F1 - Entenda a grande novidade do carro de 2022: o efeito solo

Analisamos o funcionamento, as vantagens e os riscos da tecnologia que será reintroduzida na Fórmula 1 em 2022

Carregar reprodutor de áudio

A Fórmula 1 promete para este ano um carro que favoreça a briga entre pilotos e também as ultrapassagens.

A principal aposta da categoria é a volta o efeito solo, solução utilizada entre os anos 1970 e 1980. Mas se a solução já existia, por que não foi reintroduzida antes? A resposta está em um aspecto fundamental: segurança.

Leia também:

Antes de esmiuçar o que é o efeito solo, suas vantagens e seus perigos, vamos analisar por que é tão difícil fazer ultrapassagens na F1 da atualidade.

A turbulência que dificulta as ultrapassagens

Os carros sofreram várias alterações aerodinâmicas nos últimos anos. Buscava-se o aumento da velocidade e os projetistas fizeram com que os monopostos ficassem mais presos ao solo através da pressão que o ar exerce ao passar pelo veículo em altas velocidades.

O aumento da pressão aerodinâmica pode ser atingido de várias formas, mas, em geral, a categoria apostou no aumento da largura dos modelos e de suas asas dianteiras. O chamado "arrasto" é responsável por permitir que o carro acelere sem decolar do chão e por reduzir a velocidade. Tudo depende dos ângulos e das dimensões das asas.

Vamos tentar compreender o princípio da força aerodinâmica sobre as asas pensando em quando colocamos a mão para fora da janela do carro. Se deixarmos a mão alinhada, paralela ao solo, o ar vai apenas passar por ela sem movimentá-la. Mas se a inclinarmos levemente, o ar em alta velocidade vai empurrá-la para cima ou para baixo.

Se fizermos isso com a tampa de uma caixa de isopor, a força do ar vai ser muito maior e podemos perder a peça. Isso acontece porque aumentamos a área total que é afetada pelo ar. É isso que a F1 fez com os carros nos últimos anos.

No entanto, o ar que é empurrado para cima pode também acabar diminuindo a velocidade do carro, de modo que é preciso encontrar um equilíbrio no fluxo do ar. E as equipes optaram por desviá-lo para laterais e traseira.

Ilustração da passagem do ar pela asa frontal, criando uma zona de turbulência na lateral e atrás do carro.

Ilustração da passagem do ar pela asa frontal, criando uma zona de turbulência na lateral e atrás do carro.

Photo by: Motorsport.tv

Dependendo do formato das aletas e das asas, o jato de ar pode assumir a forma de um espiral, que cria uma grande turbulência para quem está atrás. Isso acaba com as chances de ultrapassar, pois quem está atrás perde aderência com o solo e é empurrado para longe.

Tendo tudo isso em vista, a F1 precisou buscar uma solução que mantivesse a alta velocidade dos carros e, ao mesmo tempo, permitisse que o piloto de trás continue rápido e se aproxime o suficiente para fazer a ultrapassagem, sem perda de aderência.

O efeito solo e seu funcionamento

A solução foi trazer de volta o efeito solo, que aumenta a velocidade dos carros, as ultrapassagens e a competitividade. O conceito foi usado na F1 de 1978 a 1982, mas foi banido depois pela quantidade de acidentes que causou. 

O funcionamento da tecnologia está ligado ao chamado “efeito de Venturi”, que é baseado no princípio de Bernoulli. Nomes estranhos à parte, a lógica é a seguinte: quando passamos um líquido de forma constante por um funil, a velocidade com que esse fluido sai na extremidade mais fina é maior do que a velocidade na extremidade mais larga.

Além de a velocidade de saída ser maior, a pressão é reduzida. Isso acontece porque não mudamos a quantidade de líquido, mudamos apenas o caminho por onde ele passa. Enquanto tivermos líquido entrando, haverá uma pressão maior na entrada do que na saída e a vazão desse líquido será mais veloz no ponto em que for “estrangulado”.

O efeito solo faz algo semelhante a isso no carro da F1: ele faz com que o ar entre por um caminho largo e fechado e saia por um mais estreito. Para fazer o efeito solo acontecer, as laterais dos carros precisam ter saias que prendam o ar debaixo do carro, oferecendo apenas uma saída estreita para ele, determinada pelos projetistas.

Ilustração do carro da Brabham de 1978, que inseriu as saias laterais e um exaustor para forçar o efeito solo.

Ilustração do carro da Brabham de 1978, que inseriu as saias laterais e um exaustor para forçar o efeito solo.

Photo by: Giorgio Piola

Quando a saída do ar é direcionada para cima, o carro se agarra mais ao chão, porque se reduz a pressão na parte de baixo com o efeito solo. Enquanto isso, aumenta-se a pressão na parte de cima com o fluxo de ar gerado pelas asas dianteiras e traseiras.

Com o carro mais preso ao chão e com o fluxo de ar direcionado para cima, os carros podem andar mais rápido e perseguir os oponentes de perto, favorecendo as ultrapassagens.

Os riscos da tecnologia

O efeito solo foi banido da categoria por ser muito sensível às oscilações do asfalto e a objetos que estejam no caminho do carro. Como dito anteriormente, o período em que a solução foi utilizada foi marcado por vários acidentes, alguns deles fatais.

A maioria dos acidentes aconteciam quando os assoalhos tocavam o asfalto, o que fazia o ar parar de fluir e ficar preso embaixo do carro, causando um aumento excessivo da pressão. Isso empurrava o carro para cima, fazendo-o perder contato com o solo e, em alguns casos, decolar como um avião.

A sensação para os pilotos é similar à da aquaplanagem para um motorista de veículos de rua. No entanto, a velocidade de um F1 se aproxima daquela necessária para fazer os aviões decolarem, tornando a situação muito mais perigosa.

Os organizadores vão precisar pensar em mecanismos de emergência para evitar que os carros decolem e em formas de garantir que, mesmo em caso de acidentes, os pilotos não sofram consequências graves.

Em 1982, o carro de Gilles Villeneuve decolou e se desintegrou após tocar na traseira de Jochen Mass. A Ferrari estava a mais de 200km/h e voou por quase 100 metros antes de se chocar contra o chão e ser destruído. Villeneuve não resistiu aos ferimentos e morreu horas depois.

O companheiro de Villeneuve na época, Didier Pironi, reclamou da falta de segurança provocada pelo aumento da velocidade dos carros nas curvas: "Antes da introdução do efeito solo, os carros costumavam fazer a curva em que Gilles morreu à 180Km/h. No sábado nós estávamos atingindo 260Km/h".

Novas medidas de proteção serão necessárias

A medida mais simples para evitar este tipo de acidente é a adoção de proteções atrás das rodas traseiras, como as que são usadas na Indy. A proteção evita as decolagens por impedir que as rodas dianteiras de um carro toquem nas rodas traseiras de quem está na frente.

Detalhe da proteção dos pneus traseiros na IndyCar. A peça reduz o risco de decolagens.

Detalhe da proteção dos pneus traseiros na IndyCar. A peça reduz o risco de decolagens.

Photo by: IndyCar Series

Mais do que nunca, a categoria precisará pensar em como evitar que acidentes graves aconteçam. É verdade que os monopostos evoluíram no aspecto de segurança nas últimas décadas e passaram a permitir que os pilotos sobrevivam a acidentes como o que Robert Kubica sofreu no Canadá em 2007.

O aumento da qualidade das corridas é fundamental para o futuro da F1 e acidentes podem ser inevitáveis, mas ninguém quer ver outro piloto tendo o mesmo fim que Gilles Villeneuve e Ayrton Senna. Vamos ter que aguardar e torcer para que encontrem uma forma de conciliar segurança e espetáculo. 

TELEMETRIA DE FÉRIAS: RICO PENTEADO fala tudo sobre NOVO CARRO DA F1 que estreia em 2022

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #157 - Sucesso da F1 na Band e destaques de 2021: entrevista com editor Fred Sabino

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

 

compartilhar
comentários
Conheça a história do MP4/1, o carro da McLaren que revolucionou a F1 nos anos 1980
Artigo anterior

Conheça a história do MP4/1, o carro da McLaren que revolucionou a F1 nos anos 1980

Próximo artigo

Chefe da Honda na F1 admite que fabricante saiu muito cedo da categoria

Chefe da Honda na F1 admite que fabricante saiu muito cedo da categoria