F1: Mesmo com progresso na Inglaterra, Mercedes ainda não está muito otimista

Chefe da equipe, Toto Wolff, usou falsa melhora vista em Barcelona para frear a empolgação em relação ao restante do campeonato

F1: Mesmo com progresso na Inglaterra, Mercedes ainda não está muito otimista
Carregar reprodutor de áudio

Uma série de atualizações para o W13, aliadas ao circuito suave e de alta velocidade de Silverstone, que se adequa ao carro, permitiu que Lewis Hamilton lutasse com a Ferrari pela vitória no GP da Grã-Bretanha de Fórmula 1 nesse fim de semana. Contudo, na visão de Toto Wolff, chefe da equipe, isso ainda não é motivo para otimismo.

Embora Hamilton tenha terminado em terceiro, atrás do vencedor da corrida, Carlos Sainz e de Sergio Pérez, o fato de que ele foi capaz de lutar por um pódio em ritmo puro marcou um grande passo à frente para a equipe de Brackley.

Leia também:

No entanto, apesar do GP da Inglaterra indicar que a Mercedes está fazendo um bom progresso com seu carro, Wolff está convencido de que sua equipe não se permitirá cometer o mesmo erro que cometeu após o GP da Espanha deste ano.

Depois da corrida, onde Hamilton mostrou um ritmo igualmente forte, a Mercedes esperava que isso fosse o ponto de mudança no seu campeonato e que pudesse atingir melhores resultados.

Mas as lutas nas corridas seguintes — incluindo momentos especialmente complicados em Mônaco e Baku — provaram ser uma prova da realidade para a equipe.

Conversando exclusivamente com o Motorsport.com, Wolff disse que o resultado em Silverstone está longe de ser o suficiente para a Mercedes sentir que a equipe pode partir para o ataque a partir de agora.

Questionado se ele sentia que o apresentado pelo time no GP da Grã-Bretanha poderia mudar o pensamento para o restante da temporada, Wolff disse: “Não, ainda não, porque tivemos em Barcelona momentos onde nós vimos alguma luz no fim do túnel”.

“Depois, as três corridas de ruas seguintes provaram que estávamos errados, então eu não quero falar sobre ser muito otimista neste momento”.

Toto Wolff, Team Principal and CEO, Mercedes AMG

Toto Wolff, Team Principal and CEO, Mercedes AMG

Photo by: Carl Bingham / Motorsport Images

Enquanto a Mercedes está mostrando um passo à frente na velocidade, em comparação com Red Bull e Ferrari, Wolff acredita que Silverstone expôs o fato de que sua equipe precisa progredir na melhoria do desempenho de seu carro.

Nas curvas de alta velocidade em Silverstone, tanto Hamilton quanto seu companheiro de equipe George Russell encontraram problemas com os saltos, embora não fosse tão ruim se comparado com as outras equipes.

Perguntado se ele sentia que a Mercedes poderia, pelo menos, sentir que agora tem uma direção com o W13, Wolff respondeu: “Também achamos essa direção em Barcelona. Ainda temos nosso problema de desempenho, nos atingiu pelos três dias, menos na corrida e isso é algo que precisamos resolver.”

Com a próxima parada da F1 sendo na Áustria, lugar onde a Mercedes não tenha se adequado no passado, Wolff pensa que pode ser um medidor em relação à forma da sua equipe.

“Aqui tem algumas curvas que não fizeram nosso carro feliz no passado, então é algo que precisamos olhar,” ele disse.

“Mas é uma curva de aprendizado constante. Acho que esta temporada vai ser muito difícil de vencer, então só precisamos colocar nossos esforços para estar adequadamente no topo do desempenho do carro.”

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #185 - Ainda há quem resista ao halo após mais duas vidas salvas?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1 - Marko: "Se Pérez quer ser campeão, precisa bater Verstappen"
Artigo anterior

F1 - Marko: "Se Pérez quer ser campeão, precisa bater Verstappen"

Próximo artigo

F1: FIA faz mudanças na forma de aferir a deflexão de asas traseiras

F1: FIA faz mudanças na forma de aferir a deflexão de asas traseiras