F1: Bottas está confuso com queda "estranha" de ritmo em Baku

Finlandês torce para que a situação seja resolvida a tempo do GP da França

F1: Bottas está confuso com queda "estranha" de ritmo em Baku

O piloto da Mercedes na Fórmula 1, Valtteri Bottas, admitiu que ficou confuso sobre sua "estranha" falta de ritmo com o carro durante o GP do Azerbaijão, onde terminou apenas na 12ª colocação.

Após sessões livres problemáticas para ambos os pilotos da Mercedes na sexta em Baku, Lewis Hamilton alterou o ajuste do carro e chegou a uma melhor velocidade para classificação e corrida, enquanto Bottas não conseguiu se recuperar.

Leia também:

O finlandês se classificou apenas na décima posição no grid de largada, contribuindo com Hamilton, que saiu em segundo, dando o vácuo para o companheiro de Mercedes.

Na corrida, mesmo mantendo a posição de largada no começo, ele caiu para 14º na relargada após a bandeira vermelha, terminando em 12º ao capitalizar em cima do erro de Hamilton e a penalização de Nicholas Latifi.

A corrida difícil em Baku veio imediatamente após um abandono desastroso em Mônaco, devido a uma porca presa em sua roda na hora da parada. 

"A sensação foi muito similar ao sábado, e também sexta", disse Bottas ao Motorsport.com. "Realmente o principal problema foi a falta de ritmo, não sendo rápido o suficiente. Hoje, no começo da prova, já vi que não tinha como igualar os da frente. Eu não conseguia seguir uma Aston Martin que estava na minha frente. Estou confuso, é realmente estranho".

Hamilton optou por uma asa traseira de menor downforce para a classificação e a corrida, mas Bottas disse que era cedo demais para cravar que esse era o que havia feito a diferença.

"Acho que isso é algo que precisamos revisar, mas sabemos que não será muita coisa. A diferença será de um décimo no máximo, então não acho que isso seja a chave. Começamos o fim de semana com a mesma asa e mesmo assim fiquei o tempo todo atrás de Lewis por uma grande margem".

Bottas admitiu que Baku foi um dos eventos mais difíceis que ele já vivenciou.

"Eu não lembro de já ter visto um final de semana assim. Já tive fins de semanas com sessões ruins, mas com ritmo em algum momento. Nesse final de semana foi do começo ao fim e não entendi o que aconteceu".

"Eu me conheço, sei quando há um limite e não consigo ir mais rápido, e mesmo assim você fica seis, sete, oito décimos atrás. Isso não é normal. É algo que precisamos entender antes de ir para a França".

"Precisamos achar algo no carro, mas, se não, o que sobra, devem ser os pneus. Mas mantivemos a mesma pressão e temperatura dos pneus. Quero muito entender, mas no momento não sei".

Bottas espera que Baku seja um ponto fora da curva antes da volta da F1 a um palco mais tradicional: Paul Ricard.

"A França é muito diferente, com curvas longas e de alta. Acho que um problema que tivemos aqui foi o aquecimento de pneus, especialmente dos dianteiros. Então pelo menos acho que na próxima será mais fácil, mas veremos. Muito para aprender e esquecer com o fim de semana".

F1: Entenda em DETALHES o funcionamento do BOTÃO que levou a ERRO dramático de HAMILTON em BAKU

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Quais os episódios fora da F1 que mais marcaram nossas vidas?

 

compartilhar
comentários
F1: Incertezas sobre Brasil, Austrália e Japão fazem Indianápolis, Malásia e Catar surgirem como possibilidades

Artigo anterior

F1: Incertezas sobre Brasil, Austrália e Japão fazem Indianápolis, Malásia e Catar surgirem como possibilidades

Próximo artigo

F1: Binotto "esperava algo melhor" da Ferrari no GP do Azerbaijão

F1: Binotto "esperava algo melhor" da Ferrari no GP do Azerbaijão
Carregar comentários