F1: Como conceito de baixo rake colocou a Aston Martin em uma encruzilhada

Ao ir no embalo do conceito da Mercedes, equipe acaba entrando nos mesmos problemas de time heptacampeão, mas sem os mesmos recursos

F1: Como conceito de baixo rake colocou a Aston Martin em uma encruzilhada

Será que a equipe de Fórmula 1 da Aston Martin consegue se safar do buraco que os regulamentos aerodinâmicos revisados ​​de 2021 a deixaram?

É uma pergunta que até a própria equipe ainda não consegue responder, apesar do exemplo da Mercedes dar algum incentivo.

Este deveria ser o ano em que, impulsionado pelos recursos financeiros extras e a chegada de Sebastian Vettel, o time de Silverstone deveria se descolar do meio de grid. Em vez disso, a equipe se viu atrás desse grupo.

Leia também:

No Bahrein, Lance Stroll ficou imperceptível no Q3 e marcou um ponto com a 10ª colocação, enquanto Vettel teve um fim de semana desastroso, que incluiu duas punições e terminou com um humilde 15º lugar.

O chefe da equipe, Otmar Szafnauer, não escondeu a causa raiz dos problemas, ele está convencido de que os ajustes aerodinâmicos feitos pela FIA para reduzir os níveis de downforce para 2021 colocaram em desvantagem as duas equipes de baixo rake, Aston Martin e Mercedes, mais do que qualquer outra. E compensar essa perda não será fácil.

"Depois de analisar os dados, os carros de baixo rake foram significativamente mais prejudicados pela mudança no regulamento, então esperávamos uma corrida difícil", lamentou ele no Bahrein.

A Mercedes parece ter conseguido lidar com seus problemas e, no espaço de menos de duas semanas, passou de um teste terrível no Bahrein para uma vitória no mesmo local.

No entanto, havia um pouco da magia de Lewis Hamilton naquele desempenho, e é evidente para todos que a Red Bull é agora o carro mais rápido.

A Aston tem potencial para melhorar, mas mesmo com o limite de orçamento impactando mais seus rivais maiores, a equipe tem menos recursos para recorrer do que a Mercedes.

E, crucialmente como todas as outras equipes, também precisa se concentrar em seu programa para 2022. A última coisa que o diretor técnico Andrew Green e seus homens precisavam era dar esforço extra para resolver problemas fundamentais com o carro atual.

Vale lembrar como a equipe se encontrou nessa situação. Indo para a temporada de 2020, a então Racing Point decidiu mudar de rake – de alto para baixo - por uma variedade de razões.

Em primeiro lugar e mais obviamente, o baixo rake contribuiu para que a Mercedes tivesse o carro mais rápido.

Em segundo, os pontos de captação da caixa de câmbio e suspensão da Mercedes foram otimizados em torno do baixo rake, então era lógico para a Racing Point seguir a rota escolhida por seu fornecedor.

E, em terceiro lugar, tomar um atalho para o desempenho de 2020, tomando emprestado uma filosofia comprovadamente vitoriosa deveria liberar foco para as novas regras, que deveriam ser introduzidas em 2021.

"A inspiração vem do carro mais rápido do ano passado", disse Green ao Motorsport.com no primeiro teste do RP20, em que a semelhança com o Mercedes W10 do ano anterior se tornou aparente.

"É daí que vem a nossa inspiração. Por que não teríamos? Tínhamos um carro que estava rodando por volta do sétimo lugar no campeonato. E temos mais um ano desses regulamentos e do desenvolvimento que estávamos vendo com o carro de rake alto, para mim simplesmente não ia funcionar, e valia a pena correr o risco."

“E é um grande risco. Rasgamos o que fizemos antes, tivemos um pedaço de papel novo, e dissemos 'por onde vamos começar?' Bem, você não vai começar a olhar para o carro mais lento do grid, vai? Vamos começar a olhar para o carro mais rápido e foi aí que começamos.”

"Se funcionar, funciona. Se não funcionar, perdemos um ano, mas não acho que teríamos perdido nada.”

Otmar Szafnauer, Team Principal and CEO, Aston Martin F1

Otmar Szafnauer, Team Principal and CEO, Aston Martin F1

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

Deu certo, como demonstrado pelo fato de que a equipe venceu uma corrida e conquistou uma pole. A posição final do campeonato foi comprometida por muitos abandonos e a penalidade de pontos pela cópia do duto de freio.

As novas regras foram adiadas para 2022 e, portanto, o conceito de baixo rake teve que durar mais um ano, com o time renomeado para Aston Martin. Isso teria funcionado bem se as regras aerodinâmicas não tivessem sido alteradas, em duas etapas.

É interessante lembrar que depois do primeiro anúncio, confirmado pela FIA em junho, Green já percebeu que representava uma grande mudança.

Devido à paralisação pela pandemia, as equipes de F1 não puderam fazer suas próprias simulações durante as discussões.

"Quando nós [o grupo de trabalho técnico da FIA] decidimos sobre a mudança, não tínhamos permissão para fazer simulações em um carro atual, as simulações vinham da F1 com sua modelagem", disse Green em junho.

"Só quando voltamos desse intervalo e começamos a olhar para ele percebemos como foi uma grande mudança."

Algumas semanas depois, a FIA adicionou mais três alterações aerodinâmicas para criar um pacote, supostamente adicionando um corte de downforce de 10%. Ainda mais tarde, a Pirelli criou um novo pneu para 2021, com frentes mais amplas e de impacto aerodinâmico.

A essa altura, ficou claro na Racing Point que carros de baixo rake de fato sofreriam mais impacto do que seus rivais de alto rake.

"Não sou um teórico de conspiração", disse Szafnauer após a corrida no Bahrein. "Mas foi apontado no ano passado que os carros com rake baixo teria um efeito maior do que os com rake alto. E estávamos certos. Na época em que os regulamentos estavam sendo feitos, isso foi apontado."

Ele também enfatizou que essas mudanças nas regras não obtiveram apoio unânime.

Aston Martin AMR21 floor

Aston Martin AMR21 floor

Photo by: Giorgio Piola

"Não. Número 1, nunca houve uma votação. Número 2, houve um voto indicativo.”

“Então foi só na comissão técnica [grupo de trabalho], que todos os diretores técnicos tiveram que ter voto indicativo, e três equipes votaram contra.”

"Você precisa se lembrar de que apenas duas equipes têm um conceito de rake baixo. Portanto, até mesmo uma das equipes de rake alto votou contra."

O que a equipe não pode fazer é mudar sua filosofia básica de volta para alto rake, mesmo que ela tenha sido capaz de assumir esse compromisso em termos de trazer novas peças através do sistema.

"Pior do que isso, pela primeira vez que me lembro em meus 24 anos de esporte, tivemos que homologar a suspensão", disse Szafnauer.

"Você só poderia mudá-la se realmente usasse seus tokens na suspensão. Portanto, mesmo que quiséssemos rodar com 150 mm de altura traseira, não poderíamos."

Como observado anteriormente, os ganhos obtidos pela Mercedes desde o teste do Bahrein forneceram algum incentivo - um carro de baixo rake pode ser melhorado.

O problema é que a Aston Martin quer olhar para 2022 agora, e não usar recursos escassos para problemas mais urgentes com o carro atual.

Tendo terminado em quarto no campeonato do ano passado sob as novas regras de teste aerodinâmico, a equipe tem pelo menos mais horas de túnel de vento e uso de CFD do que as equipes que terminaram à sua frente, mas isso é de pouco conforto.

F1: Nova ORDEM de forças? Veja análise DETALHADA sobre como Mercedes pode PERDER briga para Red Bull

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Batalhas entre Hamilton e Verstappen ditarão temporada 2021 da F1?

 

compartilhar
comentários
A incrível história de como Bernie Ecclestone deu carona a Luciana Gimenez para GP da Grã-Bretanha

Artigo anterior

A incrível história de como Bernie Ecclestone deu carona a Luciana Gimenez para GP da Grã-Bretanha

Próximo artigo

F1: Hamilton alerta que Red Bull "poderia estar muito mais à frente"

F1: Hamilton alerta que Red Bull "poderia estar muito mais à frente"
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Aston Martin Racing
Autor Adam Cooper