DEBATE F1: Audi ou Williams? Qual o melhor caminho para Sainz em 2025?

O espanhol está se aproximando de uma decisão sobre seu futuro na F1, mas qual é a melhor opção?

Carlos Sainz, Scuderia Ferrari, in the post Qualifying Press Conference

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

Carlos Sainz continua a manter suas cartas bem guardadas no peito quando se trata de tomar uma decisão sobre onde irá pilotar na temporada de 2025 da Fórmula 1, após sua saída da Ferrari. A lista de opções do espanhol parece ter sido reduzida a duas equipes: Williams ou Audi, que se juntará à F1 em 2026 e continuará a correr sob o nome da Sauber no próximo ano.

Mas qual equipe Sainz deve escolher? Nossos redatores dão seu veredicto.

Leia também:

Oleg Karpov: Audi montará uma equipe em torno dele

Ele diz que é uma loteria, mas o que Carlos Sainz está prestes a fazer é mais como uma aposta. No entanto, escolher entre duas opções que são atualmente as mais lentas do paddock não é algo que ele teria imaginado há um ano.

É difícil julgar de fora, e somente o próprio Sainz, e provavelmente seus empresários, têm a visão completa do que esses "cavalos" serão alimentados para fazê-los correr mais rápido em um futuro próximo. Mas tem que ser Audi, não é mesmo? 

Os elementos-chave são todos bem conhecidos. É um projeto enorme, é uma grande fabricante, é ambição, é dinheiro, é tudo. Mas também é uma oportunidade para Sainz, finalmente tendo uma equipe construída em torno dele. Já lhe ocorreu que todas as portas em que ele bateu nos últimos meses foram fechadas pelo mesmo motivo?

Carlos Sainz, Scuderia Ferrari

Carlos Sainz, Scuderia Ferrari

Foto de: Francois Tremblay / Motorsport Images

A Red Bull foi construída em torno de Max Verstappen, e a escolha do segundo piloto também foi (ou principalmente?) ditada pela necessidade de manter o holandês feliz. Ele é piloto da Red Bull desde os 16 anos de idade e a equipe é muito parecida com a dele.

A Mercedes ainda não é tanto a equipe de George Russell, mas Toto Wolff não substituirá seu piloto por Sainz. E, do jeito que as coisas estão, ele está pronto para promover Andrea Kimi Antonelli, júnior da Mercedes, para a F1, em vez de levar Sainz, que já tem vitórias em seu nome.

Afinal de contas, quando a Ferrari teve que decidir com quem fazer parceria com Lewis Hamilton, escolheu Charles Leclerc, piloto da casa desde que tinha quatro anos de idade. E também não há lugar para Sainz na McLaren, porque a equipe é de Norris.

Sainz também foi trazido para a F1 pela Red Bull, mas se tornou um daqueles pilotos talentosos, mas azarados, que tiveram o infortúnio de passar pelo sistema ao mesmo tempo que Verstappen, e provavelmente foi sensato fugir.

Mas, desde então, ele nunca encontrou uma equipe que o apoiasse totalmente. E essa equipe poderia ser a Audi: uma grande fabricante e um projeto importante para a marcaA longo prazo, parece que a Audi tem mais chances de sucesso do que a Williams, com todo o respeito devido à Dorilton Capital e a James Vowles.

Muito tem sido dito sobre as atuais dificuldades da Sauber, mas provavelmente não há nada menos importante para todo o projeto do que os resultados atuais. Não se deixe enganar pela retórica - essa é uma equipe em transição, disposta a se sacrificar no curto prazo para melhorar no futuro.

Veja esses problemas no pitstop, por exemplo. Você não teria ouvido falar deles se a equipe não tivesse decidido atualizar radicalmente seu hardware. Alguns contratempos durante um período de transição são um preço que Andreas Seidl e sua equipe estão dispostos a pagar.

E o mesmo vale para as mudanças de engenharia no meio da temporada. A Sauber está simplesmente se preparando para se tornar a Audi. Seria mais preocupante se a equipe começasse a funcionar a todo vapor agora.

Nico Hulkenberg, Haas F1 Team,reas Seidl, CEO, Kick Sauber, Beat Zehnder, Sporting Director, Stake F1 Team Kick Sauber

Nico Hulkenberg, Haas F1 Team,reas Seidl, CEO, Kick Sauber, Beat Zehnder, Diretor Esportivo, Stake F1 Team Kick Sauber

Foto de: Andy Hone / Motorsport Images

Sim, seria estranho para Sainz escolher a equipe que está atualmente em último lugar na classificação. Mas, por outro lado, ninguém gostaria de ir para a Honda no final de 2008, não é mesmo?

É difícil imaginar a Audi batendo os líderes já em 2026, mas coisas mais estranhas já aconteceram na F1. Não acho que seja muito importante para Sainz se ele estiver lutando para sair do Q1 ou, digamos, nas posições mais baixas do top 10 no próximo ano. Ele quer estar lutando por títulos no futuro. E uma equipe de fabricante de pleno direito é sempre uma escolha melhor se você quiser ganhar o prêmio máximo.

Afinal de contas, seu plano de longo prazo para o futuro sempre pode ser... Ferrari. Ao contrário de Fernando Alonso, ele nunca queimou completamente as pontes com as equipes em que correu.

Ele ainda tem negócios inacabados com a Renault, se você se lembrar das declarações feitas em 2018. Ele ainda é valorizado pela McLaren. E agora ele é um grande membro de equipe na Ferrari, não tendo dado nenhuma dica em público de que está muito descontente com a decisão da equipe. Ele está até "feliz por Charles" por Leclerc ter vencido em Mônaco.

Portanto, se a aposta na Audi não der certo daqui a três anos e Hamilton decidir encerrar a carreira, ele provavelmente terá uma chance de voltar. Mas, até lá, talvez ele não precise dela.

Ewan Gale: A Williams ainda é a melhor opção

Embora o charme da Audi seja, compreensivelmente, para um piloto cujo pai foi, por tanto tempo, uma parte fundamental do sucesso da fabricante no automobilismo, a Williams tem o suficiente para provar ser a melhor opção.

Na verdade, os maiores pontos negativos associados à equipe sediada em Grove podem ser facilmente transformados em pontos positivos se observarmos o trabalho que vem sendo realizado em segundo plano desde que James Vowles chegou como diretor da equipe.

Seria um eufemismo sugerir que a fábrica e a equipe de corrida estavam atrasadas no que se refere às operações em geral, com Vowles continuamente falando sobre as deficiências do passado - quero dizer, planilhas do Excel... sério?

Mas o que o ex-diretor de estratégia da Mercedes fez desde que entrou na equipe foi revolucionar toda a equipe, um processo lento, mas com os olhos voltados para o futuro e, não menos importante, para a redefinição das regras de 2026.

James Vowles, Team Principal, Williams Racing

James Vowles, diretor da equipe, Williams Racing

Foto de: Francois Tremblay

Os resultados desde o início de 2023 têm sido promissores, dadas as baixas expectativas depositadas na Williams. Alex Albon tem sido uma estrela brilhante, enquanto Logan Sargeant provou que a velocidade do carro não se deve apenas ao seu companheiro de equipe em raras ocasiões.

Embora alguns problemas tenham surgido este ano, entre eles a falta de chassis de reposição no início, o que forçou a equipe a correr com apenas um carro no GP da Austrália, eles são um legado do progresso nos bastidores que está sendo realizado e, se a equipe conseguir se manter consistentemente à margem dos pontos em sua forma atual, só poderá haver positividade ao olhar para o futuro.

Nesse sentido, a Williams fez várias contratações em cargos de gerência, entre elas a do veterano Pat Fry, para reforçar o avanço contínuo no grid.

A reinicialização das regras em 2026 dará à equipe a chance de começar com o pé direito, em vez do que aconteceu há dois anos com o conjunto de regras mais recente, em que um carro ruim e dificuldades na pré-temporada deixaram a equipe lutando para ser competitiva.

Mas a situação da unidade de potência também pode ser uma grande influência para Sainz. Embora a Audi vá participar com seu próprio motor - o que, por si só, traz vantagens - é um empreendimento completamente novo para a marca e pode apresentar problemas semelhantes aos enfrentados pela Honda na década passada.

Se esse for o caso, pode levar anos até que essa unidade de potência seja competitiva na F1 contra as montadoras estabelecidas da Ferrari, Mercedes e Honda.

Alex Albon, Williams FW46

Alex Albon, Williams FW46

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

A Williams, por outro lado, terá em mãos a unidade da Mercedes, que, se o barulho do paddock for levado em conta, está parecendo forte para os novos regulamentos.

Sim, será um fornecimento de cliente que a Williams terá que assumir em comparação com a Audi, forçando-a a limitar certas características de design do carro em detrimento do encaixe do motor no pacote, enquanto seus rivais podem criar um carro com uma tela em branco. Mas isso não impediu a McLaren nos últimos tempos - a equipe baseada em Woking superou em muito o esforço da Mercedes nos últimos 18 meses.

Outro fator crucial que pode influenciar Sainz é o fato de a Williams estar em tendência de alta após uma queda e parecer estar progredindo no campo, tornando-se mais competitiva mês a mês. A equipe da Audi, a Sauber, está lutando para encontrar alguma forma, já que o C44 trabalha perto do final do pelotão semana após semana.

Valtteri Bottas e Zhou Guanyu têm sido efetivamente prejudicados pelo desempenho do carro na pista, enquanto os problemas de paradas nos boxes, que são o prenúncio de uma atualização para os equipamentos das garagens, não são uma proposta atraente para nenhum piloto, muito menos para um da estatura de Sainz. Assistir a um carro parado em seu box por meio minuto, corrida após corrida, não pode ser atraente.

É preciso achar que o ímpeto deve contar muito na hora de tomar sua decisão, para não desperdiçar completamente um ano, enquanto se aguarda o regulamento de 2026. Isso empurraria Sainz para a Williams.

Nas últimas semanas, Vowles tem sido bastante elogiado enquanto Sainz pondera sobre sua decisão, algo que o espanhol reconheceu. Ele e Albon poderiam ser o tipo de parceria galvanizadora que impulsionaria uma equipe como a Williams a se tornar uma força regular no pódio nos próximos anos.

Talvez isso seja mais um atrativo do que uma unidade de potência de fábrica - algo que pode ser mais recompensador se o sucesso vier.

VERDADE OU MITO: Brasil-1991 é a MAIOR VITÓRIA de SENNA? Glórias de AYRTON em DEBATE | Podcast F1

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

VERDADE OU MITO: Brasil-1991 é a MAIOR VITÓRIA de SENNA? Glórias de AYRTON em DEBATE | Podcast F1

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Rodada tripla que começa no fim de semana traz a maior dor de cabeça às equipes; entenda
Próximo artigo TELEMETRIA: Rico Penteado diz quem desafiará Red Bull e Verstappen na Espanha

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil