Análise
Fórmula 1 GP de Singapura

ANÁLISE F1: Por que Singapura continua sendo desafio mais desgastante para os pilotos?

Categoria retorna à Marina Bay depois de três anos afastada devido ao COVID-19

Aerial views of the track

Os circuitos de rua da Fórmula 1 são conhecidos por serem mentalmente exigentes, apesar das velocidades mais baixas envolvidas, exigindo concentração total em todos os momentos e pouco tempo para descanso nas retas curtas.

Mas Singapura é uma fera como nenhuma outra. É conhecida por ser uma das corridas mais difíceis de competir tanto física quanto mentalmente, o que significa que requer um tipo de preparação diferente de qualquer outra etapa.

Leia também:

Daniel Ricciardo diz que seu primeiro GP de Singapura em 2011 continua sendo a atividade física mais difícil que ele já realizou. "Eu não estava preparado, parece que eu estava festejando a semana toda!" ele disse ao Motorsport.com.

“Eu não percebi a quantidade de umidade e a natureza implacável daquele circuito sem retas reais para descansar. Eu nunca tinha realmente experimentado algo assim.”

Não ajudou o fato de Ricciardo estar competindo pela HRT, o que significou que ele se viu quatro voltas atrás da bandeira quadriculada em 19º lugar - dificilmente o mesmo tipo de motivação que aqueles que lutam na frente desfrutariam.

“Só me lembro que a corrida foi apenas uma rotina para mim”, lembra Ricciardo. “Saí do carro e lembro que disse que foi fisicamente a coisa mais difícil que já fiz. Também fiz uma promessa dizendo que nunca mais sentiria essa dor em um carro de Fórmula 1. Desde então, Singapura foi realmente muito boa.”

Os pilotos de F1 podem ser atletas de elite trabalhando com treinadores e suas equipes para tentar desbloquear um desempenho humano, mas seu nível regular de condicionamento físico e plano de treinamento é algo que ainda precisa ser aprimorado antes de Singapura.

O calor é um dos maiores fatores aos quais os pilotos precisam se ajustar quando correm em no circuito de Marina Bay. A umidade média durante todo o ano em Singapura é superior a 80%, enquanto a temperatura em outubro ainda está em torno de 30ºC devido à proximidade com o equador. 

Os pilotos podem estar acostumados a condições quentes quando correm no Oriente Médio ou na Europa continental no auge do verão, mas nada chega perto das condições desgastantes de Singapura.

Se você seguir os pilotos nas redes sociais, verá algumas das maneiras criativas que seus treinadores recentemente os prepararam para esse desafio. Na semana passada, Carlos Sainz postou um vídeo de si mesmo no Instagram andando de bicicleta ergométrica em uma sauna como forma de tentar se acostumar com o calor que estará no cockpit durante a corrida.

Outras abordagens incluem adicionar camadas extras de roupas para exercícios de rotina ou simplesmente sentar na sauna em um calor muito alto como forma de ensinar ao corpo o que esperar. Cada treino se torna muito mais difícil, mas valerá a pena no dia da corrida.

 

Mas não é apenas o calor e a umidade que tornam Singapura um desafio tão exaustivo. Ao contrário dos traçados de rua de alta velocidade de Jeddah e Baku, a velocidade média em Marina Bay é bastante baixa. A volta da pole de Charles Leclerc em 2019 foi de 1m36.217, cerca de oito segundos mais lenta do que o tempo da pole de Sergio Pérez em Jeddah este ano - apesar de a pista de Jeddah ser 1 km mais longa que Singapura. O layout de 23 cantos também significa que não há muita chance de respirar.

Tudo isso resulta na corrida de Singapura sendo uma das mais longas da temporada sem falhas. Desde que entrou no calendário em 2008, o GP nunca foi concluído em menos de uma hora e 51 minutos - em 2018 - e atingiu o limite de duas horas em quatro ocasiões. Nenhuma outra corrida chega tão perto do limite de tempo com tanta frequência, o que significa que a resistência é um grande elemento para o qual os pilotos devem se preparar - principalmente gerenciar o calor por tanto tempo.

Um dos desafios adicionais para os pilotos é se ajustar ao fuso horário. Isso pode ser algo para se ter em mente em todas as corridas, mas Singapura é mais complicada porque é uma corrida noturna. A melhor abordagem é permanecer nos fusos horários europeus, o que significa que a hora de dormir é por volta das 6h antes de subir no meio da tarde. As equipes fazem preparativos especiais para essa etapa, garantindo que os hotéis saibam que não devem incomodar seu pessoal para a limpeza e que os hábitos de sono não convencionais sejam levados em conta.

Nicholas Latifi fará sua primeira aparição em Singapura neste fim de semana e admite que não tem certeza de como equilibrar seus preparativos. Ele sempre preferiu chegar às corridas o mais cedo possível para poder se ajustar "não apenas ao tempo, mas ao clima".

"Ainda não fiz Singapura, mas é estranho", diz Latifi. "Acho que você quer se acostumar com o clima cedo, mas na hora não, porque fica no Reino Unido! Então, quanto mais tarde você sair, mais fácil será mudar para o horário. É difícil.”

The Singapore Flyer at sunset

The Singapore Flyer at sunset

Photo by: Joe Portlock / Motorsport Images

O desafio extra desta vez em Singapura será a nova geração de carros. Muita coisa mudou desde 2019, com a revisão do regulamento para este ano e o aumento do peso dos carros tornando-os mais lentos nas curvas de baixa velocidade, o que tornou as pistas de rua mais difíceis.

E depois há o porpoising que as equipes encontraram este ano, que será ainda mais difícil para percorrerem as ruas esburacadas ao redor de Marina Bay. Esteban Ocon disse em Monza que achava que os carros seriam tão rígidos quanto karts batendo no meio-fio, enquanto Pierre Gasly disse que seria uma corrida extrema para todos. 

Mas Singapura, no entanto, continua sendo uma das corridas favoritas do calendário para os pilotos, todos ansiosos para voltar à pista - e para alguns, pilotá-la pela primeira vez. Todas as equipes já sabem como se preparar, mas depois de três anos, é provável que seja o desafio mais difícil que os pilotos enfrentaram em algum tempo.

BEBEDEIRA e ZOEIRA: Rubinho e Massa citam Kimi, Schumi e Alonso como PARÇAS. Mas quem são os CHATOS?

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura durante nossos programas. Não perca!

Podcast #197 - Na berlinda, qual será o futuro de Ricciardo e Schumacher?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1 - Gasly: Esperem resposta sobre meu futuro em "duas ou três semanas"
Próximo artigo F1: Verstappen admite que “gostaria que Ferrari ainda estivesse na briga”

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil