F1 está no limite com calendário de 24 corridas, dizem chefes de equipe

Times vão colocar em prática um rodízio entre os funcionários

Carlos Sainz, Ferrari SF-23, Fernando Alonso, Aston Martin AMR23, Pierre Gasly, Alpine A523

James Sutton / Motorsport Images

Os chefes de equipe da Fórmula 1 concordam que os 24 eventos programados para a próxima temporada representam um limite, pois eles tentam fazer malabarismos com as políticas de rotação de pessoas na equipe.

Leia também:

O calendário de 2023 foi originalmente anunciado com 24 corridas antes de o GP da China ser cancelado devido aos efeitos persistentes da COVID-19.

O GP da Emilia Romagna foi cancelado no último minuto devido a inundações, mas muitos membros da equipe já estavam na Itália ou a caminho, então, na verdade, eles trabalharam 23 fins de semana, mesmo que a corrida de Ímola não tenha acontecido.

O evento de Xangai está de volta ao calendário para 2024 e, portanto, sem outras mudanças, o esporte terá 24 eventos pela primeira vez.

"Acho que 24 é o limite", disse o CEO da McLaren, Zak Brown, quando perguntado pelo Motorsport.com sobre o calendário do próximo ano. "Stefano [Domenicali] vai definir isso."

"Há uma demanda para provavelmente 30 GPs. Portanto, eu gostaria de ver um dia em que houvesse 24 gps, mas, para abranger mais mercados, talvez você tivesse 20 gps fixos e oito rotativos, de modo que estivesse em 28 mercados 24 vezes por ano."

"Acho que essa seria uma ótima maneira de manter o calendário onde ele está, mas ainda assim ter um crescimento."

"O calendário foi definitivamente melhorado do ponto de vista logístico, e não é fácil, porque cada território tem um motivo para querer algo em uma determinada data ou há outros eventos ou feriados, coisas dessa natureza. Portanto, isso é uma prioridade para todos nós e não tenho dúvidas de que continuará a melhorar."

Zak Brown, CEO, McLaren Racing, on the pit wall

Zak Brown, CEO da McLaren Racing, no muro dos boxes

Foto de: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Mike Krack, da Aston Martin, enfatizou que as equipes precisam garantir que não haja esgotamento do pessoal, alternando as pessoas entre os eventos.

"As 24 corridas foram muito debatidas", disse Krack. "Temos também as corridas duplas e as corridas triplas. Acho que, no geral, provavelmente não está longe do limite do que podemos fazer ou do que podemos aceitar. Mas acho que cabe às equipes encontrar maneiras de tornar isso sustentável para seus funcionários."

"Acho que todas as equipes fazem isso, discutem isso e tentam encontrar soluções. Mas, novamente, isso mostra a força do esporte e é algo com que todos concordamos e agora temos que encontrar maneiras de fazer isso acontecer de forma sustentável para todos."

James Vowles, chefe da Williams, concordou que a rotação eficiente da equipe é agora uma estratégia fundamental para todos os times.

"É um problema de otimização", observou ele. "Claramente, não podemos simplesmente continuar a usar as mesmas pessoas. Temos que repensar, quase até certo ponto, como estamos administrando as organizações de corrida."

"Mas há categorias de corridas que estão realizando 32 ou mais finais de semana por ano. É apenas um problema de otimização. Como podemos criar uma vida sustentável para todos e, ao mesmo tempo, manter o desempenho?"

Fred Vasseur, da Ferrari, confirmou que a equipe italiana incentivará uma maior rotatividade no próximo ano, ao mesmo tempo em que concorda que o número de corridas reflete o sucesso atual da F1.

"A vida é muito mais fácil para mim do que para os mecânicos", disse o francês. "Antes de mais nada, temos que ter em mente que, se alguém pode reclamar, são mais os mecânicos do que os diretores de equipe. Para eles, estamos tentando iniciar a rotação e ter esse tipo de história."

"Mas eu também tentaria evitar ser arrogante. Há cinco anos, estávamos lutando para encontrar 16 ou 17 promotores interessados em fazer as corridas. Hoje temos um enorme sucesso, e eu evitaria dizer: 'Não, eu quero ficar em casa no próximo fim de semana. Vou fazer um churrasco com minha esposa!"

"Você sempre pode dizer: 24 é mais do que 23 e menos do que 25 e eu não sei qual é o número certo, mas tenho a sensação de que está bem equilibrado."

"Com certeza, precisamos ter um tipo de rodízio para os rapazes, porque, novamente, eu entro na pista na quinta-feira e saio no domingo à noite, quando os rapazes entram na segunda, na terça e saem na segunda, não é a mesma vida. Para mim, está tudo bem. Para eles, vamos colocar em prática o rodízio."

Ricciardo de volta à F1 e de Vries demitido! Red Bull injusta? O que será de Pérez?

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast Motorsport.com debate impacto do 'ressurgimento' da McLaren na F1 2023

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior Ferrari já trabalha em carro de 2024 e Audi confirma 'abandono' de Dakar e DTM em prol da F1
Próximo artigo F1: Horner questiona proximidade de Wolff ao programa de motores de 2026 da Mercedes

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil