F1: Carro de 2026 realmente trará corridas melhores?

Entenda os pontos em que a FIA focou para tentar ‘consertar’ falhas do regulamento dos carros de efeito solo introduzidos em 2022

F1 2026 FIA car renders

As intenções originais dos regulamentos de 2022 para melhorar a qualidade das corridas na Fórmula 1 não foram traduzidas com sucesso. Mas a FIA está otimista de que o seu trabalho no próximo ciclo de regras em 2026, delineado hoje, irá realmente oferecer um espetáculo maior.

A F1 teve a sua cota de histórias assustadoras sobre as novas regras dos carros de 2026.

Das preocupações com as máquinas 'Frankenstein' aos pilotos que precisam reduzir as marchas nas retas, e depois o alarme em alguns testes de simulador em que os carros estavam rodando nas retas, não foi fácil chegar aonde estamos hoje.

Leia também:

Mas com as novas regras agora anunciadas – embora provavelmente haja mais alguns ajustes – há uma sensação por parte daqueles que as criaram de que essas preocupações iniciais foram resolvidas.

Portanto, em vez de os fãs da F1 precisarem temer que o que está por vir em 2026 possa ser ruim para o show, há na verdade algum otimismo de que as coisas irão melhorar.

A redefinição das regras de chassi também abriu a oportunidade de corrigir alguns erros cometidos com os atuais carros com efeito solo.

Para além do fato de os carros de hoje serem muito pesados, também são muito críticos em termos de altura e estão ficando cada vez mais sensíveis ao ar sujo que as novas regras para 2022 deveriam ter erradicado.

Todos os três fatores desempenharam o seu papel na limitação da capacidade dos carros de se seguirem suficientemente perto para uma boa corrida. E é esta questão que tem estado na vanguarda quando se trata de garantir que os regulamentos de 2026 sejam adequados ao propósito de uma F1 mais emocionante.

Como disse o chefe de aerodinâmica da FIA, Jason Somerville: “O principal objetivo das regras aerodinâmicas de 2026 é realmente focar no restabelecimento do desempenho do carro da frente. É uma oportunidade para redefinirmos o nível básico do carro para que eles possam correr bem juntos.”

F1 2026 FIA car renders

F1 2026 FIA car renders

Photo by: FIA

O resultado são carros que serão menores e mais leves – cerca de 30 kg a menos do que agora – mas mais criticamente com uma aerodinâmica que é muito menos propensa a ser manipulada pelas equipes para se afastar da intenção original de melhores corridas.

Na verdade, a FIA diz que se aprofundou para entender o que as equipes fizeram para alterar o rastro de seus carros nos últimos anos para trazer de volta a característica de saída que ajudou a desencadear o mais recente problema de ar sujo.

Falando ao Motorsport.com, o diretor de monopostos da FIA, Nikolas Tombazis, disse que os números da simulação para os carros de 2026 foram um passo melhor em relação à forma como as coisas estavam no início de 2022.

“As novas regras e especificações básicas são significativamente melhores do que no início de 2022”, disse ele. “Então, eles estão começando muito melhor do que em qualquer outra simulação que fizemos.

“Acreditamos que sabemos o que as equipes poderiam fazer para avançar nisso como parte de seu desenvolvimento de desempenho e onde estavam as alavancas. Portanto, espero que a capacidade de correr mais perto seja significativamente melhor”.

Ele acrescentou: “Aprendemos muito nos últimos anos. Embora os carros ainda estejam melhores agora do que eram em 2021, eles definitivamente não estão nem perto de ser tão bons quanto eram no início de 2022.

“Certamente, alguns dos objetivos traçados para 2022 foram degradados, isso é um fato. Mas compreendemos muito sobre as razões subjacentes e acreditamos que podemos evitar uma degradação semelhante para os novos regulamentos."

Mas não são apenas as dificuldades dos carros seguirem de perto que se revelaram problemáticas para o espetáculo desde 2022.

Uma consequência do fato da atual geração de carros ser incrivelmente sensível às alturas de condução é que tem sido difícil para as equipes chegarem totalmente ao topo, o que serviu para abrir uma diferença no grid.

F1 2026 FIA car renders

F1 2026 FIA car renders

Photo by: FIA

Mesmo a outrora dominante Mercedes ainda está com dificuldades com o que é necessário para tirar o máximo proveito das regras atuais.

Para 2026, as alterações no assoalho tiveram como objetivo ampliar deliberadamente a janela de desempenho dos carros, para que não operem mais em uma janela tão pequena de operação na altura.

Tombazis disse: “Aqui também aprendemos bastante. Temos trabalhado na filosofia do piso, que terá um difusor menos forte e será menos dependente de estar muito próximo do solo.

“Esperamos que as condições de operação dos carros tenham uma altura traseira mais moderada e, portanto, não tenham esse problema”.

Medos do carro Frankenstein

A criação dos carros 2026 gerou polêmica, já que as equipes expressaram preocupações sobre o rumo que as coisas parecem estar tomando.

No ano passado, a Red Bull disse estar preocupada com o risco dos “carros Frankenstein”, que foram muito comprometidos por causa das características de utilização de energia dos novos motores híbridos, que dependerão muito mais da energia da bateria do que antes.

Mais recentemente, alguns testes em simulador com novos resultados preocupantes após experimentos de apenas mover a asa traseira se mostraram impraticáveis.

A FIA afirma que a versão final das regras que foram acordadas abordou ambas as questões.

“Realizamos um enorme trabalho na gestão de energia e muitas destas histórias assustadoras foram bastante prematuras”, explicou Tombazis.

“Finalizamos os regulamentos das unidades de potência em agosto de 2022 para que os fabricantes de unidades de potência possam começar a projetar e desenvolver unidades, especialmente os recém-chegados.

F1 2026 FIA car renders

F1 2026 FIA car renders

Photo by: FIA

"Na altura, realizamos algumas simulações básicas e sabíamos quais eram os principais problemas e o que tinha de ser resolvido. Embora não tivéssemos riscado todos os itens, sabíamos que havia soluções para os vários tópicos. Era necessário mais trabalho e decidir entre as múltiplas opções à nossa disposição.

“Isso criou um período em que muitas pessoas pensavam que os carros teriam que reduzir a marcha nas retas ou atingiriam a velocidade máxima no meio da reta e depois cairiam e assim por diante. Fizemos um trabalho razoável em conjunto com as equipes, não sozinhos, para simular e definir todo o lado da gestão de energia, estou confiante de que agora está tudo bem.”

Sobre as recentes preocupações aerodinâmicas ativas, Tombazis acrescentou: "Fizemos alguns testes para ver se o ajuste da asa traseira por si só poderia funcionar bem ou não e concluímos que poderia estar muito desequilibrado. Portanto, as asas dianteiras e traseiras têm que ser ajustadas juntas."

O resultado final deverá ser, segundo Tombazis, um carro que não seja um retrocesso.

“Os carros têm, em geral, mais potência”, ressaltou. “Portanto, aceleração mais rápida nas curvas e velocidades máximas semelhantes ou mais altas em geral, sem diminuição significativa da velocidade máxima nas retas.

"As velocidades nas curvas vão diminuir um pouco, devido ao menor downforce. Portanto, no geral: menor velocidade nas curvas, maior velocidade em reta e frenagem mais forte."

Na verdade, há uma sensação de que 2026 oferece uma chance para a F1 compensar o que perdeu com as regras atuais.

Como disse Tombazis: “Acreditamos que demos um passo em direção a corridas mais disputadas do que em 2022. Mas também houve coisas que erramos e estamos tentando acertar agora”.

RICO PENTEADO analisa possível CAOS por causa da CHUVA no Canadá e o NOVO CARRO da F1 de 2026

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Podcast Motorsport.com debate: Como demissão de Ocon impacta no mercado da F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior Fim do DRS e impulso de potência: entenda o regulamento da F1 2026
Próximo artigo Playoffs 'estilo NASCAR' na Fórmula 1? CEO diz que "ainda" não

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil