ANÁLISE: Por que o fim de semana da F1 em Miami será um divisor de águas

Evento terá envolvimento recorde de fãs, patrocinadores e mídia

ANÁLISE: Por que o fim de semana da F1 em Miami será um divisor de águas
Carregar reprodutor de áudio

Depois de décadas em que muitos questionaram se a Fórmula 1 se tornaria ou não grande nos Estados Unidos, a confirmação virá em Miami neste fim de semana.

Pela primeira vez desde 1984, a F1 está hospedando dois GPs nos EUA – com Miami se juntando ao calendário ao lado de Austin – e o burburinho em torno do esporte no país talvez nunca tenha sido tão grande.

Leia também:

A emoção está em contraste com os anos passados, quando a F1 lutava para encontrar locais que funcionassem para o esporte e atraíssem o interesse dos fãs.

Agora, especialmente com Las Vegas já marcada para 2023, a F1 está se aproximando do fim de semana de Miami sem muito do ceticismo que obscureceu os novos GPs anteriores.

De fato, o interesse de pilotos, equipes, fãs, mídia, celebridades, patrocinadores e comunidade local deixou a expectativa para o fim de semana em níveis que não são vistos em muitos outros lugares.

Para o CEO da McLaren, Zak Brown, o que Miami vai proporcionar na F1 neste fim de semana é um passo acima de tudo o que ele testemunhou antes.

“Eu nunca vi o nível de envolvimento dos patrocinadores, atividades, pedidos de hospitalidade, pedidos de celebridades em um GP”, disse ele ao Motorsport.com.

“Isso não é apenas nos meus seis anos de McLaren, porque estou no esporte há 20 anos. E me parece muito com o Super Bowl, que é o maior evento do ano.

“Não só todo mundo quer vir ao Super Bowl para ver o evento, mas o show do intervalo, as festas, os eventos fazem parte disso.

“Somos uma das maiores equipes com hospitalidade e tivemos o dobro de pedidos. É o maior programa de hospitalidade que já tivemos.”

Considerando que, no passado, a F1 foi acusada de correr em locais em que o esporte quase não causava agitação na cidade, considerando que um GP está ocorrendo a alguns quilômetros de distância, o oposto será o caso em Miami – já que a F1 parece prestes a assumir o controle da cidade.

Lojas, restaurantes e bares estão entrando no espírito da F1; e locais sob medida já estão aparecendo em toda a cidade, e especialmente na área de South Beach.

A McLaren está montando uma ‘Speedshop’ em um estacionamento de vários andares, ocupando um andar inteiro que contará com exibições de carros e entretenimento durante o fim de semana da F1.

Mas talvez a maior aquisição da cidade esteja sendo planejada pela exchange de criptomoedas e patrocinadora da Mercedes, FTX.

Ela está transformando 165.000 pés quadrados de espaço à beira-mar na South Beath de Miami em um local de entretenimento temático 'Electric Beach' - com shows, exposições, galerias de arte NFT, desfiles de moda e um salão de jogos.

Além disso, também receberá um showcar da Mercedes subindo e descendo a OceanDrive para alguma ação de demonstração em frente aos fãs.

A ênfase está em expandir a influência da F1 e ir além de apenas fazer as pessoas sentarem nas arquibancadas na pista de Miami. Trata-se de criar o tipo de hype dos locais que recebem quando o Super Bowl está na cidade.

Louis Frangella, vice-presidente de parcerias da FTX US, disse ao Motorsport.com: “Há apenas uma certa quantidade de pessoas que podem ir a esta corrida, então, para criar essa atmosfera tipo Super Bowl, você precisa fazer coisas para envolver as pessoas que estão dentro e ao redor da área.

“Estamos trazendo o carro de demonstração da Mercedes para subir e descer na Ocean Drive dois dias seguidos, e algumas dessas pessoas que o veem nunca chegarão tão perto de um carro de F1 em suas vidas.

“Esta será a maior ativação que a FTX já fez e estamos muito empolgados porque combina tudo: arte, cultura, nossa parceria com a Mercedes, criptomoeda e tecnologia. Vai ser algo definitivamente a não perder.”

Para uma grande marca dos EUA como a FTX, que busca expansão pelo mundo, o crescimento da F1 e sua presença em uma cidade como Miami é um divisor de águas.

Avinash Dabir, vice-presidente de desenvolvimento de negócios da FTX US, acha que a abordagem que a F1 está tendo ao adicionar Miami e Las Vegas ao calendário é exatamente o que o esporte precisa para atrair um público ainda maior no futuro. É por isso que o GP de Miami não é o teto do sucesso da F1 nos EUA, mas o começo de algo muito maior.

“O que é emocionante sobre isso é que a corrida está sendo construída desde o início”, disse ele. “Você tem a oportunidade de modernizá-la e tem a oportunidade de atrair um novo público para ela, oferecendo coisas diferentes.

“Acho que a cidade de Miami também tem infraestrutura para apoiá-la. Tem os hotéis, tem os bons restaurantes, tem a praia e é um belo lugar para se estar. Portanto, é uma oferta muito original.

“E acho que Vegas tem muitas dessas mesmas qualidades. Parece muito estratégico na maneira como a F1 está escolhendo seus locais e espero e quero vê-la crescer.”

A sensação entre as próprias equipes é que Miami oferece um bom retrato do trabalho que a Liberty Media está fazendo para impulsionar o esporte de maneiras novas e empolgantes.

Como disse o chefe da equipe Ferrari, Mattia Binotto: “Não é apenas Miami, embora Miami seja um exemplo.

“É tudo o que está acontecendo ao nosso redor em termos de interesse de patrocínio, em termos de novas pistas chegando ao calendário. Então eu acho que é um grande momento. Você pode ver com a Netflix, as comunicações digitais, a transmissão, é tudo bom e positivo.

“Vemos tantas pessoas nas corridas nos fins de semana, e é divertido.”

Para Brown, depois de anos em que a F1 lutou para se firmar nos EUA, o fim de semana de Miami e a forma como o esporte se expandiu marca o início de alguns anos emocionantes pela frente.

“Acho que agora não há dúvidas de que está funcionando”, disse ele sobre a F1 na América.

“Tudo diz que está funcionando bem: temos mais patrocinadores baseados nos EUA do que nunca, nossa base de fãs nos EUA está crescendo rapidamente, nossa lista de celebridades para Miami é diferente de qualquer outra que eu já vi, incluindo Mônaco, que é o próximo que traz muitas celebridades.

“Tudo isso vai continuar construindo esse momento inacreditável que temos. É incrível."

“MINI-MÔNACO” e pista INCOMUM que “PERDOA ERROS”: a MIAMI que a F1 vai encontrar, por ANDRÉ DUEK

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #176 – A ‘americanização’ da F1 vai contra o DNA da categoria?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
Podcast #176 – A ‘americanização’ da F1 vai contra o DNA da categoria?
Artigo anterior

Podcast #176 – A ‘americanização’ da F1 vai contra o DNA da categoria?

Próximo artigo

F1: Ferrari deve trocar motor de Leclerc para Miami, com novo MGU-K

F1: Ferrari deve trocar motor de Leclerc para Miami, com novo MGU-K