Entrevista

Exclusivo F1: Steiner revela 'linha do tempo' até demissão da Haas

A surpreendente saída de Guenther Steiner da Haas agitou as primeiras semanadas da temporada 2024 com o italiano fazendo sua primeira aparição pública após o ocorrido

Guenther Steiner

Guenther Steiner

Paul Foster

Após uma sessão de perguntas e respostas no palco - e uma sessão de autógrafos improvisada - com o comentarista da Sky Sports F1 TV, David Croft, diante de uma multidão no National Exhibition Centre, em Birmingham, Guenther Steiner deu suas primeiras entrevistas à mídia desde que deixou a Haas na Fórmula 1.

Leia também:



Antes de um bate-papo com o repórter Craig Slater, da Sky Sports News, o Motorsport.com conversou com exclusividade com Steiner para ouvir seu lado da história. Em sua primeira entrevista aprofundada e extensa, o italiano, de 58 anos, falou sobre o que pensa ao deixar a Haas sem poder se despedir pessoalmente de nenhum membro da equipe, por que não está amargurado com a situação e o que pensa sobre seu futuro na F1.

Mas ele também falou sobre certos eventos que ocorreram no time durante seus 10 anos de trabalho. Na opinião de Steiner, esses eventos devem ser vistos sob uma perspectiva diferente, assim como os resultados ruins que Gene Haas citou como o principal motivo para não assinar novamente com o diretor da equipe fundadora.

Steiner "relaxou" após a saída da Haas, mas desconfia das restrições impostas pela situação

Depois de revelar, durante sua entrevista no palco, que Gene Haas havia dado a notícia de que seu contrato de 2023 não seria prorrogado em um telefonema "inesperado" no período entre o Natal e o Ano Novo, Steiner contou ao Motorsport.com sua reação.

"No fim das contas", disse ele, "o contrato estava vencido e, para mim, é como sempre foi: 'se não der certo, é só me avisar'. Não estou preso a nada. Gene Haas é o dono da equipe e, obviamente, tem o direito de decidir o que quer fazer. Simples assim. Se ele não me quer por perto, eu não estou [por perto]. Tudo bem, vamos seguir em frente. Não estou correndo e com pressa para o próximo trabalho - estou tranquilo."

Embora não esteja em 'período de licença obrigatória' após sua saída da equipe, uma vez que seu contrato não foi renovado e posteriormente rescindido, acredita-se que Steiner esteja atualmente sob um acordo de "anticoncorrência", que pode ser temporariamente colocado em prática.

Por isso, quando perguntado se, em uma situação hipotética em que Christian Horner lhe oferecesse um retorno à Red Bull nesta semana, ele poderia aceitar, Steiner respondeu: "Não". A cláusula anticompetitiva não foi confirmada por nenhuma das partes.

Gene Haas, Owner and Founder, Haas F1, Guenther Steiner, Team Principal, Haas F1

Foto de: Andy Hone / Motorsport Images

Gene Haas, proprietário e fundador da Haas F1, Guenther Steiner, diretor de equipe da Haas F1

Os últimos meses de 2023 selaram o destino de Steiner na Haas

Dado o anúncio surpreendente de que Steiner não retornará à Haas, já que o ex-diretor de engenharia da equipe, Ayao Komatsu, assume seu lugar como chefe da equipe, a linha do tempo dos eventos que levaram ao telefonema de Natal de Gene Haas é importante.

A temporada da Haas em 2023 foi um desastre, com seu carro VF-23 superaquecendo os pneus e deixando os pilotos Nico Hulkenberg e Kevin Magnussen, em geral, incapazes de defender as altas posições no grid que garantiam - principalmente com Hulkenberg. Essa proeza na classificação foi graças à situação dos pneus, que proporcionou um impulso em uma volta.

A equipe foi a última a mudar para o conceito de sidepod downwash da Red Bull, com um enorme pacote de desenvolvimento lançado na segunda das três corridas em casa no ano passado - o GP dos Estados Unidos em Austin. Mas quando ficou claro nas rodadas seguintes que as mudanças fizeram pouca ou nenhuma diferença no nível de desempenho da Haas, os dois últimos meses da temporada de 2023 assumem um novo contexto.

A posição de Steiner parecia segura durante as etapas de Austin e México, mas quando a equipe terminou em 10º lugar e recebeu um prêmio de US$ 20 milhões (cerca de R$98 milhões) na final em Abu Dhabi, esse resultado foi considerado por Gene Haas como o catalisador para a mudança na alta administração.

"Acho que, como o desempenho caiu, obviamente ninguém está feliz", disse Steiner sobre a parte final de 2023. "Não há ninguém mais infeliz do que eu. Mas nos deparamos com uma situação que não poderíamos recuperar este ano [2023] e o objetivo era fazer algo para as corridas de 2024."

