ANÁLISE F1: Por que McLaren está comprometida em fazer Ricciardo ‘dar certo', por enquanto

Mesmo assim, o tempo corre contra piloto australiano, que não pode esperar por uma nova Monza

ANÁLISE F1: Por que McLaren está comprometida em fazer Ricciardo ‘dar certo', por enquanto
Carregar reprodutor de áudio

Como Daniel Ricciardo teve outro fim de semana decepcionante na Fórmula 1 para a McLaren em Mônaco, as comparações com sua situação 12 meses antes eram difíceis de ignorar.

Em 2021, enquanto ele continuava lutando para se atualizar com a nova equipe, Ricciardo foi derrotado pelo companheiro de equipe, Lando Norris. Foi uma exibição gritante do abismo entre eles na época, retratado de forma bastante brutal na temporada mais recente de Drive to Survive.

Leia também:

Naquela época, era sobre Ricciardo se familiarizando com a vida em Woking. Veio Monza, ele revidou enfaticamente seus críticos ao conseguir a primeira vitória da McLaren em quase nove anos, provando que ele “nunca foi embora”, para citar a mensagem de rádio pós-corrida do australiano.

Parecia uma história semelhante com suas lutas desta vez em Mônaco, mas a narrativa parecia ter mudado muito. Ricciardo teve apenas a 14ª posição na classificação e 13ª na corrida para encerrar uma semana que havia sido dominada por conversas sobre seu futuro de uma forma que pouco fez para dissipar as preocupações sobre sua posição. Este não é mais um novo piloto ainda se ajustando à vida em uma nova equipe; é um vencedor de corrida experiente, com desempenho bem abaixo das expectativas.

Os comentários do CEO da McLaren, Zak Brown, no início da semana de corrida de Mônaco, pareceram acender um pouco o fogo de Ricciardo, reconhecendo que ele não estava atendendo às expectativas da equipe. Ricciardo concordou com essa afirmação, enfatizando que ninguém estava mais desapontado com o início deste ano do que ele, mas deixou claro que tinha um contrato de três anos - apenas para Brown revelar que havia "mecanismos" que poderiam levar à sua saída antes do final do negócio em 18 meses.

O desempenho até agora nesta temporada faz pouco para sugerir que Ricciardo está mais adiantado em seu progresso na McLaren do que estava há 12 meses. Em seis corridas, ele marcou pontos apenas uma vez - terminando em sexto na Austrália - além de finalizar em sexto na corrida sprint de Ímola antes do confronto da primeira volta com Carlos Sainz arruinar seu domingo. Norris, por sua vez, tem mais de quatro vezes mais pontos (48-11) e não conseguiu marcar apenas uma vez na abertura do Bahrein, em que ambas as McLarens estavam desastrosamente fora do ritmo.

O chefe de equipe, Andreas Seidl, é sempre pragmático quando se trata de lidar com períodos difíceis. Falando depois de ver Ricciardo sair no Q2 no sábado em Mônaco, ele pediu que a equipe “simplesmente mantenha o foco, continue analisando o que vemos nos dados fim de semana e veja o que podemos fazer no carro para ajudar Daniel com um objetivo claro, para encontrar essas porcentagens perdidas que estão faltando no final”.

“Daniel está comprometido, ele é muito experiente”, acrescentou Seidl. “Estamos empenhados em fazer este trabalho.”

Ricciardo sempre prosperou com total confiança no carro, algo que você precisa particularmente em uma pista como Mônaco. Ele sabe o que é preciso para vencer lá, chegando ao 13º lugar, apesar da chuva oferecer a chance de agitar as coisas com um resultado bastante sombrio. Ele disse depois que “não foi um fim de semana forte”, pois “não fomos rápidos o suficiente para causar um grande impacto em qualquer pessoa ao nosso redor”.

Seidl acrescentou em Mônaco que “também dependia de nós continuarmos desenvolvendo o carro para os dois pilotos”, ajudando a tirar o melhor de Norris e Ricciardo todos os finais de semana. “Não estamos todos felizes se terminarmos em P5, por exemplo, na classificação”, disse Seidl. “Todos nós queremos fazer parte da geração da McLaren para lutar por vitórias novamente e campeonatos.

“Nós simplesmente temos que continuar, em todas as áreas da equipe, na maneira como trabalhamos também com Daniel, e então esperamos continuar dando passos.”

A McLaren pode naturalmente recorrer a parte do trabalho que fez no ano passado para ajudar Ricciardo a se acostumar com o carro e melhorar seu desempenho no final da temporada. No entanto, há, sem dúvida, uma corrida contra o tempo nisso. Se em mais cinco ou seis corridas Ricciardo continuar com dificuldades, ele e a McLaren, sem dúvida, estarão em rota de colisão. Mesmo com um contrato em vigor, a especulação e a distração que ele pode representar é algo que você sempre deseja evitar.

As dificuldades também significam que até os menores detalhes são analisados ​​em detalhes ainda maiores como possíveis sinais de rachaduras em seu relacionamento. Um exemplo veio após o acidente nos treinos de Ricciardo em Mônaco, quando seu engenheiro de corrida, Tom Stallard, perguntou rapidamente “é o carro está OK?”, Ricciardo respondeu: “Erm, estou bem. O carro não.” Stallard então disse que agora viu o carro e entendeu a resposta, mas o clipe foi rapidamente divulgado nas mídias sociais. A decisão de Ricciardo de colocar a sigla 'FEA' - que significa 'f**k 'em all' (fodam-se todos) - em seu capacete também atraiu atenção online, com o australiano explicando mais tarde que era uma mensagem não dirigida a ninguém.

A McLaren queria assinar com Ricciardo em 2018, quando ele deixou a Red Bull para se unir à Renault. A equipe finalmente conseguiu seu homem em 2021 e, embora agora tenha uma vitória graças a ele, não há como disfarçar que as coisas não funcionaram como planejado. Ricciardo deveria ser um catalisador para ajudar a equipe a voltar aos grandes dias na F1; nesta temporada, especialmente, ele ficou muito aquém disso.

Mas a McLaren sabe do que Ricciardo é capaz. Vimos isso em Monza no ano passado, onde ele foi simplesmente imbatível na corrida, mesmo sem Max Verstappen e Lewis Hamilton. O potencial e a fome ainda estão lá, e a McLaren continua comprometida em tirar o melhor dele.

No ano passado, Ricciardo usou as férias de verão como uma chance de recomeçar e voltar mais forte na segunda metade da temporada, algo que ele fez com grande efeito. Desta vez, esperar até que a sequência Spa-Zandvoort-Monza realmente atinja seu ritmo pode ser tarde demais para impedir que o barulho se torne demais e levar a algumas reflexões sobre como será o futuro de Ricciardo.

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #180 – ‘Autossabotagem’ da Ferrari pode fazê-la perder título da F1 em 2022?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Saiba por que Hamilton mudou de capacete durante GP de Mônaco
Artigo anterior

F1: Saiba por que Hamilton mudou de capacete durante GP de Mônaco

Próximo artigo

Band mantém fôlego na audiência de F1; compare números com 2021

Band mantém fôlego na audiência de F1; compare números com 2021