Arábia Saudita promete melhorias na segurança para retorno da F1 em 2023

GP de Jeddah foi marcado por tensão após ataque a petrolífera perto do circuito, mas autoridades do país reforçaram que pilotos não estavam em perigo

Arábia Saudita promete melhorias na segurança para retorno da F1 em 2023
Carregar reprodutor de áudio

O governo da Arábia Saudita reforçou que dará à Fórmula 1 todas as garantias de que precisa para retornar em 2023. Um ataque com mísseis em uma instalação de petróleo a menos de 16 quilômetros do circuito de Jeddah no último fim de semana levantou dúvidas sobre se o GP no país iria ou não acontecer.

Enquanto os chefes de equipe estavam satisfeitos com as informações de segurança dadas a eles pelas autoridades, os pilotos precisaram de mais convencimento antes de concordarem em continuar após uma reunião de quatro horas na noite de sexta-feira.

Leia também:

A organização da F1 prometeu falar com equipes e pilotos nas próximas semanas para discutir os eventos na Arábia Saudita e os próximos passos para o esporte.

Embora as conversas planejadas tenham levado a sugestões de que o futuro da corrida pode estar em dúvida, o Motorsport.com apurou que a F1 segue empenhada em manter o evento no calendário.

Portanto, em vez de qualquer reunião para discutir se a prova continua ou não, o debate será mais sobre o arranjo de segurança na pista, bem como quaisquer mudanças que as autoridades sauditas planejam fazer para 2023 e além.

O próprio governo da Arábia Saudita está aberto a lições e prometeu fazer todos os esforços para garantir que o paddock se sinta seguros para voltar. O ministro do Esporte da Arábia Saudita, Sua Alteza Real, príncipe Abdulaziz Bin Turki Al-Faisal, disse à mídia selecionada, incluindo o Motorsport.com: "Não entramos em detalhes ainda, mas estamos abertos a discussões".

“Estamos abertos para conversar, ver onde estão os problemas, quais são as garantias que eles precisam. O que eles quiserem, estamos aqui para receber a F1 da melhor maneira possível em qualquer lugar do mundo."

"Então, definitivamente teremos uma discussão aberta com eles para ver qual é o feedback, debater e ver quais são as preocupações."

After a four-hour meeting on Friday night, F1 drivers agreed to carry on with the race weekend.

After a four-hour meeting on Friday night, F1 drivers agreed to carry on with the race weekend.

Photo by: Carl Bingham / Motorsport Images

O ataque à instalação de petróleo, no contexto das preocupações contínuas sobre os abusos dos direitos humanos no país, lançou uma sombra sobre a segunda corrida de F1 da Arábia Saudita.

Apesar das manchetes negativas, o príncipe Abdulaziz disse que sediar a prova ainda traz benefícios – pois sente que ter os holofotes no país pode atuar como uma força para mudanças positivas.

"Estamos aqui para uma parceria de longo prazo por um motivo, porque vemos para onde estamos indo", disse ele. "Queremos crescer com o esporte. Sabemos da importância da F1 e queremos fazer parte da comunidade internacional. Queremos estar presentes. Queremos que todos venham para a Arábia Saudita e sintam que estão indo para qualquer outro lugar do mundo."

"Infelizmente, esses problemas acontecem, acontecem em todo o mundo e temos que lidar com eles da melhor maneira possível."

Ele explicou como a chegada de grandes eventos esportivos como Fórmula E e F1 já forçou o país a se abrir e ser mais responsável. Um exemplo é que a Arábia Saudita já teve que mudar mais de 200 leis para permitir a realização de grandes eventos de automobilismo.

"Sempre fomos acusados ​​de ser excluídos", disse ele. "O primeiro visto de turista aconteceu por causa da Fórmula E. Foi a primeira vez que emitimos vistos de turista por causa desse evento."

"A partir daí, de repente, passamos de um dos vistos mais difíceis de obter para um dos vistos mais fáceis de adquirir, com vistos de mais de 50 países na chegada e assim por diante."

"Ninguém entendia o que era a Arábia Saudita. Estamos fazendo as coisas muito, muito, muito rapidamente e assim seguimos."

"No final das contas, há uma movimentação por causa disso. O povo quer isso. Se as pessoas não quisessem, não teria acontecido, mas querem, elas veem e estão todas engajadas nas mídias sociais."

O príncipe Abdulaziz aceita que há negatividade sobre a Arábia Saudita e admite que o país precisa melhorar em algumas áreas, mas diz que não é realista esperar que as coisas mudem da noite para o dia.

"Somos uma nação jovem. Estamos aprendendo, avançando e temos muito a desenvolver e muito a prosperar, e muito a consertar", disse ele. "A mudança está sendo feita. Hoje você pode ver mulheres e homens trabalhando de forma coesa em todos os lugares do reino, até mesmo em ministérios, quando antes não tinham permissão para assumirem cargos públicos."

"Então, todas essas coisas são parte da mudança. Algumas coisas podemos mudar muito rapidamente, outras levam tempo. Estamos aqui para ouvir, conversar e discutir."

"Tenho certeza de que muitos políticos visitaram o reino nas últimas semanas e discutiram todas essas questões. Portanto, estamos aqui para seguir em frente e tornar a Arábia Saudita um lugar melhor e viver para um futuro melhor", concluiu.

VETTEL FORA da F1? Ex-chefe de equipe DETONA Aston e Lawrence Stroll: PÕE LANCE NO CENTRO DO NEGÓCIO

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #170 – Leclerc x Verstappen tem potencial para ser novo Verstappen x Hamilton?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Entenda como filosofias 'opostas' nos carros de Ferrari e Red Bull convergem em resultados similares
Artigo anterior

F1: Entenda como filosofias 'opostas' nos carros de Ferrari e Red Bull convergem em resultados similares

Próximo artigo

Audi e Porsche devem confirmar entrada na F1 na próxima semana, diz agência britânica

Audi e Porsche devem confirmar entrada na F1 na próxima semana, diz agência britânica