F1: Red Bull teve "grande desafio" para se adaptar ao novo teto orçamentário

Mas segundo Christian Horner, o teto ajuda a resolver um problema antigo da categoria: a falta de eficiência das equipes

F1: Red Bull teve "grande desafio" para se adaptar ao novo teto orçamentário

Pela primeira vez na história, as equipes da Fórmula 1 terão que operar sob um rígido regulamento financeiro, em um movimento para tornar o esporte mais sustentável. E a introdução do teto orçamentário significou um "grande desafio" para as maiores equipes da F1, como disse Christian Horner ao falar da situação da Red Bull.

Com o impacto financeiro da pandemia da Covid-19, as equipes concordaram com a redução do teto orçamentário de $175 milhões de dólares (R$960 milhões) para $145 milhões (R$800 milhões).

Leia também:

Enquanto algumas equipes operam ao redor ou abaixo do teto, as três maiores equipes da F1, Mercedes, Red Bull e Ferrari, enfrentaram o desafio de reduzir suas operações para cumprir o novo regulamento.

Falando sobre a resposta ao novo teto orçamentário da F1, Christian Horner, explicou como que isso foi um grande desafio para sua equipe, mas colocando o foco em tornar os processos mais eficientes.

"Foi um desafio mais significativo, mas eu acredito que toda a organização respondeu muito bem. O foco foi lidar com eficiência, algo que as equipes da F1 não tem ido muito bem nos últimos anos. Acho que o desafio é significativo e contínuo, mas estamos abraçando".

"Obviamente temos uma direção à eficiência através da capacidade interna, em termos de não usar recursos externos, e estamos vendo reduções significativas. Mas tem sido um desafio e seguirá sendo. Mas acho que, como disciplina para a F1, terá um impacto sério".

Para cumprir o teto orçamentário, algumas equipes foram forçadas a reestruturar seus quadros de funcionários, criando vagas em projetos externos, como tecnologia aplicada ou clientes na F1.

O chefe da McLaren, Andreas Seidl, explicou como que ele estava focado em proteger o maior número de empregos possíveis, mantendo o mesmo tamanho da equipe e colocando a eficiência como ponto chave.

"Não é segredo que agradecemos a chegada do teto orçamentário, porque garante, para uma equipe como a McLaren, que podemos fazer a F1 ter um futuro sustentável e competitivo. Nosso pessoal deu o seu melhor nos últimos 12 meses para preparar tudo antes de chegada do teto, porque mesmo para nós, isso significou uma redução na operação".

"O foco é claro, queremos proteger o maior número de empregos possível, manter o tamanho da equipe, porque, no final, as pessoas que fazem a diferença no esporte. Então estamos focados em encontrar outras áreas para reduzir gastos e onde podemos ser mais eficientes. Ainda estamos nesse processo, mas estou feliz com o que já encontramos".

"Sinto que estamos prontos como equipe e otimistas olhando para o futuro com a chegada do teto orçamentário, porque nos coloca em um campo mais nivelado com os demais".

SÉRGIO MAURÍCIO sobre F1 na BAND: "O diferencial será fazer o que a Globo vinha deixando de fazer"

Parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

PODCAST: Mercedes pode ter reinado derrubado após dificuldades vistas na pré-temporada?

 

compartilhar
comentários
Análise técnica: a Mercedes está com problemas na F1 ou faz parte de um plano?

Artigo anterior

Análise técnica: a Mercedes está com problemas na F1 ou faz parte de um plano?

Próximo artigo

F1: Russell substitui Grosjean e é nomeado novo diretor da GPDA

F1: Russell substitui Grosjean e é nomeado novo diretor da GPDA
Carregar comentários