ANÁLISE: Por que os comentários ofensivos de Verstappen na F1 ganham passe livre?

compartilhar
comentários
ANÁLISE: Por que os comentários ofensivos de Verstappen na F1 ganham passe livre?
Por:

Piloto holandês utilizou linguagem racista no rádio após acidente com Stroll no TL2 do GP de Portugal

Após seu incidente com Lance Stroll no TL2 do GP de Portugal de Fórmula 1, a escolha da linguagem de Max Verstappen no rádio foi considerada um insulto e ofensiva para vários grupos de pessoas. E, no entanto, ficou visivelmente impune.

Palavras carregam mais do que seus significados definidos pelo dicionário; elas carregam o peso de anos de história, contexto e simbolismo em seu uso. Usamos palavras para comunicar, descrever e - às vezes - ofender, e as palavras que consideramos ofensivas não são apenas para ter um termo para ofender. Em vez disso, elas evoluíram de um ponto de partida histórico e muitas vezes desagradável.

Leia também:

Durante a segunda sessão de treinos livres em Portugal, algumas palavras escolhidas foram ditas na sequência de um confronto entre Max Verstappen e Lance Stroll.

Verstappen, procurando ultrapassar Stroll e presumindo que o piloto canadense faria uma volta lenta, mergulhou por dentro. Stroll, por sua vez, assumiu a linha normal de corrida, já que estava pronto para fazer uma segunda volta a toda velocidade. Os dois colidiram no meio da curvam, enquanto Stroll ficou preso na brita e Verstappen divulgando seu descontentamento no rádio.

"Esse cara é cego, p**?", Começou Verstappen. "O que diabos há de errado com ele? Jesus Cristo”.

Os pais teriam tapado os ouvidos dos filhos na manobra inicial de Verstappen, mas não é nada que a maioria da população não tenha ouvido antes. No entanto, a próxima parte é muito mais abominável e não condiz com um ambiente esportivo - ou mesmo qualquer ambiente.

"Que retardado", continuou Verstappen. "Eu tenho danos. Que mongol. Eu juro".

Marshals remove the car of Lance Stroll, Racing Point RP20, after a collision with Max Verstappen, Red Bull Racing RB16, during FP2

Marshals remove the car of Lance Stroll, Racing Point RP20, after a collision with Max Verstappen, Red Bull Racing RB16, during FP2

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

Não há como diminuir sua importância - esta é uma linguagem que foi exibida publicamente para que todos possam ouvir. "Retardado", é claro, é uma calúnia bem conhecida contra as pessoas com deficiência.

Seu uso da palavra "mongol" também tem conotações raciais, e esta não é a primeira vez que ele o faz. Em 2017, Verstappen foi à TV holandesa para chamar o comissário da FIA Garry Connolly de "mongol", após sua penalidade por limites de pista no GP dos Estados Unidos.

Naquela ocasião, Verstappen ficou mais arrependido e disse "ele não tinha a intenção de machucar ninguém", o que contrasta nitidamente com sua atitude desta vez. Quando questionado sobre o caráter ofensivo da linguagem que usou após o confronto com Stroll, Verstappen respondeu que "não era problema meu”.

Vamos revisar: Verstappen tem sido capaz de usar publicamente uma linguagem racista, sem medo de sanções por parte dos responsáveis. Não houve nenhum pedido de desculpas de Verstappen e o assunto foi varrido para debaixo do tapete, sem qualquer investigação adicional dos envolvidos.

Para antecipar parte da reação das mídias sociais, as pessoas tentarão argumentar que nem "retardado" nem "mongol" são ofensivos. A defesa geralmente segue as linhas de "eu uso essas palavras o tempo todo e as pessoas não ficam ofendidas, então por que isso deveria importar?".

Haverá uma discussão sobre aquele indivíduo sem empatia e, como todos os argumentos de mídias sociais, será improdutivo e não levará a lugar nenhum. Categoricamente: são termos ofensivos.

Uuganaa Ramsay, diretora da Mongol Identity, divulgou uma carta explicando sua decepção com a linguagem de Verstappen no rádio. Ramsay, nascida na Mongólia antes de emigrar para a Escócia, escreveu o livro Mongol - e nele detalha sua vida crescendo na Mongólia e a vida tragicamente curta de seu filho Billy, que nasceu com síndrome de Down antes de morrer com apenas três meses de idade.

"Queremos expressar nossa repulsa e profunda preocupação com o uso do termo 'mongol' como discurso de ódio", escreveu Ramsay.

"Mongol", que tem sido espúria e ofensivamente usado para descrever pessoas nascidas com síndrome de Down, é uma palavra que Ramsay está lutando para 'recuperar' em seu livro e com a Mongol Identity, sua fundação com a qual ela espera poder educar as pessoas sobre os problemas que os mongóis e os mongóis étnicos enfrentam. Em sua carta, Ramsay explica a etimologia do uso de "mongol" como um termo depreciativo.

Max Verstappen, Red Bull Racing

Max Verstappen, Red Bull Racing

Photo by: Sam Bloxham / Motorsport Images

"O termo 'mongoloide', referindo-se a pessoas com síndrome de Down, foi abandonado pela Organização Mundial da Saúde em 1965 porque era e ainda é considerado ofensivo para aqueles de etnia mongol”.

"O Dr. John Langdon Down, que descobriu a síndrome de Down na década de 1860, usou 'mongolismo' e 'mongolóide' para descrever a síndrome, pois afirmou que havia características físicas semelhantes com pessoas da Mongólia e a raça mongoloide (aqueles de etnia asiática)".

Essas percepções de Down baseavam-se amplamente na então popular pseudociência da frenologia, na qual as dimensões do crânio eram consideradas uma medida da capacidade mental de um indivíduo. Por fim, Down rejeitou essa ideia, sua fé na frenologia havia caducado, mas a teoria permaneceu em vigor por um século.

Na verdade, a síndrome de Down é causada por uma anomalia genética em que alguém nasce com um cromossomo 21 extra. Na década de 1950, quando foi descoberto que uma cópia extra do cromossomo era o fator subjacente na síndrome de Down, houve apelos imediatos para revogar o termo tão usado "mongolismo", devido a sua natureza racista.

"As pessoas pensam que parou quando o removeram nos anos 60", disse Ramsay ao Motorsport.com. "Mas ainda é usado hoje. Algumas pessoas me disseram que foram solicitadas a não se chamar de mongoloide ou mongol, porque as pessoas ainda veem 'mongol' para descrever estúpido”.

Ela então descreveu uma série de situações angustiantes em que os mongóis étnicos continuam a ser discriminados, destacando o fato de que embora a OMS tenha revogado o uso de 'mongol' e 'mongoloide' há mais de 50 anos, ainda é usado de forma depreciativa em todo o mundo.

Mesmo se alguém não conhecesse a história por trás da nomenclatura ofensiva, qualquer pessoa com um conhecimento rudimentar de geografia provavelmente poderia considerá-la um termo depreciativo. Verstappen, que corre com carros de F1 ao redor do mundo, provavelmente terá visto um mapa - mesmo que seja restrito à tela de entretenimento de voo de um avião.

No comentário da Sky Sports F1 durante a terceira sessão de treinos livres, um dos principais comentaristas da transmissão, David Croft, condenou acertadamente a linguagem que Verstappen usou.

O co-comentarista Paul di Resta também sugeriu que houve ocasiões em que outros pilotos usaram linguagem semelhante no rádio e, embora tenha sido qualificado como um termo descartável "calor do momento", certamente voltaria a usar palavrões frequentemente usados em momentos de alto estresse. E, como mencionado, "mongol" é um termo usado anteriormente por Verstappen - portanto, certamente não são incidentes isolados.

Kyle Larson, Chip Ganassi Racing, Chevrolet Camaro McDonald's

Kyle Larson, Chip Ganassi Racing, Chevrolet Camaro McDonald's

Photo by: Russell LaBounty / NKP / Motorsport Images

Como Ramsay também alude em sua carta, é surpreendente que a F1 e a FIA não tenham pelo menos tomado algum grau de ação contra Verstappen. Em outros esportes, qualquer grau de discurso de ódio é punido.

Durante uma partida da Premier League entre Manchester United e Liverpool em 2011, o então capitão do Liverpool, Luis Suárez, abusou racialmente do lateral esquerdo Patrice Evra, do United. Por isso, Suárez foi banido por oito jogos e multado em 40 mil libras (quase R$300 mil na cotação atual). A multa, é claro, é ração de galinha para um jogador de futebol, mas a proibição imposta a Suárez terá fornecido algum grau de dissuasão.

No início deste ano, o goleiro do Leeds United, Kiko Casilla, também foi considerado culpado de usar um termo racista contra Jonathan Leko, do Charlton, e também recebeu uma suspensão de oito jogos e uma multa de 60 mil libras (R$450 mil).

Em outro exemplo, o time de futebol San Diego Loyal saiu de campo durante um jogo contra o Phoenix Rising, depois que Junior Flemmings usou um termo homofóbico contra Collin Martin, um jogador assumidamente gay. Flemmings recebeu uma suspensão de seis jogos e uma multa, e em outros lugares o jogador de rúgbi australiano Israel Folau foi demitido pela Rugby Australia por postar tweets homofóbicos em sua conta pessoal no Twitter.

