F1: McLaren não sabe por que não sofreu tanto com o porpoising na pré-temporada

Diretor técnico da equipe confessou que equipe não antecipou o problema, mas também não crê em 'sorte' visto alguns aspectos do carro

F1: McLaren não sabe por que não sofreu tanto com o porpoising na pré-temporada
Carregar reprodutor de áudio

A McLaren não tem uma explicação clara de por que não teve de grande parte do porpoising, que 'assombrou' as equipes no primeiro teste de pré-temporada da Fórmula 1 2022. Com as escuderias fazendo suas primeiras voltas com as novas máquinas, muitas foram pegas de surpresa pelo fenômeno de 'quicadas' que seus pilotos experimentaram ao atingir a velocidade máxima nas retas.

Tentar domar o problema tem sido uma grande dor de cabeça, com a Mercedes precisando usar estadias temporárias em Barcelona, ​​enquanto a Alfa Romeo não terá uma solução adequada até o próximo teste, no Bahrein.

Leia também:

No entanto, a McLaren quase não teve esse problema, exceto quando instalou algumas peças de teste que de repente pareceram mudar sua plataforma aerodinâmica e desencadeá-lo.

O diretor técnico da equipe, James Key, disse não estava completamente imune ao porpoising, mas avaliou que não trouxe nenhuma dor de cabeça específica.

"Tivemos alguns itens de teste que pareceram causá-lo um pouco mais", comentou. "Removê-los reduziu a incidência, então dá para consertá-lo aerodinamicamente também."

"Acho que não tem sido um assunto de preocupação para nós no momento. Sofremos um pouco com isso, mas não foi uma grande distração para os pilotos."

Daniel Ricciardo, McLaren MCL36

Daniel Ricciardo, McLaren MCL36

Photo by: Alessio Morgese

Key confessou que a equipe não esteve um passo à frente para criar um carro que abordasse especificamente o problema, mas também acha que não foi um acaso completo que seu design tenha se mostrado tão estável.

"Eu adoraria falar que fomos super inteligentes, mas a realidade é que isso é muito difícil de simular”, reiterou. "No entanto, não acho que tenha sido inteiramente sorte. Creio que a estabilidade do carro desempenha certo papel, e também como o carro aguenta a carga em vários tipos de condições de altura e assim por diante."

"Mesmo assim, estaria mentindo se dissesse que foi intencional. Acho que é um fenômeno com o qual todos vamos nos acostumar ao correr em pista com esses carros. E espero que possamos resolver isso com o passar do tempo e aprender como removê-lo."

Key calculou, no entanto, que o porpoising pode ser algo que as equipes nunca se livrem completamente, e os pilotos podem ter que conviver com ele em certas pistas.

"Acho que provavelmente sempre haverá um pouco dessa reação inerente da proximidade ao solo como essa, porque são carros de efeito solo", acrescentou. "É por isso que estamos vendo isso agora, mas acho que vamos aprender a viver com isso."

"Ainda há muito para encontrar nestes carros e aprender. Eu não acho que o fenômeno possa ser erradicado, porque é uma coisa física, mas em termos de gerenciamento, acho que pode ser um problema significativamente menor e um ponto de discussão após um pouco de trabalho de desenvolvimento."

F1 2022: PIETRO FITTIPALDI de volta ao grid? HAMILTON lidera e ALONSO vê carro pegar FOGO na Espanha

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #164 - Certezas e dúvidas após pré-temporada da F1 na Espanha

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Ferrari usada por Schumacher no GP do Japão de 1998 está à venda; veja preço
Artigo anterior

F1: Ferrari usada por Schumacher no GP do Japão de 1998 está à venda; veja preço

Próximo artigo

F1: Ferrari rebate Hamilton sobre pré-temporada e joga favoritismo para Mercedes

F1: Ferrari rebate Hamilton sobre pré-temporada e joga favoritismo para Mercedes