F1: Binotto diz que Leclerc "aumenta mito" da Ferrari como Gilles Villeneuve

Disputando o título de 2022, Leclerc desperta admiração e entusiasmo dos fãs da Ferrari na Fórmula 1.

F1: Binotto diz que Leclerc "aumenta mito" da Ferrari como Gilles Villeneuve
Carregar reprodutor de áudio

O chefe da Ferrari, Mattia Binotto, acredita que Charles Leclerc ajuda a “aumentar o mito” da escuderia na Fórmula 1 de forma semelhante a Gilles Villeneuve, um dos pilotos mais amados da categoria.

Leclerc estreou pela Ferrari em 2019 depois de apenas um ano na Fórmula 1, mas rapidamente se tornou o favorito dos fãs ao impressionar em sua primeira temporada em Maranello. Suas atuações foram recompensadas com um contrato de longo prazo que vai até o final da temporada de 2024. 

O editor recomenda:

Leclerc se encontra no meio de uma luta pelo título em 2022, tendo vencido duas corridas e conquistado cinco pole positions nas primeiras sete rodadas da temporada. Atualmente, ele está nove pontos atrás de Max Verstappen, da Red Bull. 

Como parte de um evento em Fiorano para marcar 40 anos da morte de Villeneuve no GP da Bélgica em Zolder, Leclerc teve a oportunidade de pilotar o icônico carro Ferrari 312T do canadense. 

Questionado pelo Motorsport.com sobre as semelhanças entre Leclerc e Villeneuve, o chefe da Ferrari, Binotto, observou a forma como ambos foram abraçados pelos fãs e ajudaram a melhorar a história da Ferrari nas corridas. 

“Se eu olhar para Charles, [é] a maneira como ele está dirigindo, seu talento e mais do que isso, é a paixão, a paixão dos fãs por ele”, disse Binotto. 

“Ser [parte da] Ferrari é de alguma forma tentar melhorar o mito do cavalinho [cavalo empinado da Ferrari]. Existem poucos pilotos capazes de fazer isso, e acho que Charles é um deles, assim como Gilles. 

“Gilles foi fantástico. Gilles venceu apenas seis corridas, mas permanece vivo para todos os tifosi. Realmente era seu jeito de dirigir, seu jeito de se comportar. É a paixão que ele mostrou. 

“E eu acho que Charles tem isso, e isso é algo que é ótimo. Também somos apaixonados e esperamos que ele vença mais de seis corridas.”.”

Charles Leclerc, Ferrari 312T of Gilles Villeneuve

Charles Leclerc, Ferrari 312T of Gilles Villeneuve

Photo by: Ferrari

Villeneuve correu pela Ferrari de 1977 até sua morte em 1982, e terminou como vice-campeão do companheiro de equipe Jody Scheckter no campeonato de 1979.

Leclerc observou depois de dirigir o carro de Villeneuve o quão básicos eram os padrões de segurança na década de 1970 em comparação com hoje, graças aos avanços feitos pela FIA ao longo dos anos. 

“Se você olhar para a época e os carros que eles tinham, eles eram muito perigosos”, disse Binotto. 

“Se você sofreu um acidente, sabe qual pode ser a consequência. E hoje os carros estão muito, muito seguros, eu diria, em comparação com o que era, e isso se deve a todo o esforço da FIA, F1 e das equipes. 

“Os pilotos estavam realmente loucos, por causa da quantidade de risco que eles estavam simplesmente aceitando, e acho que hoje é certamente mais seguro.”

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #180 – ‘Autossabotagem’ da Ferrari pode fazê-la perder título da F1 em 2022?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Aston Martin apresenta mudanças aerodinâmicas para o restante da temporada
Artigo anterior

F1: Aston Martin apresenta mudanças aerodinâmicas para o restante da temporada

Próximo artigo

Alonso questiona teto salarial de pilotos: "Nos usam cada vez mais para promover a F1"

Alonso questiona teto salarial de pilotos: "Nos usam cada vez mais para promover a F1"