídia, você poderia imaginar que não há muito o que aprender com sua vida e carreira.

Leia também:

Mas durante as quase duas horas do filme, que foi elaborado com a bênção da família Schumacher, é quase impossível não sair dele com um sentimento de percepções alteradas sobre um dos maiores ícones da Fórmula 1.

O filme de Schumacher mostra muito mais a personalidade e o homem por baixo do capacete, oferecendo uma visão rara de como ele era quando estava longe do pitlane e do paddock .

Na verdade, o filme expõe os dois lados verdadeiros da vida de Schumacher.

De um lado, está a história do superstar do esporte global que mudou o curso da F1 ao ser fundamental para a ressurreição da Ferrari.

Então, do outro lado, está o homem de família Schumacher, que deu tudo de si pela esposa Corinna e pelos filhos Mick e Gina-Maria. E quando seu capítulo final na carreira na F1 se desenrolou com a Mercedes, esse foi o passo definitivo que o afastou de sua primeira paixão.

Como a assessora, Sabine Kehm, lembra Schumacher dizendo sobre estar longe de casa em seu último período na Mercedes: "O que estou fazendo aqui? Sinto falta da minha família. Por que estou tão longe? Percebi que não é tão importante quanto antes. Minha família é mais importante agora."

Insights

Para os fãs mais radicais da F1, há muito no documentário para chamar a atenção. Primeiramente, há um respingo decente de ação de corrida nos principais momentos de sua carreira com a Netflix tendo acesso ao acervo da FOM.

Mas, o filme não depende apenas das imagens de corrida. Em vez disso, muitas vezes há uma preferência pela filmagem de bastidores que expõe de uma forma muito mais crua como era Schumacher e com o que ele estava lidando na época.

Inclui o confronto de Ayrton Senna com Schumacher no grid do GP da França de 1992, após ter sido tirado pelo jovem alemão na primeira volta.

Ayrton Senna, McLaren MP4/7A Honda leads Michael Schumacher, Benetton B191B Ford, Jean Alesi, Ferrari F92A and Martin Brundle, Benetton B191B Ford

Ayrton Senna, McLaren MP4/7A Honda leads Michael Schumacher, Benetton B191B Ford, Jean Alesi, Ferrari F92A and Martin Brundle, Benetton B191B Ford

Photo by: Motorsport Images

E também há os momentos antes do pódio de Ímola 1994, quando Schumacher é abordado por seu chefe da Benetton, Flavio Briatore, e informa que Senna não estava bem porque estava em coma.

É em entrevistas para a TV após os eventos de Ímola que podemos ver o impacto bruto que os eventos daquele dia tiveram sobre Schumacher. E eles estão a um mundo de distância do personagem de aço, às vezes distante, que costumava ser retratado nos finais de semana de F1.

Por meio das percepções pessoais de pilotos como Eddie Irvine, David Coulthard e Mark Webber, e dos jornalistas Richard Williams e James Allen, aliados de membros da família Schumacher, a porta se abre muito sobre como Schumacher realmente era.

Você vê a ultracompetitividade que o impulsionou ao longo de sua carreira na F1 desde o início. Um jovem Schumacher explica que escolheu correr por Luxemburgo em vez da Alemanha no Campeonato Mundial Júnior de Kart naquele ano porque a qualificação era mais barata e, se perdesse, não arriscaria sua chance de ir para o Mundial.

Também se repetem os apontamentos para a autoconfiança inata de que ele nunca errou, traço que cercou alguns de seus momentos mais polêmicos.

Ross Brawn revela como foi apenas assistindo a um replay em vídeo da batida com Jacques Villeneuve no GP da Europa de 1997 que Schumacher percebeu que ele era o culpado.

E Coulthard relembra, durante uma sessão de limpeza no ônibus de Bernie Ecclestone após a colisão no GP da Bélgica de 1998, sobre como Schumacher se recusou a aceitar que tinha feito algo errado quando bateu na traseira da McLaren.

Questionado por Coulthard se alguma vez cometeu um erro, Schumacher respondeu: "Não que eu me lembre."

O homem de familia

Grande parte do filme explora como ele se sentia desconfortável com a atenção que recebia por ser um astro da F1. O presidente da FIA, Jean Todt, que se tornou um amigo próximo após os anos que trabalharam juntos na Ferrari, explicou como Schumacher lutou contra a fama.

"Não faça de mim uma estrela", disse-se que ele havia pedido para começar sua carreira na F1.

Ele era alguém muito mais feliz estando com a família, e isso conta tanto para Corinna quanto para as crianças, além daquele feitiço mágico na Ferrari.

Corinna Schumacher congratulates Michael Schumacher, Benetton

Corinna Schumacher congratulates Michael Schumacher, Benetton

Photo by: Motorsport Images

No entanto, são as palavras de Corinna e Mick que talvez sejam as mais comoventes, pois explicam como a vida é tão diferente depois do acidente de esqui que deixou Schumacher com sérios ferimentos na cabeça dos quais ele ainda está se recuperando.

“É claro que sinto falta de Michael todos os dias”, disse Corinna. "Mas não sou só eu que sinto falta dele. Os filhos, a família, seu pai, todos ao seu redor. Quer dizer, todo mundo sente falta de Michael, mas Michael está aqui. Diferente, mas ele está aqui, e isso nos dá força.”

"Estamos juntos. Vivemos juntos em casa. Fazemos terapia. Fazemos tudo que podemos para tornar Michael melhor e para ter certeza de que ele está confortável. E para fazê-lo sentir nossa família, nosso vínculo, E não importa, eu farei tudo que eu puder. Todos nós vamos."

E para Mick, que foi muito circunspecto em público sobre seu pai, a crueza da situação aparece nos momentos finais do filme - quando ele reflete sobre os muitos momentos felizes que teve quando criança com seu pai.

“Desde o acidente é claro que essas vivências, esses momentos, que acredito que muitas pessoas tenham com os pais, não estão mais presentes, ou em menor grau”, explica. "E, na minha opinião, isso é um pouco injusto."

E sobre a possibilidade de poder falar sobre as suas experiências no esporte a motor com o pai, Mick diz simplesmente: "Largaria tudo por isso."

F1: Todt fala sobre o estado de saúde de Michael Schumacher; conheça a verdade por trás do caso

Ouça agora mesmo

 

 

 

 

compartilhar
comentários
Podcast #132: Caótico GP da Itália acirra ainda mais rivalidade Hamilton X Verstappen na F1
Artigo anterior

Podcast #132: Caótico GP da Itália acirra ainda mais rivalidade Hamilton X Verstappen na F1

Próximo artigo

"Verstappen tem muito o que aprender", diz Stewart após batida com Hamilton

"Verstappen tem muito o que aprender", diz Stewart após batida com Hamilton
Carregar comentários