Também há um precedente recente no automobilismo, onde um piloto da NASCAR Cup, Kyle Larson, usou uma injúria racial enquanto participava de um evento da plataforma iRacing, transmitido em várias streams de pilotos da corrida. Sua ex-equipe Chip Ganassi Racing o suspendeu indefinidamente, sem remuneração, enquanto a NASCAR também fez o mesmo - antes de Ganassi eventualmente demiti-lo por seus comentários.

Quer você considere essas punições suficientes ou não, há outra questão pertinente: por que Verstappen ganha passe livre? Se linguagens racistas e homofóbicas são puníveis com suspensões, o mesmo não deveria se estender à linguagem que discrimina os deficientes e racista na F1?

Em uma ocasião anterior, a FIA o puniu com "serviço comunitário", o que significou que o holandês teve que passar um dia no escritório dos comissários no eP da Fórmula E em Marraquexe.

A Red Bull provavelmente não punirá Verstappen por sua parte; a equipe vai deixar suas ações passarem, pois não vão querer perder seu piloto estrela. A equipe também não condenou sua 'briga física' com Esteban Ocon no GP do Brasil de 2018 e Verstappen parecia tranquilo o suficiente para ir além em suas ações - chamando Ocon de "marica" na coletiva de imprensa da rodada seguinte em Abu Dhabi.

The Safety Car

The Safety Car

Photo by: Charles Coates / Motorsport Images

Portanto, cabe à FIA puni-lo aqui também - se assim o desejar. No entanto, dada a falta de atenção que os comentários de Verstappen receberam, isso parece improvável.

Mas isso ameaça minar a iniciativa We Race As One (Corremos como um só, em português) da F1. Instituída na esteira da crise da Covid-19 e inspirada nos movimentos globais de condenação ao racismo sistêmico que se seguiu ao assassinato de George Floyd por policiais nos Estados Unidos, a F1 afirmou que deseja que seu novo slogan seja uma bandeira para o esporte lutar contra as injustiças mundiais.

No entanto, nada foi feito para garantir que We Race As One permaneça como algo a mais do que um exercício superficial, e pareça consolidar-se dia a dia como um gesto vazio.

Se a F1 realmente leva a sério a iniciativa, ela deveria pelo menos recompensar Verstappen com algum tipo de punição. Em sua carta, Ramsay gentilmente exige desculpas, mas que deve haver mais ramificações para impedir Verstappen de usar tal linguagem novamente. Algum tipo de treinamento de sensibilidade seria um começo, mas, se as organizações globais levam a sério o fim do discurso de ódio, elas deveriam implementar medidas ativamente para isso.

Quando questionado se a F1 deveria punir calúnias dessa natureza de forma semelhante a outros esportes, oferecendo possíveis proibições, Ramsay respondeu: "Com certeza". Ela também estendeu uma oferta para fornecer o referido treinamento de sensibilidade para a F1, para garantir que os pilotos entendam as conotações do uso de "mongol" como um insulto.

Um tempo no banco por algumas corridas privaria Verstappen de algo que ele adora fazer - correr. Forneceria uma lição sobre as consequências do uso de uma linguagem racista e contra deficientes, e sobre como se conduzir, o que, conforme explicado por outras transgressões de Verstappen, parece ser algo de que ele precisa.

Existem inúmeros fatores que podem explicar a teimosia de Verstappen, mas eles não podem ser usados para oferecer uma desculpa ao motorista.

Em suma, Verstappen usou linguagem no rádio de sua equipe com conotações ofensivas. Essas são, em última análise, palavras usadas para direcionar o ódio às pessoas com deficiência, anomalias genéticas e certos grupos étnicos. Isso não é algo que simplesmente pode ser deixado passar.

Max Verstappen, Red Bull Racing on the grid

Max Verstappen, Red Bull Racing on the grid

Photo by: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Norris IRONIZA e DIMINUI recorde de Hamilton, mas volta atrás e pede DESCULPAS; entenda a polêmica

PODCAST: O mercado da F1 para 2021 e os 30 anos do bicampeonato de Senna

 

.

Norris ironiza e diminui recorde de Hamilton, mas volta atrás e pede desculpas; entenda a polêmica

Artigo anterior

Norris ironiza e diminui recorde de Hamilton, mas volta atrás e pede desculpas; entenda a polêmica

Próximo artigo

Gasly fica na AlphaTauri e Albon pode deixar a F1 em 2021; entenda

Gasly fica na AlphaTauri e Albon pode deixar a F1 em 2021; entenda
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Max Verstappen
Autor Jake Boxall-Legge