F1: FIA emite nota de esclarecimento sobre declarações de pilotos

Entidade enviou documento às equipes, dando exemplos do que pode e não pode durante fim de semana de corrida

Lewis Hamilton, Mercedes W12

A FIA esclareceu sua repressão a declarações políticas e pessoais aos pilotos de Fórmula 1, deixando claro o que será e o que não será tolerado nos eventos.

Em um documento distribuído às equipes nesta sexta-feira intitulado 'Orientação sobre o Princípio da Neutralidade (Artigo 12.2.1.n do ISC)', o corpo diretivo explicou como uma atualização de seu Código Esportivo Internacional de longa data publicado no final de 2022 funcionará na prática em relação aos pilotos que fazem declarações pessoais sobre vários assuntos.

Leia também:

Mas reitera que eles ainda devem pedir permissão para discutir determinados assuntos.

A FIA diz que os pilotos são livres para “expressar suas opiniões sobre qualquer assunto político, religioso ou pessoal antes, durante e depois da competição, em seu próprio espaço e fora do escopo da Competição Internacional”, como nas mídias sociais e durante entrevistas, incluindo as coletivas de imprensa da FIA.

Mas o esclarecimento do Artigo 12.2.1.n prossegue afirmando que, além de não fazer declarações particulares durante o desfile de pilotos, cerimônias de hino nacional, fotos de grupos de pilotos pré e pós-temporada e pódio (incluindo gestos visuais, como vestindo uma determinada peça de roupa) “os participantes não estão autorizados a fazer declarações políticas, religiosas e/ou pessoais que violem o princípio geral de neutralidade durante as coletivas de imprensa da FIA (exceto em resposta a perguntas diretas de jornalistas credenciados).”

A FIA também emitiu orientações sobre o que constitui expressões “políticas”, “religiosas” ou “pessoais”, no que diz respeito ao Artigo 12.2.1.n.

Ela afirma que uma violação de regra será considerada como tendo ocorrido se: “A realização e exibição geral de declarações ou comentários políticos, religiosos e pessoais violam notavelmente o princípio geral de neutralidade promovido pela FIA sob seus Estatutos, a menos que previamente aprovado em escrito pela FIA para Competições Internacionais, ou pela ADN relevante para Competições Nacionais dentro de sua jurisdição”.

Os comissários de corrida da F1 determinarão caso a caso se ocorreu uma violação da regra.

O esclarecimento da FIA deu exemplo de declaração política violando as regras seria um piloto não pedir permissão para discutir “quaisquer declarações ou comentários a respeito de qualquer governo local, regional ou nacional ou qualquer um de seus departamentos, escritórios ou funções”.

Sebastian Vettel, Aston Martin

Sebastian Vettel, Aston Martin

Photo by: Carl Bingham / Motorsport Images

O corpo governante afirma que um exemplo de violação de regra em relação a declarações não aprovadas sobre religiões seria “qualquer coisa crítica ou hostil às crenças religiosas ou espirituais de outras pessoas”.

Esclareceu que “gestos religiosos privados e sem proselitismo, como apontar as mãos para o céu ou fazer o sinal da cruz, não devem ser considerados declarações religiosas proibidas”.

O exemplo “pessoal” em que a permissão deve ser solicitada por um piloto significa “qualquer circunstância pessoal do participante. Os competidores não devem usar eventos como uma plataforma para compartilhar declarações pessoais de qualquer tipo em violação do princípio geral da neutralidade”, que diz respeito ao Artigo 2 dos Estatutos da FIA (em vigor desde 8 de maio de 1970) e é – de acordo com a FIA – o princípio preocupação com os esforços feitos para esclarecer o que os pilotos podem e não podem dizer nos eventos da F1.

A orientação da FIA afirma que os pilotos que buscam permissão para fazer uma declaração que de outra forma infringiria o Artigo 12.2.1.n devem fazê-lo “pelo menos quatro semanas antes do evento em questão” e diz que “pedidos tardios só serão considerados pela FIA em casos excepcionais”, com quaisquer permissões concedidas cobrindo apenas um evento de F1.

O Motorsport.com apurou que existe uma área cinzenta da regra em relação aos capacetes dos pilotos, naturalmente muito visível durante a ação na pista. Isso pode ser comparado com as seleções que desejavam que os capitães de seus times de futebol usassem uma braçadeira de arco-íris 'OneLove' na recente Copa do Mundo no Catar.

O Motorsport.com perguntou se, por exemplo, Lewis Hamilton gostaria de usar novamente um capacete de arco-íris no retorno do GP do Catar em 2023, e entende-se que ele seria aconselhado a pedir permissão para fazê-lo ou correr o risco de violar o artigo 12.2.1.n.

Sobre as orientações emitidas para as equipes, um porta-voz da FIA disse: “Foi emitida uma Nota de Orientação aos Participantes em Competições Internacionais que define o escopo das atualizações feitas no Código Esportivo Internacional da FIA em dezembro.

“As atualizações consolidam o compromisso de longa data da FIA em proteger a neutralidade do esporte a motor e garantirão particularmente a neutralidade durante momentos-chave em todas as competições de esportes a motor, como pódios, hinos nacionais e atividades oficiais 'no campo de jogo' - não impõe nenhuma restrições adicionais aos indivíduos que expressam suas opiniões fora desses horários.

“A Nota de Orientação não altera o Artigo 12.2.1.n do Código Desportivo Internacional da FIA.

“Era necessário fornecer um documento de orientação separado para facilitar a implementação dos princípios de neutralidade nas diversas disciplinas do esporte a motor”.

Alpine AZUL, Alfa Romeo, McLaren e cia: MELHORES e PIORES pinturas da F1 2023; assista ao DEBATE

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #217 – Como serão as batalhas internas das equipes na F1 2023?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Qual real diferença entre carros de 2022 e 2023? Veja comparações
Próximo artigo F1: “Exigente" Alonso vem surpreendendo cúpula da Aston Martin nos primeiros dias de equipe

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil