F1: Haas deve revisar acordo com patrocinadora russa e deixa futuro de Mazepin no ar

Gunther Steiner deu sua primeira coletiva desde o início da invasão russa na Ucrânia, após ter seu nome removido da sessão realizada na sexta-feira

F1: Haas deve revisar acordo com patrocinadora russa e deixa futuro de Mazepin no ar
Carregar reprodutor de áudio

A Haas confirmou nesta manhã que deve trabalhar no futuro do acordo com sua patrocinadora máster na Fórmula 1, a empresa russa de fertilizantes Uralkali, na próxima semana após remover as referências à marca e a bandeira russa do carro para o último dia de pré-temporada em Barcelona. E o chefe da equipe, Gunther Steiner, também deixou no ar a situação de seu piloto, Nikita Mazepin.

Devido à invasão russa à Ucrânia, a Haas anunciou na quinta que faria o último dia de testes em Barcelona sem as cores da bandeira russa e a referência à Uralkali, utilizando uma pintura branca. Isso deixou no ar o futuro do acordo e do piloto Mazepin.

Leia também:

Na sexta, o chefe Gunther Steiner fez sua primeira aparição pública desde o anúncio, explicando que analisaria as implicações legais na próxima semana.

"Fizemos a remoção ontem, temos que lidar com as questões legais na próxima semana, o que não posso falar", disse. "No momento, disse que não faríamos isso hoje. Tomamos a decisão ontem com nossos parceiros. É isso o que faremos. Trabalharei no resto na próxima semana".

Na quinta, tropas russas iniciaram um grande ataque à Ucrânia após meses de tensões crescentes. O início de uma guerra também deixou grandes dúvidas sobre o futuro do GP da Rússia, com uma reunião de emergência feita pela F1 ontem em Barcelona. Novas informações sobre o destino da etapa são esperadas logo, mas pilotos e equipes já indicaram a inviabilidade de sua realização.

A final da Champions League, marcada para maio em São Petersburgo já foi mudada para Paris.

Steiner disse que a decisão pela remoção do patrocínio da Uralkali e as cores da bandeira russa tiveram apoio total do dono da equipe, Gene Haas, sendo "a decisão correta a ser tomada".

"Isso não atrapalha o lado da competição, em nada".

Nikita Mazepin, Haas VF-22, leaves the garage

Nikita Mazepin, Haas VF-22, leaves the garage

Photo by: Carl Bingham / Motorsport Images

"Precisamos lidar apenas com as questões comerciais. Como eu disse antes, faremos isso nas próximas semanas".

Questionado pelo Motorsport.com sobre o quanto isso seria uma dor de cabeça financeira para a equipe ao potencialmente perder seu patrocinador máster, Steiner afirmou que "financeiramente, estamos bem".

"Isso não impactaria a equipe, como estamos trabalhando, como planejamos essa temporada. Há mais maneiras de adquirir financiamento. Não há problemas nessa área".

A Uralkali tem como um de seus donos o pai de Mazepin, Dmitry, que apoiou a carreira do piloto até aqui. Steiner reconheceu também que o futuro de Nikita com a equipe "precisa ser resolvido", já que há fatores maiores em jogo.

"Nem tudo depende de nós aqui, sobre o que está acontecendo. Há governos envolvidos e não tenho poder nenhum nisso. Precisamos ver também a situação, como isso se desenvolve com a Ucrânia".

F1 2022: GUERRA na Ucrânia TRAZ CONSEQUÊNCIAS no paddock; SAIBA como foi o dia em BARCELONA

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #163 - Rico Penteado destrincha carros de 2022 da F1

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Haas usa pintura sem referências à bandeira russa no último dia de pré-temporada em Barcelona; veja imagens
Artigo anterior

F1: Haas usa pintura sem referências à bandeira russa no último dia de pré-temporada em Barcelona; veja imagens

Próximo artigo

F1 anuncia que GP da Rússia de 2022 está cancelado por invasão à Ucrânia

F1 anuncia que GP da Rússia de 2022 está cancelado por invasão à Ucrânia