F1: De Vries diz que Verstappen agiu como “irmão mais velho” em acordo com AlphaTauri

Compatriota de campeão da F1 revelou os bastidores das negociações após GP da Itália, quando estreou na categoria

Nyck de Vries, Mercedes-Benz EQ

Nyck de Vries disse que Max Verstappen agiu como um “irmão mais velho”, ajudando a orientá-lo para uma vaga na Fórmula 1 com a AlphaTauri para 2023.

Verstappen revelou no sábado que se reuniu com de Vries para jantar após a impressionante estreia com a Williams no GP da Itália e o encorajou a entrar em contato com Helmut Marko, da Red Bull.

Leia também:

Na época, de Vries estava sendo vinculado à Williams e à Alpine e, de fato, ele já havia marcado um teste em Budapeste com o carro de 2021 da equipe francesa.

No entanto, Verstappen informou de Vries sobre o que estava acontecendo em termos da possível saída de Pierre Gasly da AlphaTauri e sugeriu que ele ligasse para Marko.

De Vries viajou para Graz (Áustria) para conhecer o consultor da Red Bull e iniciar as negociações que o levaram a ser anunciado como piloto da AlphaTauri no sábado, antes do GP do Japão.

"Max e eu temos um ótimo relacionamento", disse de Vries. "Obviamente, somos de uma época semelhante. Ele é um pouco mais novo que eu, mas crescemos no kart, somos ambos holandeses.

“Nós vivemos para o esporte e nos respeitamos muito como pilotos. E mesmo sendo um pouco mais novo, quase parecia que ele agia como meu irmão mais velho.

“Obviamente, jantamos juntos após o evento de Monza em Mônaco e conversamos sobre as possibilidades e oportunidades. E isso resultou em uma conversa com o Dr. Marko, quando nos encontramos naquela mesma semana na Áustria.”

 

Sobre a importância daquele jantar com Verstappen, de Vries acrescentou: "Não é como se uma coisa fosse a chave para nada. Até agora, tenho cuidado de mim mesmo e sempre escutei as pessoas ao meu redor. E o conhecimento é muito importante nesta indústria.

“E acho que às vezes você vê as pessoas segurando suas cartas bem perto do peito. E é importante compartilhar informações para saber o que está acontecendo. E foi muito esse tipo de conversa."

De Vries admitiu que sua aparição de última hora pela Williams na Itália desempenhou um grande papel, mas enfatizou que já estava no quadro com outras equipes.

"Admito que certamente Monza acelerou muitas das conversas", disse ele. "No entanto, eu faço parte desse carrossel da F1 há algum tempo.

“Obviamente, depois de vencer a Fórmula E, houve uma oportunidade na Williams no verão passado. E no início desta temporada também houve vários momentos em que estávamos conversando.

“Sou reserva da Mercedes, assim como reserva da Williams. Então eu sou próximo deles e tenho um bom relacionamento com as pessoas de lá. Sempre estive em segundo plano nas conversas.

“O caso Oscar [Piastri] estava acontecendo. E então Fernando [Alonso] se mudou para Aston, pouco antes das férias de verão, isso meio que deu início a toda a silly season. E eu sempre fiz parte disso em segundo plano.

“Mas acho que Monza acabou de tirar quaisquer possíveis pontos de interrogação que as pessoas pudessem ter, e claramente todas as estrelas estavam alinhadas para aquele fim de semana.

"O carro estava competitivo naquele circuito, houve algumas penalidades no grid, alguns abandonos e sem o safety car, francamente, não teríamos nem terminado a corrida por causa de problemas no freio dianteiro direito."

 

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1 - FIA: há “conversas demais” e “especulação selvagem” sobre teto de gastos
Próximo artigo PÓDIO: Rico Penteado comenta bicampeonato de Verstappen na F1

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil