F1: Ferrari é contra ideia de congelamento dos motores da Red Bull

compartilhar
comentários
F1: Ferrari é contra ideia de congelamento dos motores da Red Bull
Por:

Equipe italiana teme que, ao igualar o desempenho dos motores, a F1 não se tornaria atraente para novas montadoras

A Red Bull segue considerando suas opções para o fornecimento de motores a partir de 2022. E a opção preferida segue sendo assumir o trabalho da Honda e produzir seus próprios motores, mas só irá fazer isso com uma condição: congelar o desenvolvimento ao longo da temporada. Mas a equipe deve ter uma forte oposição na Fórmula 1: a Ferrari.

A opção, que já foi analisada por Christian Horner e Helmut Marko, tem essa defesa da marca austríaca para criar uma equalização de desempenho.

Leia também:

A equipe busca ao máximo seguir com o motor japonês nos próximos anos após uma melhora no desempenho deste ano, mas, como temem ficar para trás devido aos altos valores necessários para desenvolver a unidade de potência, defendem o congelamento dos componentes do início ao fim do ano.

Por outro lado, a Ferrari quer que os motores da F1 sigam sendo um componente de desempenho com foco na inovação, sendo transferido para o setor automotivo para atrair novos fabricantes.

Neste ano, com o impacto da Covid-19, a Ferrari teve atitudes responsáveis, aceitando restrições rigorosas às regras de desenvolvimento, que impediram a evolução dos carros de 2020 e 2021 para limitar custos e salvar as equipes em dificuldades financeiras devido à pandemia.

Mas a Scuderia não quer ir além das medidas já existentes para evitar distorcer o DNA da F1: os chefes da Red Bull invocam o nivelamento das unidades de potência, mas isso significaria gastos exorbitantes para não ter nenhuma vantagem.

Muitas categorias são monomotores, mas o mundo dos GPs não é a expressão de um único fabricante, especialmente porque não haveria argumentos válidos para convencer outras montadoras a se unir ao esporte.

Na verdade, o anúncio chocante da saída da Honda colocou a F1 em uma posição ruim, mas deve-se enfatizar que há uma distorção nos discursos: a montadora quer neutralizar suas emissões de carbono até 2050, sendo que o objetivo da F1 é 2030.

Os danos gerados à F1 são pesados e, por isso, não podem ser distorcidos para tornar a categoria uma "Indy Europeia", apesar das tentativas da Red Bull. Marko e Horner ameaçam sair da categoria se a Liberty Media não agir para equilibrar o desempenho do motor.

Por outro lado, a Ferrari, visando não apenas diminuir a lacuna criada pela Mercedes, espera que a inovação seja um dos temas introduzidos nos próximos motores e a F1 não pode se dar ao luxo de esperar até 2026 para mudar as regras.

É preciso encontrar chaves de pesquisa que impactem o produto, para que os custos de pesquisa não sejam voltados apenas para as vitórias no esporte, mas que também possam contribuir para uma corrida automotiva livre de carbono com soluções experimentais.

E assim a equipe italiana se coloca na oposição da Red Bull: Maranello gostaria de antecipar a introdução de motores que usam combustíveis sustentáveis até 2023.

Fala-se de uma gasolina sintética, que não é derivada de petróleo, ou biocombustíveis. Esses são temas de desenvolvimento vistos como interessantes, mas com abordagens e soluções totalmente diferentes e com importantes implicações aos motores.

Não apenas isso, mas será preciso definir em quais unidades de potência focar no futuro, talvez aproveitando ao máximo a parte elétrica e um pouco menos a endotérmica, tentando reduzir custos.

É possível que haja uma reunião em Portimão para discutir esse tema espinhoso sobre o futuro da F1. Mesmo que ainda não esteja no cargo, o futuro CEO da F1, Stefano Domenicali, deve acompanhar a reunião porque terá que assumir esse debate logo.

Parece evidente que Ferrari e Red Bull não chegarão a um acordo. Se a filosofia da Ferrari for aceita, a marca austríaca terá que desistir da ideia de seguir com os motores Honda, tendo que voltar a colaborar com Renault ou Ferrari, já que a Mercedes falou não à possibilidade.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

VÍDEO: As 5 maiores tretas entre campeões da F1

PODCAST: Recordes de Hamilton e Schumacher são comparáveis?

 

ANÁLISE: Nurburgring tornou os GPs de dois dias algo inevitável para o futuro da F1?

Artigo anterior

ANÁLISE: Nurburgring tornou os GPs de dois dias algo inevitável para o futuro da F1?

Próximo artigo

ANÁLISE: Entenda como está o mercado de pilotos da F1 para 2021

ANÁLISE: Entenda como está o mercado de pilotos da F1 para 2021
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Ferrari , Red Bull Racing
Autor Franco Nugnes