"Eu não diria que [seu relacionamento com Gene Haas nesse período] foi por água abaixo. Foi como se tentássemos trabalhar duro - que você faça o seu melhor - mas você sabe que o desempenho não foi bom o suficiente e, então, era preciso fazer mudanças. Foi isso que Gene Haas pensou a respeito."

Ao ser questionado se a atualização fracassada foi o que levou Gene Haas a tomar sua decisão, Steiner respondeu: "Não sei, você precisa perguntar isso a ele", antes de acrescentar: "Acho que ficou muito claro que, se você faz algo - uma mudança de conceito tão rápida quanto nós fizemos -, é muito difícil dar um grande salto, especialmente porque você tem recursos de design subjacentes que não podem mais ser alterados nesse estágio final".

Ele continuou: "Mas acho que, para os técnicos, foi uma boa maneira ir nessa direção, para aprender para 2024."

Nico Hulkenberg, Haas VF-23

Foto de: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Nico Hulkenberg, Haas VF-23

Steiner lamenta ter esperado tanto tempo para mudar o conceito do VF-23

Fontes do Motorsport.com sugeriram que foi um atraso na tomada de decisões de Steiner sobre o plano de desenvolvimento da Haas para 2023 que fez com que as alterações no sidepod, além da carroceria da tampa do motor e das mudanças no assoalho, chegassem tão tarde na temporada.

A atualização de Austin chegou cinco meses depois que a Mercedes e a Ferrari fizeram movimentos semelhantes para se juntar ao caminho de desenvolvimento estabelecido pela Red Bull no início da atual era do efeito solo.

A parceria técnica de peças listadas da Scuderia com a Haas significava que os dois carros compartilhavam um perfil aerodinâmico muito semelhante. Mas é raro na F1 que uma grande atualização no carro ocorra tão tarde em uma temporada. Steiner disse que agora se arrepende da mudança tardia.

"Sem dúvida, foi um pouco tarde", explicou. "Eu diria que, se eu pudesse voltar atrás, era isso que deveríamos ter feito [fazer as mudanças no carro mais cedo]. Agora, em retrospectiva, é óbvio. Era uma mudança, mas não havia mais tempo suficiente para fazê-la bem. A Ferrari mudou mais rápido e nós tentamos nos agarrar talvez um pouco demais ao antigo conceito."

Guenther Steiner, Team Principal, Haas F1 Team

Foto de: Andy Hone / Motorsport Images

Guenther Steiner, diretor de equipe da Haas F1 Team

A falta de investimentos contínuos da Haas minou a motivação de Steiner

Quando perguntado se queria continuar como chefe de equipe, a resposta cautelosa de Steiner - no contexto de sua atual situação restrita - foi: "Eu não estava dizendo que queria sair, veja bem".

Mas suas reflexões adicionais sobre como ele encarava seu futuro na função principal da Haas são reveladoras. Isso está centrado no entendimento de que ele queria que Gene Haas destinasse mais recursos para melhorar sua infraestrutura principal sob o limite de custos, em que a equipe não pôde obter ganhos de eficiência como outras equipes porque paga por muitas peças já desenvolvidas pela Ferrari.

Em entrevista à F1, Gene Haas declarou: "Não consigo entender como podemos estar [em último lugar no campeonato de construtores] com todo o equipamento e as pessoas que temos." As diferentes perspectivas de cada um sobre os requisitos futuros da equipe são, portanto, claras.

"Nunca estive em uma empresa por tanto tempo quanto estive na Haas, pense nisso - em algum momento [o futuro a longo prazo é considerado]", explicou Steiner. "Fazer mais do mesmo e ver o que as outras pessoas fazem para avançar. Como todas as outras equipes - como a AlphaTauri, Aston Martin - você vê para onde elas estão indo e não pode acompanhá-las, é difícil manter a motivação."

"Você sempre tenta porque nunca desiste. Você tenta, mas em algum momento fica mais claro quando você vai embora, porque você não está mais no turbilhão. Você está do lado de fora, olha para dentro e diz: 'uau, eu insisti por um longo tempo, vendo para onde as outras pessoas estão indo' desde [o limite orçamentário para 2021]."

"A Fórmula 1 mudou desde que o teto orçamentário entrou em vigor. A reação das pessoas foi do tipo: 'você precisa pensar diferente; você precisa investir em sua infraestrutura para tirar o melhor proveito do seu orçamento operacional'. Você só precisa ser muito eficiente, precisa investir o dinheiro, preparando tudo para ter uma máquina muito enxuta."

"Você sempre se esforça para fazer isso. Porque acho que nosso conceito [de compra de peças listadas] era muito bom quando começamos, mas quando o limite orçamentário chegou, ele mudou um pouco. E nosso modelo talvez não seja mais o mais eficiente. Bem, não o nosso modelo, mas o modelo deles - porque eu não estou mais lá."

Steiner também refutou qualquer sugestão de que tenha se desentendido com Gene Haas quando 2023 chegou ao fim, dizendo: "Eu não diria que me desentendi [com Gene]. Eu não me desentendo; não preciso me desentender com ninguém. Como ele é o dono do lugar, ele pode decidir o que quiser. Não posso me desentender com ele. Posso ficar chateado, mas não estou nem um pouco chateado. A decisão é dele e ele pode fazer o que quiser."

The 2019 Ferrari engine saga hurt Haas, says Steiner

Foto de: Sam Bloxham / Motorsport Images

A saga do motor Ferrari de 2019 prejudicou a Haas, diz Steiner

Steiner avalia que a saga do motor da Ferrari impediu melhores resultados da Haas antes da pandemia...

Gene Haas também destacou a falta de resultados de sua equipe no pódio como parte de suas deliberações sobre o futuro de Steiner. Quando perguntado por que os grandes resultados não haviam chegado durante seu tempo à frente da equipe, Steiner respondeu: "Acho que temos de voltar atrás."

"Quando começamos, terminar em oitavo lugar na primeira e na segunda temporada, para uma equipe nova, nunca havia acontecido antes. Terminar em quinto lugar na terceira temporada não aconteceu muitas vezes antes."

"Também houve um motivo que precisa ser explicado - [2019] foi o ano da saga do motor da Ferrari. E as pessoas deveriam dar uma olhada nisso. Isso não aconteceu apenas com a Haas. Foi o melhor carro que a Haas já teve? Não. Mas valeu o nono lugar? Não. A Alfa Romeo [outro cliente de motores da Ferrari] terminou em oitavo naquele ano."

Steiner explicou que a situação - em que a Ferrari pressionou fortemente o pacote da Mercedes, então dominante, com um motor potente que perdeu no controverso acordo antes de 2020, que então reteve todos os carros com motor Ferrari durante as duas temporadas antes da redefinição das regras mais recentes da F1 - era que as equipes clientes da Scuderia não tinham acesso à mesma especificação que a equipe de fábrica em 2019.

Mais tarde, ele disse sobre os anos em questão: "Porque se você começar com 2018, quando a equipe terminou em quinto lugar, foi muito bom. 2018-2019, como poderia ter sido com um motor normal, não teria sido o nono lugar [em 2019]."

The lockdown disruption of 2020 and Haas' near-closure did big damage to the team

Foto de: Steven Tee / Motorsport Images

A interrupção do lockdown em 2020 e o quase fechamento da Haas causaram grandes danos à equipe

... mas a interrupção do lockdown e o quase fechamento da Haas em 2020 causaram danos piores

A queda nos resultados da Haas em 2019 foi seguida pela interrupção da temporada de 2020, mesmo antes de Gene Haas já estar considerando sair da F1. Por fim, ele decidiu não fazer isso.

Mas Steiner diz que a incerteza desse período continuou a ser sentida nos anos que antecederam sua saída. Os impactos de 2020 levariam mais tarde ao fato de o carro de 2021 da Haas não ter sido desenvolvido durante um ano inteiro, quando foi pilotado por uma equipe totalmente novata e que se batia regularmente com Mick Schumacher e Nikita Mazepin.

Steiner disse: "[Quando] 2020 chegou e a pandemia chegou, nós... quero dizer, me disseram para fechar a equipe. O que você estava fazendo lá: você deixou as pessoas irem embora, tudo foi encerrado. Em 2021, voltamos, mas quero dizer que não demos um passo para trás em 2020, demos dois para trás."

"Então, voltando em 2021, as pessoas se esquecem de que é preciso recomeçar do zero - porque tivemos que encontrar pessoas novamente, tivemos que encontrar novos escritórios, tivemos que encontrar todas essas coisas. Porque tudo o que construímos com a Dallara [que constrói o chassi de F1 da Haas] foi perdido - porque cancelamos o contrato deles em 2020. Não fizemos nada lá, porque não desenvolvemos o carro."

"Então, em 2021, algumas pessoas da Ferrari vieram sob o comando de Simone Resta [como diretor técnico destacado]. Acho que Simone fez um bom trabalho na formação de uma equipe em um período muito curto de tempo e terminamos em oitavo lugar novamente em 2022."

"E, obviamente, em 2023 perdemos um pouco o barco, mas isso pode acontecer em uma competição. Esses foram anos realmente ruins, [mas] sempre houve um motivo pelo qual eles foram ruins. E acho que isso precisa ser explicado um pouco. Porque acho que a Haas levou um chute nas bolas em 2020, quando a equipe estava pronta para ser fechada."

"Quando você fecha, na verdade é mais fácil começar completamente novo do que meio novo. Porque você tinha todo o legado, mas metade das pessoas estava faltando. E, com certeza, algumas das pessoas boas estavam faltando. Por isso, tivemos que reconstruir novamente, e reconstruir custa energia, custa dinheiro - tudo."

"Então, todas as outras equipes começaram a construir sua infraestrutura em 2021 e 2022. Todas elas começaram porque [no final de] 2020, a era do limite orçamentário começou e todas elas começaram a se desenvolver e a Haas não."

"Portanto, tudo está interligado. Não é que, de repente, todo mundo ficou estúpido. Porque eu sempre digo, 'você não se torna estúpido em um ano'. Foram apenas muitas circunstâncias [que] as pessoas esquecem agora, que aconteceram naqueles anos."

Steiner has no idea of his F1 future yet

Foto de: Simon Galloway / Motorsport Images

Steiner ainda não tem ideia de seu futuro na F1

Steiner "não tem ideia" do futuro da Haas na F1, enquanto o seu próprio está tranquilo por enquanto

Ao final de nossa longa entrevista, Steiner declarou que "absolutamente quando você constrói algo do zero, sente falta das pessoas", que ele agora deixa para trás na Haas.

"Eu não diria que sou amigo de todo mundo", continuou ele. "Mas acho que muitas pessoas estão lá desde o primeiro, ou segundo dia, e ainda estão por perto. Há um motivo pelo qual elas estão lá. Porque 10 anos é muito tempo. Então, obviamente, com essas pessoas você compartilha ambições [com elas], compartilha sentimentos. E não tê-las mais por perto, você sente falta das pessoas. Mas todos se acostumam com as coisas, e as coisas mudam, e você segue em frente."

Sobre as chances de sucesso futuro da equipe, ele disse que "isso não depende de mim" e que não sabe "quais são os planos" ou o que Gene Haas pode decidir em termos do tão discutido investimento adicional.

Ele acrescentou: "Sinceramente, não tenho nada a dizer. Não é que eu esteja me esquivando, eu não sei".

Especula-se que as recentes ações de Gene Haas no comando de sua equipe de F1 podem ser o início de um plano de venda, ferramenta que o possibilitaria poderia recuperar seu investimento inicial e obter lucro graças ao enorme aumento no valor da equipe nos últimos anos. Mas ele atualmente nega isso.

Steiner também disse sobre esse assunto: "Não tenho ideia do que ele quer fazer". Ele continuou: "E, na verdade, isso não é problema meu! O que é bom, sabe?"

O interesse no futuro do próprio Steiner continua alto, ao que ele responde: "Eu apenas digo, 'apenas diga calma, por favor'". Sua aparição no palco da ASI incluiu referências pouco veladas ao próximo trabalho de mídia na F1 em curto prazo. Espera-se que ele esteja de volta ao paddock em 2024.

Mas "no momento, eu gostaria de fazer, não nada, eu gostaria de fazer... Se aparecer algo que eu goste, eu faço".

Ele acrescentou: "Se não [não farei]. Em minha vida, sempre que eu não gostava de fazer algo, eu não fazia. Portanto, não sei o que há por aí. Mas não estou telefonando para as pessoas para pedir um emprego de diretor de equipe ou algo assim. Obviamente, não quero fazer nada além do cargo de diretor de equipe. Se você já fez isso uma vez..."

"Mas é como se eu estivesse bem [financeiramente, graças ao sucesso do negócio Fibreworks Composites da Steiner]. Se aparecer alguma coisa que me interesse, se as pessoas quiserem que eu faça algo, eu faço."

"Se eu achar que não é interessante, que não me satisfaz ou que não me agrada, não vou fazer. Não vou fazer isso só para ficar por perto. Acho que há coisas suficientes para eu continuar na Fórmula 1 - as pessoas vão me pedir para fazer coisas. Mas eu posso esperar. Já fui abordado para outras coisas."

"Mas quero dar um passo atrás [primeiro]. Nem mesmo um passo atrás. Só quero respirar ar fresco. E então decidir o que farei em meu futuro. E não tenho mais 38 anos. Então, se eu fizer algo, quero aproveitar. Obviamente, quero fazer algo que as pessoas também gostem. Não apenas "quero estar na F1 para estar na F1". Essa não é minha missão na vida."

Motorsport Business #9 – ANDRÉ DUEK: Vida de corridas e negócios, e o valor de empreender nas pistas

Podcast #264 – O que Gil de Ferran deixa para o automobilismo?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior Ex-diretor da Alpine, Permane deve voltar à F1 na "nova AlphaTauri"
Próximo artigo F1: Red Bull confirma lançamento do RB20, carro de 2024; veja data

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil