F1 espera não repetir erros de 2009, mas não acredita em regulamento 'perfeito' em 2022; entenda

Direção da categoria crê que há áreas que poderiam ter sido mais bem especificadas nas novas regras, mas vê situação diferente de 13 anos atrás

F1 espera não repetir erros de 2009, mas não acredita em regulamento 'perfeito' em 2022; entenda
Carregar reprodutor de áudio

Os chefes da Fórmula 1 não se iludem de que as novas regras de 2022 serão perfeitas, com a FIA aberta a algumas coisas que poderia ter feito melhor. No entanto, permanece uma firme convicção de que, quando os novos carros forem lançados em batalha pela primeira vez, no Bahrein, os regulamentos atingirão o objetivo de permitir que as corridas sejam melhores.

E, embora seja inevitável que alguns detalhes tenham que ser corrigidos a longo prazo, há um certo grau de confiança de que a categoria não deve repetir o cenário de 2009 – quando diretrizes destinadas a ajudar nas ultrapassagens não atingiram a marca esperada.

Leia também:

O que deu errado em 2009?

A última vez que a F1 reescreveu os regulamentos em um esforço para melhorar as corridas e gerar mais disputas foi no ano citado.

Embora grande parte do trabalho feito para essas regras tenha ajudado a melhorar as coisas, também houve algumas consequências não intencionais importantes que significaram que seus esforços foram rapidamente desfeitos pelas equipes.

Brawn BGP 001 2009 double diffuser detail view

Brawn BGP 001 2009 double diffuser detail view

Photo by: Giorgio Piola

A temporada de 2009 é mais lembrada pela história da Brawn GP, da qual uma dessas consequências não intencionais está intrinsecamente ligada. Junto a Williams e Toyota, a equipe rebatizada chegou aos testes de pré-temporada com um difusor duplo.

Flertando com o texto e a intenção dos regulamentos, o resto do grid reagiu e exigiu que o projeto fosse banido, mas a FIA deu o aval e todos os outros foram forçados a se inspirar no exemplo.

Ferrari F60 (660) 2009 front view comparison with F2008

Ferrari F60 (660) 2009 front view comparison with F2008

Photo by: Giorgio Piola

A premissa dos regulamentos de 2009 era reduzir todos os dispositivos aerodinâmicos auxiliares que cresceram em torno dos carros na era anterior.

Eles também procuraram mudar o foco das asas dianteiras e traseiras, com a segunda mais alta e estreita para lidar com o vácuo de uma maneira um pouco diferente. Esperava-se que isso ajudasse os carros a andarem próximos de forma mais estável.

Com a asa dianteira, a FIA não apenas a fez mais larga, para interagir com a roda dianteira e seu rastro de maneira diferente, mas também adicionou controle sobre uma seção central neutra. Pretendia-se que essa área de 500 milímetros impedisse as escuderias de usar a parte central da peça para criar downforce, como faziam no passado.

No entanto, esse movimento indiretamente criou um terreno fértil para o que ficou conhecido como o vórtice Y250. Isso se tornou uma ferramenta incrivelmente poderosa que as equipes aproveitaram para alimentar as estruturas de fluxo e melhorar o desempenho geral do carro.

Isso ajudou a tornar os carros ainda mais sensíveis à turbulência à frente, pois qualquer perturbação significava que os fluxos do Y250 não estavam funcionando tão bem quanto no ar limpo.

Os regulamentos de 2009 também permitiram que as escuderias usassem um dispositivo de asa dianteira ajustável pelo piloto que as equipes gastaram recursos desenvolvendo, mas rapidamente se tornaram redundantes. Foi substituído em 2011 pelo DRS, que ainda é empregado hoje.

A grande maioria das equipes escondeu o mecanismo necessário para operar o ajuste da asa dianteira dentro do endplate, mas isso resultou na impossibilidade de aumentar o nível de complexidade quando se tratava do design.

McLaren MP4-24 2009 front wing flap adjuster cutaway view

McLaren MP4-24 2009 front wing flap adjuster cutaway view

Photo by: Giorgio Piola

Se compararmos o McLaren MP4-24 (acima) a asa dianteira do Brawn GP BGP001 (abaixo), podemos ver que o ajustador está alojado na extremidade interna do flap, dando-lhes mais flexibilidade em termos de design de seu endplate e assim, uma maior oportunidade de criar outwash.

Brawn BGP 001 2009 Spa front wing

Brawn BGP 001 2009 Spa front wing

Photo by: Giorgio Piola

O grupo responsável pelas regras também havia expressado originalmente interesse em remover os bargeboards na época, pois era óbvio seu poder aerodinâmico. No entanto, as equipes pressionaram para que ficassem e eles conseguiram.

McLaren MP4-24 2009 new bargeboard

McLaren MP4-24 2009 new bargeboard

Photo by: Giorgio Piola

Organizando tudo para 2022

O trabalho realizado nos regulamentos de 2022 é sustentado pelos fundamentos de 2009. Embora as regras não tenham sido suficientemente prescritivas e tenham um formato semelhante às anteriores, foram escritas desde o início.

Isso, juntamente a uma compreensão mais firme de certos aspectos de design que agora serão os mesmos em todos os aspectos, deve aumentar suas chances de sucesso.

No entanto, a verdade de quanto as equipes contornaram a intenção original na busca por desempenho ainda não será conhecida por um tempo.

Nikolas Tombazis, chefe de assuntos de monopostos da FIA, está confiante de que tempo e esforço suficientes foram dedicados ao enquadramento das regras para garantir que as escuderias não acabem atrapalhando a intenção positiva que motivou a revisão.

F1 2022 car

F1 2022 car

Photo by: Formula 1

Questionado sobre as perspectivas de uma repetição de 2009, Tombazis acredita que desta vez as coisas serão melhores.

"Há dois ou três aspectos que, em retrospectiva, teríamos pensado um pouco diferente, mas não vou dizer [o que são]", disse ele sobre a estrutura atual. "Com o trabalho de 2009, fundamentalmente, claramente muito menos detalhes foram necessários, mas as experiências durante esse trabalho estavam corretas."

"Eles pensaram muito bem sobre isso, em como entender qual era o fenômeno [que impedia os carros de andarem próximos] e o que deveria ser feito."

"Falhou só depois, as regras estavam cheias de tantas liberdades que, em poucas semanas de testes no túnel de vento, e obviamente eu estava sentado do outro lado do muro [trabalhando para uma equipe], negamos totalmente todas as coisas boas que haviam sido pensadas."

"As regras foram escritas de forma que, se você quisesse, poderia tornar um carro fácil de seguir, mas bem lento. Ou você poderia fazer um rápido que ignorasse totalmente todas essas coisas [para melhorar as corridas]."

"Tentamos aprender com isso e fazer regras que são inevitavelmente mais restritivas, mas espero que não haja tanta divergência. No entanto, tenho certeza de que haverá áreas em que concluímos que podemos ter cometido um erro ou poderemos precisar fazer algum ajuste."

Drivers group photo with the 2022 F1 car

Drivers group photo with the 2022 F1 car

Photo by: Liberty Media

TELEMETRIA DE FÉRIAS (Parte 2): Rico Penteado aponta favoritos para 2022

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #158 – TELEMETRIA DE FÉRIAS: Rico Penteado explica novo carro da F1

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST:

compartilhar
comentários
F1: Russell rejeitou primeira oferta da Mercedes nas categorias de base e quase ficou de fora da escuderia; relembre
Artigo anterior

F1: Russell rejeitou primeira oferta da Mercedes nas categorias de base e quase ficou de fora da escuderia; relembre

Próximo artigo

F1: Colômbia anuncia planos para GP em Barranquilla, ainda sem ano definido

F1: Colômbia anuncia planos para GP em Barranquilla, ainda sem ano definido
Carregar comentários